Warm Up #189 - Petrobras, sim ou não?

José Castro Publicado em 10/05/2019
3 min
O resultado da Petrobras foi bom? Vale comprar ações da empresa? Veja os comentários nesta newsletter

Nota do editor: Nesta edição, o José Castro aproveita a recente divulgação do resultado da Petrobras para responder uma dúvida frequente: afinal, vale ou não a pena comprar ações da petrolífera? Clique aqui para liberar o acesso exclusivo a assinantes e ter a acesso aos comentários completos sobre o assunto.

 

Caro leitor,

Como foram os resultados da Petrobras? O petróleo está em alta, é um bom momento para investir da petrolífera? Essas são perguntas comuns sobre a maior empresa do Brasil em valor de mercado e um dos principais pesos do Ibovespa. Por isso, resolvi aproveitar que os resultados mais recentes foram divulgados esta semana e comentar se vale ou não investir na Petrobras.

Antes de mais nada, como foram os números referentes ao primeiro trimestre?

O resultado veio basicamente em linha com o esperado pelo mercado, impactado principalmente pelas paradas de manutenção, que causaram queda de 5% na produção, preço de petróleo menores na média trimestral, margem de refino pressionada e provisões relacionadas ao caso da Sete Brasil (R$ 1,3 bilhão).

No primeiro trimestre de 2019, a companhia reportou lucro líquido de R$ 4,031 bilhões, queda de 42% em relação ao mesmo período de 2018.

Já o EBITDA ajustado consolidado foi de R$ 27,5 bilhões, 6% abaixo dos R$ 29,2 bilhões no 4º trimestre de 2018.

As variações refletem as menores margens de petróleo, influenciadas pela redução das cotações internacionais e a consequente redução dos preços de venda de derivados, principalmente diesel e gasolina, e das exportações. Além disso, houve menor volume de vendas de derivados no mercado interno, menor produção de petróleo no período e provisão referente à arbitragem da Sete Brasil. Com isso, a margem EBITDA (métrica de rentabilidade operacional da companhia) ficou em 34,8%.

A dívida líquida/EBITDA (múltiplo que analisa o grau de endividamento) permaneceu basicamente estável em 2,37 vezes. Segue bem abaixo dos 5,02x observados em 2014, quando a companhia passou por uma grande crise financeira e de governança. Vale lembrar que a meta da Petrobras é reduzir esse múltiplo para 1,5x até 2020.

Em contrapartida, o programa de desinvestimentos foi realizado com sucesso pela Petrobras nos três primeiros meses do ano. A empresa conseguiu arrecadar US$ 1,184 bilhão para o seu caixa. Continuará aumentando esse montante, uma vez que a venda da Transportadora Associada de Gás (TAG), por US$ 8,5 bilhões, não entrou no demonstrativo do primeiro trimestre de 2019. Destacam-se a venda da refinaria de Pasadena, por US$ 467 milhões, e a conclusão da venda de empresas de distribuição no Paraguai, com o pagamento de US$ 381 milhões.

Ok, após comentar alguns destaques, podemos dizer que o resultado não foi excepcional, mas também não chega a ser ruim. Mas o que isso significa na prática? Qual a percepção para as ações da empresa no longo prazo? Na parte PRO, logo abaixo, eu comento o que acho das ações da petrolífera como opção para investimento. Clique aqui para liberar o acesso exclusivo a assinantes.

Gostou dessa newsletter? Então me escreva contando a sua opinião no warmup@inversapub.com.

Um abraço,

José Castro

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia