Warm Up #251 - Encurralados pelo fogo

Ivan Sant'Anna Publicado em 12/09/2019
4 min
Há 18 anos, ataque às Torres Gêmeas em Nova York, mais do que derrubar bolsas ao redor do mundo, matou, entre suas vítimas, 658 funcionários de uma instituição financeira que estava acima da linha de fogo. Ivan relembra.

 

Aviso do editor: A crônica de hoje traz uma lembrança tocante do Ivan sobre os acontecimentos do dia 11 de setembro de 2001. Após ler o texto, recomendo a você voltar aqui para conhecer a estratégia que os americanos usam para ter um segundo salário. Ela também é aplicável no Brasil com apenas alguns poucos toques no seu celular. Acesso por este link.

Caro leitor,

Sempre que a gente se lembra de um acontecimento marcante em nossas vidas, ou de algum fato histórico que acompanhamos, temos o hábito de dizer:

“Parece que foi ontem.”

Pois bem, ontem foi o 18º aniversário do 11 de setembro. E pouca gente se lembrou logo de cara. Eu mesmo esqueci completamente. Até que minha mulher, Ciça, ligou da sala de espera do dentista:

“Tá lembrado que hoje é 11 de setembro?”

Aí veio tudo à memória. Numa fração de segundo. Naquela terça-feira fatídica, eu trabalhara até alta madrugada, escrevendo os últimos capítulos de meu livro Carga Perigosa, quando Ciça me acordou, telefonando de seu escritório.

“Ivan, liga rápido na CNN. Um teco-teco bateu no World Trade Center.”

Pulei da cama de um salto só, liguei a TV do quarto. Teco-teco? Àquela altura, o segundo avião, um Boeing 767 que cumpria o voo United Airlines 175, de Boston para Los Angeles, já atingira a Torre Sul do WTC.

Inferi na hora que se tratava de um ataque terrorista. Só que meus primeiros pensamentos não foram de pesar pelas vítimas.

“Caramba!”, disse em voz alta para mim mesmo, com a deformação profissional típica dos operadores de mercado. “As bolsas vão sofrer um crash”. E sobreveio uma ideia: “Vou escrever sobre isso”.

Afinal de contas, meu livro Caixa-preta, sobre três acidentes aéreos, lançado em novembro de 2000, fora um tremendo sucesso, permanecendo sete meses na lista dos mais vendidos da revista Veja.

Voltando a setembro de 2001, com pequenas paradas para dormir, permaneci uns dez dias sintonizado na CNN. No mesmo dia das Torres Gêmeas, houvera outro atentado, ao Pentágono (voo 77 da American Airlines) e uma quarta tentativa, a do United Airlines 93, abortada pelos passageiros. Esta última aeronave, um Boeing 757, acabou sendo derrubada, pelos próprios sequestradores, num bosque em Shanksville, na Pensilvânia.

A Bolsa de Valores de Nova York, que não chegou a abrir no dia do ataque, só voltou a funcionar na segunda-feira, 17 de setembro. Como não podia deixar de ser, levou um tombaço: - 7,1%.

Num pregão encurtado para uma hora e quinze minutos, a Bovespa, que não chegou a fechar no dia 11, caíra 9,17%.

Mais ou menos um mês após a ação terrorista em Nova York, avisei ao meu editor, Roberto Feith, da Objetiva, que pretendia escrever um livro sobre o assunto.

“Mas, Ivan”, ele rebateu a ideia, “vai haver uns 200 livros sobre o assunto.”

“Duzentos e um”, respondi. “Não abro mão do meu”.

Plano de ataque, de minha autoria, foi lançado em 11 de setembro de 2006, exatamente cinco anos após os atentados. A primeira edição se esgotou em menos de duas horas. Grande parte da narrativa é feita sob o ponto de vista dos sequestradores suicidas, e dos passageiros dos quatro aviões, e é isso que diferencia meu texto dos demais.

Se tivesse tempo (demandaria uns três anos de dedicação exclusiva), gostaria de escrever outro livro sobre o 11 de Setembro, dessa vez focando os operadores de mercado que trabalhavam nas torres do World Trade Center, principalmente os da instituição financeira Cantor Fitzgerald.

Ocupando do 101º ao 105º andar da Torre Norte, a empresa ficou acima da linha do fogo, sem nenhuma rota de fuga após o prédio ter sido atingido pelo voo 11 da American Airlines.

A Cantor perdeu todos os 658 funcionários que estavam lá na ocasião. Sofreram morte horrível, encurralados pelo fogo e a fumaça ou se jogando pelas janelas.

A esses colegas, vítimas inocentes da insanidade humana, dedico esta crônica de hoje.

Um abraço.

Ivan Sant'Anna

E-mail para comentários, dúvidas e sugestões às próximas edições desta newsletter: warmup@inversa.com.br.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia