Seja bem-vindo!

Faça o login com sua conta e aproveite seus conteúdos exclusivos.

Entrar agora

Ainda não é cadastrado?

Crie sua conta

As 3 boas surpresas da temporada

Nícolas Merola e João Abdouni Publicado em 17/11/2021
1 min
Hoje trouxemos uma análise de porque essas três empresas surpreenderam positivamente na mais recente temporada de resultados trimestrais.

As 3 boas surpresas da temporada

João Abdouni e Nícolas Merola, CNPI

 

 

Suzano (SUZB3)

Esse trimestre foi marcado pelo detalhamento do novo projeto de expansão da companhia, o Projeto Cerrado. Ele tem como objetivo aumentar a capacidade de produção de celulose, que hoje é de 10 milhões de toneladas por ano, em 25%.

Mesmo sem que o projeto esteja dando frutos para a companhia, consideramos que os resultados operacionais da companhia foram muito bons, principalmente pela geração de caixa de R$5,2 bilhões, um crescimento de 5% em relação ao trimestre passado e 82% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

A administração da Suzano também comentou que não pretende aumentar o endividamento para o desenvolvimento do projeto Cerrado, que terá um investimento total esperado de R$19 bilhões. Ou seja, entendemos que a companhia espera registrar nos próximos três anos uma geração de caixa suficiente para pagar esse investimento e concomitantemente continuar a sua trajetória de redução de endividamento.

Ao fim desse processo de investimento, restará para o investidor uma companhia com baixo endividamento e que, de acordo com nossas projeções, pode gerar R$25 bilhões por ano após 2024, quando o Projeto Cerrado estver em funcionamento. Ao valor de mercado atual, a taxa de retorno (TIR) é de pelo menos 20% ao ano.
 

Engie (EGIE3)

Assim como a Suzano, a Engie neste trimestre também entregou um bom resultado operacional. Sua geração de caixa foi de R$1,8 bilhões, 22% maior que no terceiro trimestre do ano passado e o lucro de R$639 milhões, 30% maior.

A companhia tem três principais linhas de negócios: a geração de energia, a transmissão de energia e o transporte de gás natural. 

Por conta da crise hídrica que o Brasil vem enfrentando, o segmento de geração de energia, que é majoritariamente composto por hidrelétricas, teve uma queda de 1,8% vs. 3T20, mas foi parcialmente compensado pelo crescimento do segmento de termelétricas, de 11% no mesmo período.

Já o segmento de transmissão de energia teve como destaque o Gralha Azul, que recebeu autorização para iniciar a operação das linhas de 230 kV entre Ponta Grossa e São Mateus do Sul em 21 de agosto, contribuindo para o aumento das receitas do segmento, que foi de  R$104 milhões, 13% maior que o 3T20.

Por fim, vem sendo preponderante para a solidez dos resultados da TAG, transportadora de gás controlada pela Engie, apresentar bons resultados constantes. A receita foi de R$1,8 bilhão no trimestre, um crescimento de 16% comparado com o mesmo período do ano anterior, e o lucro que cabe a Engie foi de R$152 milhões, crescimento de 49% na comparação com o terceiro trimestre de 2020.

O endividamento gerado pela aquisição da participação na TAG é atualmente de duas vezes sua geração de caixa e, à medida que ela é reduzida, o pagamento de dividendos e a percepção de geração de valor para o acionista tende a aumentar.
 

Ambev (ABEV3)

A Ambev, a maior cervejaria do mundo, gerou um lucro de R$3,7 bilhões no terceiro trimestre de 2021, um crescimento de 57% em relação ao mesmo período de 2020. 

O resultado foi impulsionado pelo aumento de 7,7% nos volumes, principalmente no Brasil, o que acarretou no crescimento de 18,5% das receitas da companhia, que atingiu R$18,5 bilhões. Do lado negativo as pressões de custos, continuam reduzindo as margens da empresa.

A posição de caixa da empresa é uma das mais tranquilas do Brasil. A empresa carrega uma reserva de R$16 bilhões, já descontando as dívidas.

O mercado, assim como nós, gostou dos números apresentados pela empresa que tem como acionista de referência Jorge Paulo Lemann e suas ações se valorizaram 15% desde que os resultados foram apresentados.

 

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia