Aquisição hostil: Marfrig MRFG3 vs. BRFS3

1 de novembro de 2021
A negociação entre a Marfrig e a BRF não deve ser nada simples. Mas as ações de BRFS3 estão em um patamar extremamente atrativo. Entenda os detalhes no relatório gratuito de hoje.

 

Aquisição hostil - Marfrig MRFG3 vs. BRF (BRFS3)

Por Nícolas Merola, CNPI, e João Abdouni

 

 

Nesta semana, a Marfrig (MRFG3) divulgou seus resultados do terceiro trimestre de 2021 (3T21) com uma geração de caixa robusta.

Entenda o que pensamos sobre a empresa e a negociação com a BRF no relatório de hoje.

 

Marfrig: a empresa

 

A companhia tem como líder do bloco de controle o empresário Marcos Molina, conhecido por ser bastante arrojado, com 49,6% das ações.

No primeiro semestre de 2021, a Marfrig adquiriu 31,7% das ações da BRF.

A empresa vem se aproveitando do elevado preço da proteína animal e da alta do dólar para melhorar consideravelmente a sua rentabilidade.

O fluxo de caixa livre gerado pela companhia foi de 3,8 bilhões de reais, e, com isso, a Marfrig ficou com uma robusta posição de caixa de 15,6 bilhões de reais, equivalente a 85% do seu valor de mercado atual.

 

Intenções, ofertas e controles

 

Em nossa análise, acreditamos que o controlador da Marfrig tenha a intenção de adquirir também o controle da empresa dona das marcas Sadia e Perdigão. No entanto, as regras de controle de governança corporativa da BRF são bastante rígidas.

O estatuto da BRF obriga que um grupo que detenha acima de 33% das ações da companhia realize uma oferta pública de aquisição (OPA) aos demais investidores da companhia.

Ao que pudemos apurar até aqui, um dos acionistas da BRF que vendeu sua participação foi o empresário brasileiro Abílio Diniz. Ele detinha cerca de 3,8% das ações da companhia.

A negociação entre a Marfrig e Abílio já teria ocorrido e os valores por ação foram em torno de R$28,75, um prêmio de 23% em comparação com preço de fechamento do dia 29 de outubro de 2021.

Caso a Marfrig efetivamente busque a aquisição total da BRF e a oferta mantenha esse mesmo patamar de preço por ação, a empresa teria que desembolsar em torno de 16 bilhões de reais para adquirir os 68,3% das ações que ainda não possui da BRF e, dessa forma, deter 100% do capital da controladora da Sadia e Perdigão.

Entretanto, essa negociação não deve ser nada simples, dado que existe uma série de dificuldades a serem vencidas por Marcos Molina para conseguir atingir o objetivo de se tornar controlador das duas empresas e, assim, poder liderar uma possível fusão.

 

Ressalvas

 

A primeira dificuldade que apontamos é que embora a Marfrig tenha 15,6 bilhões de reais em caixa, ela também tem uma dívida total contratada de 29 bilhões de reais.

A geração de caixa da empresa nos últimos doze meses é de 10 bilhões de reais, mas levava em consideração um preço de carne mais alto até junho deste ano (queda de aproximadamente 15%) e um dólar mais baixo (alta de 9%); mas, os compensam, ao menos parcialmente.

Supondo que a companhia utilize todo seu caixa para a compra das ações de BRF, ainda permanecerá negociando a 3 vezes dívida líquida sobre geração de caixa. O que é um nível considerado aceitável no mercado.

A Marfrig poderia recorrer a outras formas de realizar essa aquisição, como, por exemplo, pagar aos demais acionistas da BRF ações da nova empresa.

Outro entrave é a aprovação do CADE, Conselho Administrativo de Defesa Econômica, que, em caso de uma fusão nessa proporção, seria necessária e poderia levar alguns meses para avaliação da autorização do negócio.

É fato que as empresas não atuam exatamente no mesmo segmento, visto que a Marfrig está voltada para o ramo de carnes vermelhas, majoritariamente no setor bovino, e a BRF é focada em aves.

Nós seguimos monitorando os próximos movimentos e acreditamos que tanto por essa possível negociação, quanto pelo próprio desempenho operacional da companhia, as ações de BRFS3 estão em um patamar extremamente atrativo.

Para maiores detalhes, o investidor pode ler o relatório sobre BRF que preparamos, é só clicar neste link.

Nós ficamos por aqui.  Traremos notícias dos próximos acontecimentos em relatórios futuros.

Conheça o responsável por esta edição:

Nícolas Merola

Ações e Fundos de Investimento

Formado em Engenharia Civil pela UVA (Universidade Veiga de Almeida - RJ) em 2017 e com MBA pelo IBEC/INPG em 2018. Nícolas começou a estudar sobre investimentos ainda no início de sua faculdade, quando se apaixonou pelo assunto. Depois de atuar por mais de três anos no mercado de renda variável, de forma autônoma, se juntou em 2019 ao time de especialistas da Inversa Publicações.

Conheça o responsável por esta edição:

João Abdouni

Analista CNPI

Graduado em Contabilidade e administração pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, João possui grande experiência em auditoria contábil, trabalhando por anos na Ernst & Young, famosa empresa inglesa de consultoria. Apaixonado pelo mercado financeiro, integra o time de especialistas em investimentos da Inversa e está à frente das séries Premium Caps, Ações Alpha dentre outras.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240