Seja bem-vindo!

Faça o login com sua conta e aproveite seus conteúdos exclusivos.

Entrar agora

Ainda não é cadastrado?

Crie sua conta

Tese atualizada: Pão de Açúcar tem potencial de valorização de 140%

Antonyo Giannini e João Abdouni Publicado em 04/08/2021
4 min
Na última semana, o Grupo Pão de Açúcar divulgou os resultados do 2T21 e seguimos confiantes com suas ações (PCAR3). Neste momento, observamos um potencial de valorização de 140%.

Relatório Inversa

Tese atualizada: Pão de Açúcar tem potencial de valorização de 140%

Por João Abdouni e Antonyo Giannini, CNPI

 

Na última semana, o Grupo Pão de Açúcar divulgou os resultados do segundo trimestre de 2021 e seguimos confiantes com suas ações (PCAR3).

Neste momento, observamos um potencial de valorização de 140%.

 

Resultado Trimestral

 

Nos resultados reportados pela companhia na última semana, referentes ao segundo trimestre de 2021 (2T21), a geração de caixa operacional foi de 899 milhões de reais. Esse número está em linha com o registrado no mesmo período do ano anterior (2020), mas o lucro líquido apresentado foi menor: 4 milhões de reais.

Com o crescimento do e-commerce e a reestruturação das lojas da rede Pão de Açúcar Brasil, a projeção de lucro líquido anual do Grupo a partir de 2023 segue em torno de 1 bilhão de reais.

O resultado do 2T21 foi neutro e não altera a tese de investimentos que compartilhamos há algumas semanas.

 

Além do resultado...

 

O principal ponto do investimento em Pão de Açúcar é o racional de evento.

Como falamos no primeiro relatório, o controlador das ações do Grupo Pão de Açúcar, o grupo francês Cassino, deve vender parte dos 34% das ações do e-commerce francês CNOVA que estão dentro do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3). Essa operação deve ocorrer no final de 2021 (a depender das condições de mercado).

Hoje, a parte correspondente da CNOVA que pertence ao Grupo Pão de Açúcar é negociada na bolsa francesa por 6,4 bilhões de reais. Na bolsa brasileira, dentro do grupo, essa fatia é ignorada.

A venda, parcial ou total, dessa participação irá destravar valor para o Pão de Açúcar, seja via valorização de suas cotas ou dividendos.

A queda das ações de PCAR3 nas últimas semanas pode ser explicada de maneira bem simples: uma informação vinda da França afirma que o controlador Cassino conseguiu renegociar o prazo para pagamento de suas dívidas, com isso, a necessidade imediata de vender um ativo como a CNOVA para pagar suas dívidas não seria mais urgente.

A notícia fez com que alguns investidores mais afobados vendessem suas ações, mas não muda em nada a tese de investimento que compartilhamos aqui.

 

 

O mercado precifica mal

 

O mercado também precifica mal os varejos físicos da América do Sul (Êxito e Pão de Açúcar).

Para demonstrar o valor justo das operações do Varejo, preparamos uma análise comparativa.

A estrutura do Walmart Brasil, por exemplo, foi formada através de uma série de aquisições de diversos varejos regionais.

As operações de suas 387 lojas no Brasil foram vendidas ao Carrefour em março de 2021 por 7,5 bilhões de reais.

O Grupo Pão de Açúcar e o Grupo Êxito, também parte das ações de PCAR3, contam com 1.488 lojas físicas e vem apresentando melhores resultados ao longo dos anos.

Consideramos em nossa análise um valor justo para o Pão de Açúcar Brasil (não o Grupo Pão de Açúcar, mas sua subsidiária no Brasil) similar ao acima mencionado; soma-se a isso outros 7,5 bilhões de reais para as operações do Grupo Êxito, na Colômbia, totalizando um valor justo de 15 bilhões de reais para as operações dos varejos de alimentos controlados pelo Cassino na América do Sul.

Abaixo, montamos um quadro que demonstra o valor justo das ações do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3).

 

Paciência!

 

O momento exige paciência do investidor para que possa obter o retorno máximo neste investimento, uma vez que será preciso aguardar alguns eventos que ainda não aconteceram para que o destravamento de valor da companhia se conclua.

O que já aconteceu:

  • O Grupo Pão de Açúcar realizou a cisão da sua subsidiária Assaí, o que acabou por destravar valor para as empresas do grupo.

O que vai acontecer:

  • Venda da participação de CNOVA, que pode destravar até 5,4 bilhões de reais.
  • Cisão das operações do Grupo Êxito (colombiano), similar ao que observamos com o Assaí, ou ainda sua possível venda.

Todas as etapas podem levar até 24 meses. Por isso, reiteramos que o investidor irá precisar ter paciência até lá. Mas pode valer muito a pena.

 

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia