Seja bem-vindo!

Faça o login com sua conta e aproveite seus conteúdos exclusivos.

Entrar agora

Ainda não é cadastrado?

Crie sua conta

Exclusivo: Inversa revela por que os bancos podem soltar resultado histórico!

Equipe Inversa e Antonyo Giannini Publicado em 31/05/2021
4 min
Descubra agora como é possível ganhar com isso.

No ano de 2020, o resultado dos principais bancos privados do país caiu em média 20% em relação ao ano anterior, como podemos ver abaixo:

Fonte: RI das instituições | Elaboração: Inversa Publicações

 

Os bancos guardam parte das receitas com juros de empréstimos numa provisão para calotes, tecnicamente conhecida como Provisões de Devedores Duvidosos (PDD). Estas provisões foram elevadas na pandemia, como forma de os bancos se prepararem para uma possível alta na inadimplência de seus clientes. Veja os dados abaixo:

Fonte: RI das instituições | Elaboração: Inversa Publicações

 

Somando as provisões feitas pelos três maiores bancos privados do país, nós, analistas da Inversa, estimamos que houve um excesso de aproximadamente 21,2% (vs. 2019).

Considerando o histórico da proporção entre o Saldo de Provisões e o tamanho da carteira de crédito desses bancos, nossos cálculos apontam que o excesso provisionado seja da ordem de R$ 12,2 bilhões.

Se a Medida Provisória que está indo para a apreciação do Congresso for aprovada, a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) dos bancos subirá de 20% para 25%, a partir de 1º de julho de 2021. Por isso, faz sentido que os bancos realizem resultados antes desse período, para minimizar a carga fiscal.

Assim, acreditamos que o impacto da pandemia sobre o setor foi menor e a inadimplência não subiu tanto quanto inicialmente projetado. Com isso, os bancos devem reverter essas provisões acumuladas ao longo de cinco trimestres de uma só vez, resultando, provavelmente, em bons dividendos para o setor. Os bancos que  mais provisionaram no passado devem voltar com maiores lucros agora.
 

Fonte: RI das instituições | Elaboração: Inversa Publicações
 

Tal hipótese faz todo sentido, pois tomamos como base o fato de que os bancos queiram maximizar o retorno ao acionista, aproveitando a janela que pode se fechar.

Com isso entendemos que o panorama para as ações do setor na bolsa brasileira tende a ser extremamente positivo a partir desse momento até a divulgação dos resultados trimestrais.

 

Um forte abraço,

Equipe Inversa e Antonyo Giannini, CNPI

 

Quer saber mais? Assine agora e conheça as Ações Alpha, com o analista Flávio Conde.

recomendações de ações com Flávio Conde (Seleção com mais de 20 ações para investir)

 

 

 

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia