Pai Rico Pai Pobre Daily #5 - "Você precisa de um emprego"

Robert Kiyosaki Publicado em 22/09/2020
7 min
A farsa propagada pelos ricos, empurrada pelas escolas e pelo governo… Porque trabalhar num emprego nunca pode oferecer o tipo de liberdade que você deseja… Empregos vêm e vão, mas ISTO é para sempre…

Nota da Publisher: com muita alegria, anuncio a chegada de Robert Kiyosaki, o Pai Rico Pai Pobre, ao time de especialistas da Inversa. A partir de agora, vamos dividir com você o brilhantismo de um dos maiores gurus financeiros da atualidade. Fique abaixo com mais um texto do Robert.

Caro leitor,

Vamos voltar ao assunto que começamos ontem.

Eu abri a edição de ontem falando sobre os 8 golpes que deixam as pessoas pobres.

Alguns deles são difíceis de detectar — até mesmo impossíveis para algumas pessoas reconhecerem.

De meu pai rico, aprendi sobre inteligência financeira, isso me ajudou a identificar fraudes — e a não ser enganado.

Sem esses conhecimentos financeiros, pode ser muito fácil ser enganado pelas mentiras que ricos usam para manter os pobres em seu lugar.

Para fugir delas, você geralmente precisa de alguém para avisá-lo de que está sendo enganado, para lhe dizer que está sendo passado para trás e para lhe dizer o que pode fazer a respeito.

Ontem, eu disse a você que o sistema de ensino superior enganou você a vida inteira.

Hoje, você descobrirá por que “Arrumar um emprego” é uma farsa tão grande quanto qualquer outra.
 

A grande mentira: você precisa de um emprego

Quando eu era criança, meu pai pobre sempre me dizia que eu precisava ir à escola para conseguir um bom emprego. Para o meu pai pobre, conseguir um bom emprego era a coisa mais importante da vida.

Meu pai pobre trabalhou muito. Ele estava sempre preocupado com dinheiro…e seu trabalho foi uma das coisas que realmente o impediram de alcançar o sucesso financeiro.

Ele trabalhou duro para os outros, muitas vezes recebendo aumentos apenas para acompanhar o custo de vida e pagar uma alta parcela do salário para o governo em impostos.

Meu pai rico, por outro lado, nunca teve um emprego “de verdade” e era rico e bem-sucedido.

Meu pai rico entendeu que a necessidade de “arrumar um emprego” era uma farsa.

Em vez de conseguir um emprego, ele criou empregos. Em vez de trabalhar para outra pessoa, ele trabalhava para si mesmo. Em vez de pagar impostos altos, ele usou o código tributário para enriquecer.


Como esse golpe funciona

Isso é uma farsa importante porque a armadilha que ela estabelece faz com que você fique mais pobre, especialmente se você tiver um emprego bem remunerado, porque você paga mais impostos.

E adivinha quem não está pagando muitos impostos? O proprietário do negócio para o qual você trabalha. A farsa fica ainda pior quando você olha para ela a longo prazo. Se você se sair bem em seu trabalho, se você subir na escada, qual é a sua recompensa? Um pequeno aumento e pagar mais impostos.

Fica ainda pior se você trabalha para si mesmo. Você paga os impostos mais altos na forma de impostos de trabalho autônomo.

A única maneira de evitar isso é ser o dono de um grande negócio ou ser um investidor, para colocar seu dinheiro para trabalhar para você.

É nesse mundo que os ricos trabalham e vivem.

O sistema está configurado para beneficiar os ricos para que eles possam manter seu dinheiro, garantindo que você continue sendo taxado.


A fraude fiscal

Quando você percebe que os impostos são uma maneira de mantê-lo em seu lugar, você pode ver que esse golpe é na verdade apenas uma extensão do golpe nº 1: “Ir para a escola”.

É na escola que você aprende a ser um bom funcionário, que se você trabalhar duro você pode ter sucesso. Mas, na verdade, você não pode, não nesses termos.

O governo dá incentivos fiscais a pessoas que identifica como geradoras de emprego: empreendedores e grandes empresários.

Ele quer que o setor privado desenvolva imóveis, abra empresas e gere riqueza. O governo recompensa os cidadãos assim. Em troca, o governo espera que os funcionários paguem impostos que cubram instituições como o sistema de saúde e a previdência social.

O governo adora taxas de desemprego baixas por uma série de razões, “fazer o país trabalhar” ajuda o governo muito mais do que ajuda o trabalhador.

Algumas pessoas argumentam que os empregadores pagam esses impostos também, mas de fato o que estão fazendo é usar dinheiro que, de outra forma, pagariam a você para pagar a parte deles dos impostos.

Falsa segurança

A ideia de que um emprego é uma parte importante de sua segurança financeira também é uma grande parte da farsa.

Avalie a vida uma década atrás nos EUA, por exemplo: o desemprego estava em torno de 10% (no Brasil está em mais de 12% nesse exato momento!), as pessoas sendo demitidas por todo o país, vivendo o que chamamos de recessão.

Numa economia em que as pessoas estão perdendo o emprego, a posição mais segura é possuir, ou pelo menos ter participação numa empresa.

Se a história nos ensina alguma coisa é que estamos sempre a apenas alguns dias da próxima crise. Todos podem ser demitidos. Exceto as pessoas que possuem a empresa que está demitindo.
 

Fugindo da armadilha

Meu pai pobre, assim como a maioria das pessoas, foi condicionado e ensinado desde o dia em que nasceu para ser um funcionário.

Meu pai rico rompeu com esse pensamento e era um empreendedor. Ele colocou seu dinheiro para trabalhar. Ele estava do lado dos ricos, o lado protegido pelo governo.

Mas como chegar lá?

A primeira resposta é simples. Você faz isso investindo na sua educação financeira e começando a pensar como um empreendedor e não como um funcionário.

Ao fazer isso, você sai da corrida dos hamsters. Você percebe que tudo o que aprendeu sobre conseguir um emprego e obter sucesso é uma mentira, que existe outra maneira… um jeito que realmente funciona enquanto também proporciona uma vida melhor.

E esse é o segredo que os ricos não querem que você saiba.

Grande abraço,

Robert Kiyosaki
*Em breve você vai receber conteúdos novos do Robert Kiyosaki, este é original de 3 de julho de 2019

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia