Warm Up #248 - Por que a Bolsa não sobe?

Ivan Sant'Anna Publicado em 05/09/2019
3 min
A impressão geral é que investidores estão preocupados com o baixíssimo crescimento das economias dos países ricos, mas no Brasil as perspectivas de uma virada não poderiam ser melhores.

 

Caro leitor,

Eu poderia também intitular esta crônica de “Por que a Bolsa não cai?”, o que daria na mesma. Isso porque há meses o Ibovespa não se afasta dos 100 mil. Ora sobe um pouco além desse nível, ora cai ligeiramente abaixo.

A impressão que tenho é que os dólares que saem do mercado se equivalem mais ou menos aos reais que entram. Daí o impasse.

Segundo o José Castro (Zezinho), meu colega especialista na Inversa, só agora em agosto R$ 10,8 bilhões de recursos de investidores estrangeiros saíram em busca de um porto seguro, procedimento que o mercado classifica como “fly to quality” (fuga para a qualidade).

A impressão geral é que os analistas estão preocupados com o baixíssimo crescimento das economias dos países ricos, sendo que alguns já estão entrando em recessão.

Esse tipo de cenário sempre sobra para os mais fracos. E não estou falando da Argentina, que está moribunda, nem da Venezuela, que já morreu. Refiro-me a Brasil, Chile, México, Colômbia, África do Sul...

Aqui no Brasil, levando-se em conta a situação na qual iniciamos o ano, as perspectivas de uma virada na economia não poderiam ser melhores. Será lenta mas consistente, persistindo o clima atual.

Quero destacar dois aspectos:

− A reforma da Previdência está em seus últimos passos. Salvo um imprevisto de última hora, até o final de outubro deverá ser promulgada com uma economia para o Tesouro entre R$ 850 bilhões e R$ 900 bilhões nos próximos dez anos.

− Anteontem, o plenário do Senado aprovou por unanimidade (repito: por unanimidade) a PEC que permite a distribuição entre a Petrobras, a União, os estados e municípios dos recursos oriundos da licitação de áreas do pré-sal da Bacia de Santos, marcado para novembro.

Calcula-se uma arrecadação total de R$ 106,5 bilhões.

Só o Rio de Janeiro, em cujo litoral estão as jazidas, e que é também o estado com as finanças mais encalacradas, receberá R$ 2,5 bilhões, contrastando com os R$ 326 milhões previstos anteriormente.

Junte-se a isso diversos cortes que estão sendo feitos no orçamento de 2020 e dá para se concluir que a área econômica do governo está fazendo o dever de casa.

Um abraço.

Ivan Sant'Anna

E-mail para comentários, dúvidas e sugestões às próximas edições desta newsletter: warmup@inversa.com.br.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia