Seja bem-vindo!

Faça o login com sua conta e aproveite seus conteúdos exclusivos.

Entrar agora

Ainda não é cadastrado?

Crie sua conta

Via e Magalu: sendo justo e com carinho

Nícolas Merola e João Abdouni Publicado em 12/11/2021
1 min
Nesta semana, as duas varejistas de eletrodomésticos mais famosas do país divulgaram seus resultados trimestrais e sofreram fortes desvalorizações. Quais as diferenças de cada uma?

Via e Magalu: sendo justo e com carinho

Por Nícolas Merola, CNPI, e João Abdouni

 

 

Nesta semana, as duas varejistas de eletrodomésticos mais famosas do país divulgaram seus resultados trimestrais e sofreram fortes desvalorizações de suas ações. Entenda o que preocupou o mercado e os desafios para o futuro.

Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3), dona das Casas Bahia, são companhias com portes parecidos. Magalu registrou uma receita de R$35 bilhões nos últimos doze meses e Via R$32 bilhões. 

Outra semelhança é que ambas atraíram muitos investidores pessoas físicas para suas bases acionárias. Via tem, hoje, mais 495 mil investidores pessoa física e Magalu 552 mil.

As semelhanças param por aí. 

Atualmente Magazine Luiza é uma empresa muito mais estruturada que a Via e a precificação de cada uma delas mostra isso: Magazine tem valor de mercado de R$91 bilhões e Via negocia a um patamar quase 10 vezes menor, a R$9,8 bilhões.

O resultado da Via não foi bom: mais uma vez a empresa surpreendeu negativamente com um possível problema relacionado a processos trabalhistas no montante adicional de R$1,3 bilhão, totalizando assim R$2,5 bilhões em provisões para esse fim. Com isso, o prejuízo registrado pela companhia foi de R$638 milhões. Já o endividamento cresceu R$1,2 bilhões nos últimos doze meses, passando de R$2,4 bilhões no terceiro trimestre de 2020 (3T20) para R$3,6 bilhões no 3T21.
 


O mercado não gostou e as ações chegaram a cair 18% ontem, fechando a -12%.

Logo depois do fechamento, foi a vez de Magazine Luiza (MGLU3) divulgar seus resultados: ela apresentou um crescimento de receita de 12% na comparação ano contra ano, e um lucro recorrente de R$22 milhões, uma redução de 89% contra o terceiro trimestre de 2021 e abaixo das expectativas de mercado. 

Hoje, as ações abriram com queda de -13%.

Embora Magazine Luiza seja uma companhia bem ajustada, também enfrenta o grande desafio de justificar o seu valor atual de mercado de 90 bilhões de reais. Com lucro recorrente de R$700 milhões nos últimos doze meses, ela está negociando a 120 vezes esse resultado. 

A empresa precisa entregar um forte crescimento para que esse múltiplo faça sentido. No entanto, esse desafio é cada vez maior por dois motivos: (i) os investidores têm exigido um retorno maior para investir em ações, pois a taxa básica de juros subiu, o chamado prêmio livre de risco. (ii) as taxas de financiamento cobradas no mercado também subiram e ficou mais caro para a companhia se financiar.

Ou seja, tanto Via quanto Magazine Luiza enfrentam cenários desafiadores. No entanto, por motivos diferentes: Magazine enfrenta dificuldade para justificar seu valor de mercado e Via precisa ajustar sua operação para que não caia em um risco de continuidade de seus negócios em um horizonte de médio e longo prazo.

 

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia