Seja bem-vindo!

Faça o login com sua conta e aproveite seus conteúdos exclusivos.

Entrar agora

Ainda não é cadastrado?

Crie sua conta

Allied (ALLD3): O Atacarejo dos Celulares

Antonyo Giannini e João Abdouni Publicado em 20/07/2021
3 min
[RELATÓRIO GRATUITO] A Allied é uma empresa de varejo de eletrônicos fundada em 2001 e com um potencial de alta de aproximadamente 75%! Veja o estudo de nossos especialistas.

Allied (#ALLD3): O Atacarejo dos Celulares

Por João Abdouni e Antonyo Giannini, CNPI

 

 

A Allied é uma empresa de distribuição e venda que atua no varejo de celulares e equipamentos eletrônicos. A companhia vem crescendo suas receitas em 24% ao ano e suas margens aumentam à medida que o segmento de varejo cresce mais do que a distribuição. Espera-se que a linha de negócios de varejo dobre de tamanho nos próximos 5 anos e, com isso, as ações podem se valorizar 75%.

 

Breve histórico

 

Fundada em 2001, a Allied é uma empresa de varejo de eletrônicos.

Seus principais produtos são celulares, computadores pessoais, videogames e tablets.

No mercado de smartphones, a companhia detém um market share (participação no mercado) de 9% do mercado nacional.

Além da venda de produtos, a Allied oferece serviços complementares; em 2019, criaram a SOUDI Pagamentos, plataforma digital para oferta de produtos e serviços financeiros.

 

Linhas de negócio

 

Distribuição: venda para varejistas de menor porte ou grandes varejistas que necessitam de alguma customização na logística, estocagem ou mesmo dos produtos. Atualmente, é o maior seguimento de receita da empresa, com 74% do faturamento.

Varejo físico: a empresa conta com 258 pontos de vendas físicos localizados em 16 estados brasileiros.

Varejo digital: atuação nos principais marketplaces através da marca Mobcom, e-commerce próprio. Também operam em sites oficiais da Apple e Google

 

Horizonte de Crescimento

 

A empresa entregou um crescimento médio das receitas de 24% nos últimos dois anos.

Essa expansão é favorecida por três fatores:

  1. Seus produtos são de grande interesse da população;

  2. O tamanho da empresa ainda é considerado pequeno em comparação com seus pares; e

  3. Seu segmento de atuação ainda não tem uma grande concentração de market share no Brasil.

A Allied vem aumentando o percentual de participação das receitas no varejo e, com isso, reduzindo o percentual de participação no segmento de distribuição, que é menos rentável. Em 2026, a companhia estima ter 50% de suas receitas oriundas do segmento de varejo.

 

Uma empresa lucrativa

 

Embora a companhia atue no setor de varejo e distribuição de produtos, que usualmente tem margens baixas, os aparelhos celulares e notebooks, que são os principais itens vendidos pela empresa, têm margens mais elevadas.

Como a Allied tem um grande volume, consegue negociar bem o preço de compra com os fabricantes, assim, conseguiu entregar a seus acionistas um lucro de R$ 204 milhões nos últimos doze meses.

 

Valor justo

 

Analisamos o crescimento das receitas de Allied em comparação com as demais varejistas listadas e percebemos que a empresa cresce mais que Via Varejo e Lojas Americanas, e em linha com Magazine Luiza.

Já a margem líquida (percentual que a empresa lucra em relação a sua receita) de Allied é superior às outras três varejistas.

 

Sendo assim, com base nas receitas das empresas, vamos calcular o valor justo relativo das ações ALLD3:

 

Uma vez que a média do valor de mercado das três grandes varejistas é de 2,5x a receita, com Via Varejo sendo a mais descontada, negociando a 0,79x receita, Allied é ainda mais barata: negocia a 0,56x receita.

 

Se considerarmos um valor justo conservador de 1x a receita, métrica geralmente utilizada para avaliar empresas de varejo, ainda existe um potencial muito grande de valorização para Allied.

 

A receita dos últimos doze meses da Companhia é de R$ 5 bilhões, o que indica que se a empresa atingir esse valor de mercado as ações negociariam a R$ 55,00.

 

Um upside (potencial de alta) de aproximadamente 75%.

 

Quadro comparativo com as varejistas

 

 

Para o Acionista

 

O investidor que optar por comprar ações de ALLD3 terá uma empresa com alto potencial de crescimento e com um valor de mercado ainda razoável, uma vez que a empresa vem sendo precificada como apenas distribuidora de produtos e não de comércio online.

 

Disclaimer

 

Os analistas signatários consultaram a área de relação com investidores da Allied e puderam constatar que a participação acionária dos irmãos Radomysler acompanha o Free Float (percentual das ações de uma empresa em circulação na Bolsa) e é distinta do bloco de controle e da administração.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia