Pai Rico Pai Pobre Daily #4 - 8 Golpes que deixam as pessoas pobres

Robert Kiyosaki Publicado em 21/09/2020
2 min
Uma nova série: golpes que você nunca soube que existiam… Este primeiro golpe está profundamente enraizado em nós. Essa é a quarta newsletter de uma série de oito.

Nota da Publisher: com muita alegria, anuncio a chegada de Robert Kiyosaki, o Pai Rico Pai Pobre, ao time de especialistas da Inversa. A partir de agora, vamos dividir com você o brilhantismo de um dos maiores gurus financeiros da atualidade. Fique abaixo com mais um texto do Robert.

Caro leitor,

Hoje, você descobrirá que, apesar da crença popular, há muito mais caminhos para o sucesso do que o sistema de ensino superior pode oferecer.

Você vai conhecer o primeiro dos 8 Golpes que deixam as pessoas pobres.

Existem todos os tipos de golpes no mundo.

Na maioria das vezes, podemos identificá-los como aqueles emails que nos prometem milhões… se simplesmente informarmos os números de nossas contas bancárias.

Nas próximas semanas, você vai receber algumas edições especiais do Pai Rico, Pai Pobre Daily.

Vou explorar alguns enganos que a maioria das pessoas desconhecem.

A primeiro que discutiremos é o ensino superior.
 

O Golpe “Escola = Sucesso”

Quando eu era criança, meu pai pobre sempre me dizia que o melhor caminho para o sucesso era ir à escola. Ele achava que essa era a melhor maneira de conseguir um bom emprego.

O problema é que meu pai pobre era uma das pessoas mais instruídas que eu conhecia, mas ele sempre reclamava da falta de dinheiro e de como estava infeliz com seu trabalho. Meu pai rico, por outro lado, não tinha nenhum diploma, mas era muito rico e bem sucedido.

Meu pai rico dizia: “A escola ensina você a ser um empregado. Se você quer ser rico, não conte com a escola”. Desde muito jovem, aprendi que a promessa de que a educação superior significa sucesso é um dos maiores golpes que já vi.

É por isso que o ensino superior é o primeiro dos golpes aqui. Ir à escola não faz você inteligente (financeiramente). Por ser abertamente contra o sistema escolar, muitas vezes sou acusado de ser anti-educação.

Nada poderia estar mais longe da verdade. Mas “ir para a faculdade” é uma daquelas coisas que as pessoas apontam como uma forma de ser bem- sucedido sem nunca parar para pensar se é verdade.

O que fará com que você seja bem-sucedido não é ir para a escola, mas sim a educação financeira — aprender como o dinheiro funciona e como fazer isso trabalhar a seu favor — é o que o tornará bem-sucedido.
 

“Mas eu estudei sobre dinheiro na faculdade”!

Tom Wheelwright, meu conselheiro para assuntos ligados à impostos, foi para a escola para ser um contador e só tirava 10. Ele aprendeu o que era necessário para trabalhar, mas não como administrar com sucesso suas próprias finanças… e ele fez faculdade na área financeira!

As pessoas costumam dizer que aprendem sobre dinheiro na escola. Você pode aprender a fazer um balanço financeiro, mas não vai aprender como o dinheiro realmente funciona. Isso não é um acidente — é um golpe.

Os ricos usam a escola para nos treinar para sermos bons funcionários. Começamos a ser informados sobre o que fazer e somos recompensados pela conformidade. É muito fácil fazer a transição de uma escola para uma empresa; em ambos, você recebe ordens e é recompensado por seguí-las.
 

Pense por você mesmo

As pessoas que caem em golpes são tipicamente aquelas que estão condenadas a não pensar por si mesmas. Infelizmente, esse esquema de educação superior nos rouba a independência de pensar por nós mesmos, de pensar como um empreendedor, um inovador e um investidor.

Quando eu era criança, meu pai pobre queria que eu tivesse uma boa educação. “Você precisa ir a uma boa escola para ter um bom emprego e ter sucesso na vida”, dizia. Para ele, o sucesso significava um salário decente e segurança no emprego.

A realidade é que a escola não o torna bem sucedido porque ela não lhe ensina educação financeira. De fato, muitas das pessoas bem sucedidas da história tiveram sucesso sem terminar a escola.

Para ilustrar o meu argumento, aqui está uma lista de pessoas que não terminaram a escola, mas tiveram muito sucesso.
 

Ray Kroc – Fundador da McDonald’s

A jornada de Kroc para o sucesso começou com seu talento como vendedor ambulante de máquinas de milkshake. Quando recebeu uma encomenda de oito máquinas da unidade de Richard e Maurice McDonald, ele viajou para San Bernardino para saber porque um local tão pequeno precisaria de tanta produção.

Avançando um pouco, Kroc juntou-se aos irmãos do McDonald’s como gerente de franquia. Ele logo percebeu que o “Sistema de Serviço Rápido” criado pelos McDonald’s seria uma vaca leiteira do setor de hambúrgueres. Mas ele também entendeu — graças à sua perspectiva de empresário— que o dinheiro real estava no mercado imobiliário.

O McDonald’s é extremamente rentável por meio de seus produtos, mas o valor da empresa vem do aluguel da propriedade para qualquer pessoa que queira abrir uma franquia. É uma jogada que não pode ser ensinada num livro didático. Isso demanda visão.
 

Steve Jobs – Fundador da Apple

Ele é um exemplo para todo mundo de como você pode abandonar a escola e se tornar um milionário. Eu não gosto de usar clichês. Mas dou crédito onde é devido. Ele não era engenheiro de computação, era apenas um homem de ideias com uma visão de negócios. Sua capacidade de usar o que ele tinha — inteligência das ruas — fez dele um ícone. Ele foi um péssimo estudante a vida toda. Nosso sistema educacional impede a criatividade e a inovação.

Estes são apenas três exemplos de pessoas que não precisaram da escola para obter sucesso. Meu pai rico é outro. Eu poderia te dar uma lista de milhares de pessoas, cada uma com uma história mais impressionante.

O objetivo de tudo isso não é sugerir que todas as crianças abandonem a escola ou que a escola não seja importante. A educação é extremamente importante.

É tudo.

A questão é: que tipo de educação? Onde a educação do seu filho o levará? Será que vai prepará-lo para o futuro? Isso garantirá seu futuro financeiro em um mundo com cada vez menos segurança?

Essas são as perguntas que você deve responder.

Grande abraço,

Robert Kiyosaki
Original de 17 de julho de 2020

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia