Warm Up #279 - I love you, president Xi

Ivan Sant'Anna Publicado em 18/11/2019
1 min
A reunião dos BRICS acabou sendo proveitosa para o Brasil e os chineses colocaram bilhões de dólares à nossa disposição. Veja como isso pode impactar diretamente a Bolsa de Valores.

Caro Leitor,

Durante o feriado brasileiro de 15 de novembro, com a B3 fechada, o S&P500 fez novo high histórico a 3.120,46.

Aqui também foi um dia auspicioso, não por causa do 130º aniversário da Proclamação de República, mas pelo desfecho da reunião dos BRICs em Brasília.

Durante o evento, o presidente Xi Jinping, além propor um acordo comercial e tarifário com o Brasil, pôs 100 bilhões de dólares à nossa disposição, sendo 15% desse valor logo que o Brasil assine o tratado com Pequim.

Alguns industriais brasileiros chiaram. Disseram que não há como competir com os preços dos manufaturados chineses. Mas nosso setor de agronegócios, assim como o de matérias-primas em geral, vibrou com a possibilidade de um incremento de nossas exportações para a China.

Vale lembrar a Reagonomics (da época em que os republicanos não eram protecionistas), quando, logo após ser eleito, o presidente Ronald Reagan reduziu as tarifas de importação nos EUA, de modo que a indústria americana fosse obrigada a ser internacionalmente competitiva. 

Aqui no Brasil, durante a campanha eleitoral, o candidato Jair Bolsonaro disse que a China poderia comprar “no” Brasil, mas não “o” Brasil. 

O interesse do capitão se concentrava nos Estados Unidos, a ponto de abrir mão de nossas prerrogativas na OMC para receber, em troca, o apoio dos americanos à nossa entrada na OCDE. 

A rasteira típica de Donald Trump não se fez esperar. Preferiu indicar a Romênia e a Argentina Kirchnerista em nosso lugar.  Na Assembleia Geral da ONU, Bolsonaro, após um discurso totalmente a favor dos Estados Unidos, ainda mandou um I love you para Trump, que ignorou a bajulação.  

I think I know this guy from somewhere”, é possível que Donald tenha comentado com um dos seus aspones.  

Semanas mais tarde, os americanos mantiveram o boicote à carne brasileira. Pois bem, parece que Bolsonaro está aprendendo a lição. A China é o maior investidor do mundo. Eles têm 3,12 trilhões de dólares aplicados em títulos do Tesouro americano, a taxas de juros reais negativas. Mas agora estão disseminando investimentos pelo mundo. 

Se os chineses construírem ferrovias, rodovias, portos, hidroelétricas e aeroportos em nosso território, não poderão pô-los nas costas e levá-los, caso haja alguma divergência conosco.

Um abraço,

Ivan Sant'Anna

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia