Warm Up #292 - Impeachment à americana

Ivan Sant'Anna Publicado em 17/12/2019
1 min
Com o avanço do pedido de impeachment contra o presidente dos EUA, Donald Trump, entenda qual será o impacto para as Bolsas nos próximos meses

Caro leitor,

Amanhã, quarta-feira, 18 de dezembro, a Casa dos Representantes (House of Representatives) do Congresso americano deverá apreciar o pedido de impeachment do presidente Donald Trump.

Como a maioria do plenário é composta de democratas, e a moção exige apenas maioria simples, tudo indica que deverá ser aprovada, a não ser que alguns integrantes do partido majoritário considerem que isso lhes será prejudicial nas eleições presidenciais de 3 de novembro de 2020.

No Brasil, tal como vimos nos casos de Fernando Collor de Mello e Dilma Rousseff, tão logo a abertura do processo de impeachment é aprovado na Câmara, por dois terços dos votos dos deputados, o presidente da República é afastado. O vice toma posse provisoriamente.

O Senado faz o julgamento definitivo. Novamente alcançados os dois terços, o presidente é “impichado” de vez. Collor renunciou ao cargo minutos antes da votação final (o que não a impediu).

Dilma foi beneficiada por um conchavo, do qual participou o ministro do Supremo, e presidente da sessão, Ricardo Lewandowski, arreglo esse que lhe tirou o cargo mas não os benefícios vitalícios de ex-presidente, dos quais madame Rousseff se beneficia até hoje.

Nos Estados Unidos, se a Câmara (como tudo indica) aprovar o impeachment de Donald Trump, este continua na Presidência até o julgamento no Senado, onde serão necessários os mesmos dois terços do Brasil para cassar seu mandato.

Sem chance. Os republicanos têm maioria no Senado. Portanto a possibilidade do impeachment alcançar dois terços dos votos é zero.

Na história americana, tivemos três casos de situações de impeachment presidencial: Andrew Johnson (vice-presidente de Abraham Lincoln), que assumiu após o assassinato do titular; Richard Nixon renunciou antes mesmo da House of Representatives votar seu caso.

Bill Clinton sofreu impeachment na House, mas foi absolvido no Senado, num julgamento extremamente constrangedor, envolvendo travessuras com charutos, manchas de esperma em vestido e discussão sobre se sexo oral é adultério ou não.

Em 24 de fevereiro de 1868, Andrew Johnson, alcoólatra inveterado, escapou de ser “impichado” por um voto no Senado.

Para renunciar, Nixon negociou com o presidente da Câmara dos Representantes (Gerald Ford), que o substituiria (o vice, Spiro Agnew, corrupto e sonegador confesso, renunciara antes), um indulto para seu crime (obstrução da Justiça no caso Watergate).

Como Donald Trump não vai ser afastado da Casa Branca, em minha opinião será o favorito nas eleições do ano que vem. A economia americana continua sólida e o acordo com a China foi uma vitória do presidente.

Se seu adversário democrata for Kamala Hyder, Elizabeth Warren (a “Pocahontas”) ou Bernie Sanders, acho que a reeleição será fácil.

O povo americano ainda não está preparado para ter um governo de esquerda, coisa natural na Europa: vide os casos de François Mitterrand (França), Felipe González (Espanha), Willy Brandt (Alemanha Ocidental) e Mário Soares (Portugal).

Nos Estados Unidos, caso os democratas venham de Joe Biden ou Michael Bloomberg, a disputa poderá ser um pouco mais equilibrada. Mas não deverá afetar a Bolsa de Valores, que continuará atrelada ao comportamento das taxas de juros e da economia.

E, como prometido aos meus leitores, já está disponível no Espaço do Assinante da Inversa o passo a passo de como fazer o trade de açúcar que venho falando. Se você ainda não assina a Warm Up PRO, faça isso agora (com uma condição especial).

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia