Warm Up #302 - Quer se tornar rico para sempre?

Mark Ford Publicado em 05/05/2020
1 min
Mark Ford demonstra exclusivamente para você qual é o caminho próspero da construção de riqueza e da multiplicação de patrimônio: veja aqui.

Olá, leitor da Inversa.

Minha cabeleireira e seu namorado vão se casar. Como ela sabe que trabalho neste mercado, me pediu alguns conselhos sobre finanças.

Perguntei a ela o que sabia sobre dinheiro. Ela gostava de dinheiro – me disse – e considerava este assunto “interessante”, mas não sabia muito sobre “ações e investimentos, coisas deste tipo”. 

“Você sabe a diferença entre lucro e prejuízo?”, perguntei a ela.

“Quando uma empresa faz ou perde dinheiro?”, ela replicou.

“E a diferença entre um ativo e um passivo?"

“Ahn?”

“E patrimônio líquido? Você sabe o que isso significa?”

Ela não tinha a menor ideia.  

[Patrimônio líquido é uma medida para quantificar a riqueza total de uma pessoa: é o valor de todos seus ativos menos suas despesas e dívidas.]

Um colega meu disse uma vez que o maior problema dos EUA não é a corrupção na política ou a ganância corporativa, mas a ignorância sobre dinheiro. 

Ele pode estar certo.

De acordo com uma pesquisa do KeyBank, a cada quatro norte-americanos, três se consideram esclarecidos na esfera financeira. Mesmo assim, mais da metade destes respondentes admitiu ter tido um erro financeiro dentro do período de um ano.

Segundo um estudo da ValuePenguin, dentre 2.000 participantes de uma pesquisa sobre aposentadoria, 63% não sabiam como funcionava o plano 401k.

[Este planejamento é alternativo aos fundos de pensão e possui, dentre outras vantagens, uma maior flexibilidade nos investimentos e isenções tributárias.]

A revista Forbes noticiou que 38% das famílias nos EUA estão com dívidas no cartão de crédito, e que 33% dos norte-americanos não pouparam nada para a aposentadoria.

Indo além, a Forbes reportou que mais de 56% dos adultos nos EUA possuem menos de US$ 10 mil economizados para a aposentadoria.

A ignorância financeira nos EUA é generalizada, e custa muito. Se você pudesse ainda adicionar o valor total perdido por todas decisões não propulsoras a criação de riqueza que são feitas todos os dias pelos norte-americanos, o número seria astronômico.

Sabemos que os consumidores norte-americanos devem perto de US$ 14 trilhões a credores, segundo o website debt.org. E sabemos que este endividamento cresce a cada ano. Somente no ano passado, a dívida estudantil chegou a US$ 1,4 trilhão.

Existe uma razão pela qual somos analfabetos financeiros. Menos de 5% de nós teve qualquer educação financeira quando concluímos o colégio. Ao terminar a faculdade, isso não melhora muito. 

Você pode frequentar diversos cursos de economia ou contabilidade, mas e os fundamentos da construção pessoal de riqueza?

Isso simplesmente não é ensinado.

Suponho que não é ensinado porque a maioria dos professores – mesmo os formados em contabilidade, economia e finanças – não sabe o primeiro mantra sobre isso. 

Isso é certamente verdade dentre a maioria de contadores, economistas e experts em finanças que eu conheço.

Estava pensando neste assunto enquanto Kristin cortava meu cabelo.

Existem realmente dois problemas operando de forma simultânea: o analfabetismo financeiro (que significa você não saber a diferença entre um ativo e um passivo) e a ignorância dos bons fundamentos da construção de riqueza (indicando que você pode ser bom em blefar, mas você secretamente está quebrado).

E o que eu falaria à Kristin? O que eu poderia ensinar naquele instante que seria útil a ela e a seu marido para o resto de suas vidas?

Eu poderia ter explicado alguns termos, mas certamente ela os esqueceria logo adiante. Eu poderia falar sobre princípios e depois, se necessário, explicar conceitos financeiros.

  • Eu poderia ter explicado a diferença entre poupança e investimento...
     
  • Ou ter mostrado minha ilustração sobre “poços e baldes de ouro” e explicado como funciona... 
     
  • Eu poderia ter alertado ela como a maior parte dos casais jovens tende a aumentar os seus gastos conforme sua renda cresce...
     
  • Eu poderia ter falado porque ela e o marido deveriam evitar comprar uma casa maior se uma oportunidade aparecesse...
     
  • Eu poderia ter explicado por que alugar propriedades geralmente é mais inteligente do que comprar uma...
     
  • Ou ter explicado a enorme vantagem do tempo quando você está investindo através do juro composto..

Eu poderia ter levantado todos estes pontos...se tivesse umas 10 horas para conversar com ela.

Contudo, não fiz nada disso. Eu queria falar algo mais simples e com mais fundamentos do que todas essas coisas juntas. Gostaria de dizer uma coisa que pudesse fazer toda e completa diferença na vida financeira futura dela e de seu marido.

Eu fiquei pensando sobre isso enquanto ela estava aparando minhas costeletas e, então, eu consegui pensar em algo. Disse a ela que a coisa mais importante que deveria saber sobre dinheiro é o conceito do “patrimônio líquido”, e a primeira e mais importante regra que ela e seu marido deveriam seguir é a seguinte:

Tenha certeza que seu patrimônio líquido cresça – se não todos os dias, então ao menos de forma modesta, todos os meses, e significativamente, todos os anos.

Isso é uma versão um pouco mais refinada de um ensinamento que foi passado a mim muitos anos atrás. Este mandamento é que eu deveria “me tornar mais rico a cada dia”. Era simples e claro, mas mexeu comigo como uma faísca durante uma epifania.

Tornando isso uma resolução de vida – de que faria o que fosse necessário para me tornar um pouco mais rico todos os dias – minha visão inteira de investimentos mudou da noite para o dia.

Ao invés de fazer o que todo mundo estava fazendo, eu tomei um caminho diferente, no qual a preservação do meu “patrimônio líquido” existente era a coisa mais importante a se fazer, focando em quais lugares poderia impulsionar meu “patrimônio líquido” para criar ainda mais renda. 

Mesmo se seu dinheiro é, de uma forma conservadora, diversificado entre boas ações e títulos seguros de renda fixa, você pode ainda sentir uma queda em seu “patrimônio líquido” – assim como aconteceu diversas vezes na minha jornada de criação de riqueza – durante momentos em que os títulos e as ações caíram de forma simultânea.

Percebi que precisava de maior diversidade. Mas não somente em ativos que ficam “parados” lá. Eu necessitava ativos que fossem capazes de criar mais renda. 

Então eu entrei no mercado imobiliário, em companhias de financiamento direto, e investi em pequenas empresas. Todas as maneiras de geração de renda extra que caminhassem “fora de Wall Street”. 

E isso funcionou. Desde que fiz essa mudança, meu “patrimônio líquido” aumentou – se não todos os dias, definitivamente todos os anos. Tomei essa decisão cerca de 20 anos atrás. Meu patrimônio líquido multiplicou-se quase seis vezes desde então. E nunca, nunca viu uma forte queda. 

Então, foi isso que eu falei para a Kristin. Eu não me gabei de meu “patrimônio líquido” assim como fiz agora para você. Não achava que ela precisava ouvir isso. Ela poderia ter começado a me cobrar mais (o que eu teria admirado).

Mas ela pegou a ideia em si e gostou porque, acredito eu, era muito simples. Simples e óbvia. É algo que qualquer um pode fazer.

Abraço,

Mark  

PS.: Caro(a) leitor(a), acabamos de liberar o primeiro episódio da série original A Nova Ordem Cripto. Entenda o fenômeno capaz de oferecer retornos de até 30.000% em apenas 5 meses, que está varrendo o mundo das criptomoedas aqui. 

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia