Pai Rico Pai Pobre Daily #35: O verdadeiro sucesso vem da doação

Robert Kiyosaki Publicado em 10/03/2021
6 min
"Quanto mais pessoas eu sirvo, mais eficaz me torno.” Precisamos doar mais para alcançar a verdadeira riqueza.

O verdadeiro sucesso vem da doação

  • “Existem apenas dois tipos de pessoas no mundo. Doadores ou tomadores". 
  • Do princípio generalizado da precessão, ou efeito cascata, veio o presente da verdadeira felicidade... 
  • Os tomadores só doam se receberem algo em troca. Os doadores são aqueles que alcançam a verdadeira riqueza...

 

Caro(a) leitor(a),

Em 1994, Kim e eu pudemos nos dar o luxo da aposentadoria. Ela tinha trinta e sete anos, eu, quarenta e sete. Achei que a aposentadoria seria o paraíso. Em vez disso, acabou sendo um inferno. Tudo o que fiz foi jogar golfe e, se você já me viu jogando golfe, sabe por que, para mim, golfe é um jogo infernal.

Um dos Princípios Generalizados de Bucky Fuller, famoso inventor, designer, arquiteto e poeta norte-americano, é: “Quanto mais pessoas eu sirvo, mais eficaz me torno”. Então, a chave para o futuro ficou muito clara. Precisávamos servir a mais pessoas. Sempre focamos em servir mais pessoas primeiro.

Então, em 1996, Kim e eu desenvolvemos nosso jogo de tabuleiro CASHFLOW®, escrevi "Pai Rico, Pai Pobre" e voltamos ao trabalho. Nossos objetivos permanecem os mesmos. Acreditamos que muitas pessoas são escravas do dinheiro, e o caminho para a liberdade financeira é por meio da educação financeira. Nosso desejo é que você se torne financeiramente livre para que possa dar mais de si e fazer o trabalho para o qual nasceu para fazer.

Uma das maiores alegrias do nosso trabalho é ter pessoas como você lendo o que escrevemos, mesmo que você não concorde com tudo o que lê. Sei que o mundo está cheio de pessoas com ótimas ideias, ótimas histórias para contar e ótimos presentes para dar. 

Meu pai rico costumava dizer: “Existem apenas dois tipos de pessoas no mundo. As pessoas são doadoras ou tomadoras. ” 

Ele continuou, “Os doadores dão porque eles têm que doar. Eles gostam de doar. Eles se sentem bem em doar. Os tomadores só doam se receberem algo em troca. A maioria das pessoas só vai trabalhar porque espera receber o pagamento. Se não fossem pagos, não trabalhariam. Tomadores só farão um favor se puderem receber algo em troca. Se não receberem algo em troca, eles querem o que deram de volta ou ficarão ressentidos com você para sempre. ”

 

Objetivos altruístas

 

Há muitas pessoas que acreditam que os ricos são gananciosos, e muitos deles são. No entanto, conheci muitas pessoas pobres e de classe média gananciosas. Eles são simplesmente pessoas gananciosas com menos dinheiro. Os ricos não têm domínio exclusivo sobre a ganância.

Quando nos casamos, Kim e eu criamos objetivos egoístas e altruístas. Estabelecemos quatro metas financeiras, e essas metas se tornaram os quatro degraus para nos guiar através das escadarias da vida:

O primeiro degrau foi construir uma empresa que servisse ao maior número de pessoas possível. Queríamos servir as pessoas independentemente de sua riqueza (ou falta dela), raça ou religião.

O segundo foi investir nosso dinheiro para servir. A maior parte do nosso dinheiro de investimento está em apartamentos. Oferecemos moradias seguras, bem administradas e acessíveis a milhares de pessoas.

O terceiro degrau de nossas finanças era doar - ou seja, "devolver" o dinheiro. Mesmo quando tínhamos muito pouco dinheiro, doamos para causas de caridade que eram especiais em nossos corações. Não damos dinheiro diretamente aos necessitados. Em vez disso, damos dinheiro a organizações responsáveis e ​​que têm um histórico comprovado de boa gestão de dinheiro.

O quarto degrau era nosso padrão de vida pessoal. Embora não tivéssemos nada quando nos casamos, ainda queríamos viver financeiramente livres, com um padrão de vida rico e abastado.

Todos os quatro objetivos exigiram trabalho árduo, quilômetros viajados, muitos estudos e, muitas vezes, uma boa dose de decepção. Do princípio generalizado da precessão, que é o efeito cascata, veio o presente da verdadeira felicidade em nossas vidas.

Hoje, temos mais dinheiro do que poderíamos gastar. Temos mais do que precisamos. É por isso que hoje estamos nos concentrando cada vez mais em devolver o dinheiro, assim como Bill Gates e Warren Buffett estão fazendo. Devolver dinheiro pode ser um trabalho de tempo integral. Assim como ganhar e investir dinheiro cria desafios únicos, devolver o dinheiro traz consigo seu próprio conjunto de desafios. Há uma arte e uma ciência nas doações de caridade. Mais uma vez, em vez de dar o dinheiro aos necessitados e pobres, o que esgotaria nosso suprimento de dinheiro, somos diligentes em encontrar organizações responsáveis ​​e bem administradas, que protejam nossa riqueza e usem o dinheiro com sabedoria por anos, muito depois que "partirmos desta para melhor". 

 

Deus e dinheiro

 

Esta citação de Maomé me faz parar e pensar: “O verdadeiro valor de um homem é o bem que ele faz neste mundo”. 

Embora eu não seja muito religioso, minha educação espiritual e religiosa tem me feito bem. Essa educação me deu vida e orientação durante alguns momentos muito difíceis em minha vida pessoal, na guerra e nos negócios.

Quando menciono “deus”, não me refiro ao deus de uma religião específica. Quero dizer um ser espiritual, não um ser humano. Eu acredito em um deus espiritual. Eu costumo dizer que DEUS é uma sigla para “Diretor Especial de Utilidades Simples”. Simples no sentido de cotidiano, geral.

Acho que Deus vê o que fazemos com os talentos e dons que ele nos dá, e se os usamos ou não para fazer coisas boas. Então, quem Deus ama mais? Provavelmente são aqueles que compartilham seus dons - talentos, tempo ou tesouro - com o mundo.

A Bíblia diz muito sobre dinheiro, riqueza, dívidas, banqueiros, generosidade e ganância. Na verdade, dizem que a Bíblia contém mais versículos sobre dinheiro do que sobre qualquer outro assunto.

Minha educação religiosa começou quando eu tinha 10 anos. Um novo pastor veio para a cidade. Ele era jovem, solteiro, bonito e do Texas. Ele usava botas de cowboy, jeans e sempre estava com o violão pendurado nas costas, pronto para tocar e cantar. 

Mas sempre me lembrarei quando ele disse: “Temos o poder de criar nosso próprio céu ou inferno aqui na terra”. Não sei se é verdade, mas tem sido uma crença útil. Ele também nos ensinou: “Deus já nos deu esse poder. Depende de nós encontrar e utilizar esse poder em nós mesmos. ”

Muitas lições poderosas são encontradas nas crenças religiosas. E quer uma pessoa acredite em Deus ou siga uma religião específica ou não, as referências e lições oferecem outros pontos de vista sobre o dinheiro e os papéis que ele desempenha em nossas vidas.

Acho importante discutir a generosidade relacionada a Deus e ao dinheiro. Conversar com seus filhos ou família sobre suas escolhas e como, com cada dinheiro ganho, você tem a opção de gastá-lo, investi-lo ou doar. E discutir os conceitos de honestidade e veracidade no que se refere à vida, aos negócios e às suas crenças religiosas, e também a importância de retribuir. 

Um abraço,

Robert Kiyosaki

 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia