Seja bem-vindo!

Faça o login com sua conta e aproveite seus conteúdos exclusivos.

Entrar agora

Ainda não é cadastrado?

Crie sua conta

Quanto vale Tegma (TGMA3)?

Nícolas Merola , Antonyo Giannini e João Abdouni Publicado em 01/09/2021
3 min
Recentemente houve uma proposta, recusada, de Combinação de Negócios entre JSL (JSLG3) e Tegma (TGMA3). Esse fato ajuda a balizar nossa análise, mas não é tudo. Descubra porque Tegma tem um potencial de valorização de 82% nesse momento.

 

Quanto vale Tegma (TGMA3)?

Por Antonyo Giannini, João Abdouni e Nícolas Merola

 

Quem é a Tegma?

A Tegma é uma empresa de logística voltada principalmente para o transporte rodoviário dos automóveis produzidos no país, importados e/ou exportados.

Ela atualmente possui 25% da participação de mercado (market-share) de um segmento com fortes barreiras de entrada por conta de (i) contratos longos com as montadoras e (ii) contrato com sindicatos de cegonheiros.

Operacionalmente, a companhia também possui certa flexibilidade e resiliência, uma vez que ela não é detentora dos pátios nem dos caminhões cegonha utilizados para o transporte dos automóveis -são dos próprios caminhoneiros - conseguindo flexibilizar seus custos em cenários de pouca demanda. Empresas com essa característica são chamadas de asset light.

 

A proposta da JSL

No dia 02 de julho de 2021, a JSL (JSLG3), empresa de logística brasileira, anunciou uma proposta para aquisição de 100% das ações da Tegma.

Com essa operação, ela pretendia obter ganhos da sinergia das duas grandes empresas de transporte além da expansão de seus negócios ao explorar um mercado de difícil acesso, como é o da Tegma.

O valor total da oferta foi de 1,6 bilhões de reais, aproximadamente R$ 24 por ação, mas foi rejeitada pelo grupo controlador da Tegma.

 

 

Valor justo de Tegma

Com a oferta feita pela JSL, conseguimos facilmente enxergar um patamar mínimo de precificação para a companhia, o ofertado de R$ 24 por ação.

Dado que esse preço está quase 35% maior que o de negociação hoje, consideramos esse um ponto de entrada muito atrativo, ou seja, com uma boa margem se segurança.

Ao avaliarmos o preço justo através de uma modelo mais robusto, o de fluxo de caixa descontado, vemos espaço para que as ações atinjam até R$ 40 no longo prazo. Que, em minha opinião, é pouco provável de ser atingido no cenário atual de mercado.

Mas, fazendo uma análise comparativa mais simples, e de maior probabilidade de realização num período mais curto, podemos utilizar a própria JSL como referência.

É importante deixar claro que essas empresas não são comparáveis perfeitas, dado que tanto seu tamanho quanto o subsegmento explorado por cada uma delas dentro da logística é bem diferente, mas, ainda é a melhor opção dentre as empresas listadas.

Hoje, a JSL é negociada a 15 vezes o seu lucro. Atribuindo um desconto de aproximadamente 15% sobre esse multiplo dada as diferenciações previamente descrita, chegamos um patamar de precificação para a Tegma de quase 13 vezes.

A este múltiplo, a Tegma teria um valor de mercado justo de 2,1 bilhões de reais que equivaleria a suas ações alcançarem um patamar de R$ 32,50 cada, uma alta potencial de 82% sobre o valor de mercado atual.

É muito provável que a grande motivação de a administração da Tegma não ter aceitado a aquisição aos R$ 24 por ação seja porque, assim como nós, ela reconhece que a companhia possui um potencial bem maior.

 

Para o acionista:

O investidor que optar por alocar recursos em Tegma terá em seu portifólio ações de uma empresa que conta uma boa situação de caixa, que pagou 4,7% de dividendos por ação nos ultimos doze meses, e que entregou a seus acionistas lucros anuais desde 2017.

E o mais importante, com um ótimo desconto na comparação entre o preço de tela e seu valor justo.

 

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia