Seja bem-vindo!

Faça o login com sua conta e aproveite seus conteúdos exclusivos.

Entrar agora

Ainda não é cadastrado?

Crie sua conta

Vale, uma mina de dinheiro

Marcelo Cerize , Nícolas Merola e Antonyo Giannini Publicado em 02/07/2021
4 min
A Vale (VALE3) pode ganhar o título de maior pagadora de dividendos da bolsa brasileira. Neste relatório gratuito, te explicamos o porquê.

Relatório Inversa

Vale, uma mina de dinheiro

Por Nícolas Merola, CNPI; Antonyo Giannini, CNPI; Marcelo Cerize.

 

A Vale, nos preços atuais, embute uma queda no preço do minério de ferro de aproximadamente 50%. Entenda por que, se nada mudar no cenário atual, a Vale é uma mina de caixa e dividendos

Que o dólar e o preço das commodities subiram, você já sabe. 

Agora, o que você talvez não saiba é que, por conta dessa movimentação, a Vale (VALE3) pode ganhar o título de maior pagadora de dividendos da bolsa brasileira. 

A Vale é a maior produtora de minério de ferro do mundo; esse mineral tem seu maior mercado no porto de Qingdao, China. Seu preço está próximo de US$ 212 por tonelada, 135% mais alto do que antes do início da pandemia. 

Vamos fazer uma conta simples, mas não simplista, para que você entenda como avaliamos o investimento em VALE3.

A Vale, atualmente, negocia na bolsa a um valor de mercado de aproximadamente US$ 110 bilhões e tem capacidade de produzir 350 milhões de toneladas ao ano, mas produz apenas de 300 milhões.

 

 

O minério de ferro é negociado na China a mais ou menos US$ 200 a tonelada. Estimamos que a Vale vende o minério no porto brasileiro a um preço próximo a US$ 150 por tonelada. O custo de produção da companhia - que é o menor no mundo – é aproximadamente US$ 40, ou seja, a empresa tem um lucro operacional de aproximadamente US$ 110 por tonelada.

Produzindo 300 milhões de toneladas e lucrando US$ 110 por tonelada, chegamos a um lucro operacional de US$ 33 bilhões, ou seja, ela negocia a 3,3 vezes seu lucro, o que consideramos ser abaixo do valor justo. Para que ela seja negociada a 6 vezes seu lucro, um valor razoável, o minério de ferro tem que cair para perto de US$ 100. Por isso, o preço atual da Vale já embute uma queda no preço do minério de ferro. Caso essa queda não aconteça, o que vier é ganho na veia para o acionista.

Considerando que suas concorrentes mundiais negociam acima de 10 vezes o lucro, e que para a Vale chegar lá o mineiro tem que cair para cerca de US$ 80, aos preços atuais, o acionista de Vale ainda conta com uma margem de segurança considerável, já que estará sentado sobre as melhores minas de minério de ferro do mundo. 

Novamente, caso as condições de mercado se mantenham constantes e o preço do minério de ferro se encontre em patamares menores aos atuais, também é possível que o dividendo bruto possa ser de duas casas decimais para este ano e o próximo. Nossa projeção é de que seja próxima de 15% em 2021 e acima de 10% em 2022.

 

Bons investimentos!

Nícolas Merola, CNPI

Antonyo Giannini, CNPI

Marcelo Cerize

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia