Warm Up #294 - Mensagem ao investidor de nervos de aço

Ivan Sant'Anna Publicado em 23/12/2019
9 min
Se eu tivesse comprado ações no início de 2016, ficaria com o dedo no gatilho para realizar parte do lucro. Existe um perigo no ar

Caro leitor,

Em 26 de janeiro de 2016, o Ibovespa estava na marca de 37.511 pontos. Dilma era presidente e fazia uma trapalhada após a outra. Segurara os preços dos combustíveis e da energia elétrica e agora tentava correr atrás do prejuízo.

A inflação estourara, por larga margem, a banda superior da meta fixada pelo Conselho Monetário Nacional: 6,5% ao ano. O IPCA atingira 10,67%.

O dólar comercial era cotado a R$ 3,96, apenas um pouco abaixo do que está neste momento. Só que se aplicarmos a inflação no período, os 3,96 equivalem hoje a R$ 4,77.

Em todo o país, havia passeatas contra o governo do PT, a maioria dos manifestantes exigindo o impeachment da presidente da República. E o Ibovespa lá, vaiado, a 37.511.

Os investidores de maior visão perceberam que a situação era insustentável. Cedo ou tarde, Dilma cairia. Nesse caso, as coisas só poderiam melhorar, após a posse do vice Michel Temer.

Decorridos quase quatro anos, o índice fechou a 115.121, máxima de todos os tempos. 

Digamos que, de janeiro de 2016 para cá, alguma ação negociada na B3 tenha tido comportamento semelhante ao Ibovespa. Quem a adquiriu está ganhando 207%. Mas passou por diversos sustos. Daí eu chamar esse herói de investidor de nervos de aço.

Após o Ibovespa ter subido, em fevereiro de 2017, para 69.052 pontos, durante o governo Temer, no qual o Banco Central foi entregue à Ilan Goldfajn e a Fazenda a Henrique Meirelles, e diversas reformas importantes enviadas ao Congresso, nosso investidor hipotético foi surpreendido pelo Joesley Day. Nesse dia, 18 de maio de 2017, o índice caiu 8,8% para 61.557 pontos.

Os sustos não pararam por aí. Quando voava em altitude de cruzeiro a 87.652 pontos, o índice se deparou com a greve dos caminhoneiros. Mergulhou para 60.766. Será que o nosso investidor de “nervos de aço” aguentou o tranco? Tomara!

Após a posse de Jair Bolsonaro, a Bolsa foi praticamente uma festa. Muitos especialistas do mercado acreditam que o movimento se repetirá em 2020. Afinal de contas, os juros reais e nominais estão em suas mínimas, a inflação permanece sob controle e novas reformas liberais serão enviadas ao Congresso em fevereiro, após o recesso.

Apesar disso tudo, se eu fosse o “nervos de aço” que comprou ações no início de 2016, ficaria com o dedo no gatilho para realizar parte do lucro. Existe um perigo no ar e esse perigo se chama Jair Bolsonaro.

Eis o que disse dele o acadêmico e colunista Merval Pereira, na abertura de um artigo publicado em O Globo de anteontem, dia 21: “O presidente Jair Bolsonaro vem numa escalada de falta de compostura que beira à insanidade”.

Ivan Sant'Anna

Se você quiser fazer comentários, elogios, críticas, dúvidas ou sugestões ao autor desta newsletter, só enviar ao e-mail warmup@inversa.com.br.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia