Warm Up #307 - Um olho na B3; outro no câmbio

Ivan Sant'Anna Publicado em 28/05/2020
3 min
Rali de bear market ou recuperação definitiva das bolsas? Última narrativa parece prevalecer: de qualquer forma, mantenha o dedo no gatilho para realizações de lucro.

Caro leitor,

Nas últimas semanas andou pairando uma dúvida no mercado se a atual recuperação das Bolsas de Nova York e São Paulo era apenas um rally de short covering, fenômeno comum em todos os bear markets, ou uma recuperação definitiva.

Acho que a segunda hipótese (fim da baixa iniciada em janeiro) é a mais provável. Para mim, o Ibovespa, embora estejamos ainda em maio, já fez a mínima do ano. Refiro-me ao low intradia de 61.690, alcançado, e logo repelido, em 19.03.20.

Por outro lado, considero quase impossível voltarmos ao high de 24 de janeiro, quando o índice alcançou seu maior valor de todos os tempos, a 119.593.

61.690 com 119.593 – Este será o trading range de 2020, até agora o ano mais importante, em termos negativos, do século 21, mesmo lembrando que nesse período tivemos os ataques de 11 de setembro de 2001 e a crise do subprime (2007/2008).

No momento em que digito este texto, 17:40 de quarta-feira, o Ibovespa acaba de fechar a 87.946,25, 42,56% acima da mínima e 36% abaixo da máxima do ano.

Grosso modo, está no meio do caminho.

Se medida em dólares, entretanto, a queda do índice desde seu topo ainda é grande: 42%.

Isso talvez explique por que, mesmo com o surto de coronavírus, e a contração econômica no Brasil, dele decorrente, abortaram o bear market, quando os ursos já corriam para os abraços.

Junte-se a isso o fato de que as taxas de juros americanas, fixadas pelo FOMC, estão na faixa de 0,00% a 0,25% e as daqui na mínima histórica de 3%, devendo cair mais 50 ou 75 pontos na próxima reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central.

Sem querer bancar o estraga-prazer, e já bancando, vale lembrar que à medida em que o dólar continue caindo e as ações na B3 subindo, essa barganha dolarizada vai perdendo o atrativo.

Se o bear market de 2020 acabou, isso não quer dizer que retomaremos o grande bull market interrompido pelo surto do coronavírus.

Contabilizou lucro no bolso em reais? Ótimo! Contabilizou em dólares? Opa! Melhor ainda.

Com um olho na B3 e outro no câmbio, caro amigo leitor, mantenha o dedo no gatilho, pronto a realizar seus ganhos. Ou mesmo suas perdas caso tenha comprado lá no topo. Pois acho que o mercado ainda vai demorar muito tempo até voltar a percorrer aquela trilha no alto do morro.

Um grande abraço,

Ivan Sant'Anna

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia