Pai Rico Pai Pobre Daily #29 - Os segredos de negócios de Robert Kiyosaki

Robert Kiyosaki Publicado em 27/01/2021
8 min
Segundo um ditado, "um tolo e seu dinheiro logo se separam”. Bem, eu era o tolo, e meu dinheiro logo se foi. Meu maior erro veio durante o tempo em que lancei meu primeiro (e fracassado) negócio. Descubra o que aprendi para ficar rico desde então...
  • Meu maior erro...
  • Tenha cuidado com quem confiar...
  • Se você não aprender a gerar ESTE tipo de renda em breve, pode ser tarde demais...

 

Caro(a) leitor(a),

Após Kim e eu nos aposentarmos, eu quis realizar meu objetivo de ensinar ao máximo de pessoas que eu pudesse fora do clássico formato do seminário.

Então, me mudei para as montanhas perto de Bisbee, Arizona, e fiquei isolado o suficiente para começar a trabalhar na resposta à minha pergunta. Por dois anos, trabalhei na questão: como posso ensinar mais pessoas? Quando deixei Bisbee, eu tinha o rascunho de Pai Rico, Pai Pobre no meu computador e um esboço simples para o jogo de tabuleiro Cashflow®.

Quando voltei para Phoenix com esses dois materiais na mão, eu sabia que estava fazendo a minha mudança para o lado B [Negócios] do Quadrante de Fluxo de Caixa. Kim e eu começamos a projetar e construir uma empresa de acordo com o lado B-I [Negócios-Investimentos]. No momento em que colocamos nossos produtos no mercado, os céus da abundância se abriram. A linha de produtos foi oficialmente lançada nos meus cinquenta anos, 8 de abril de 1997.

Quando Pai Rico, Pai Pobre foi impresso pela primeira vez, colocamos 24 cópias do livro no posto de gasolina de nosso amigo em Austin, Texas. Depois de meses sem vendas, um dia meu amigo me ligou e disse: "Todos eles se foram! Alguém comprou todos eles!”

Mais tarde, um homem me ligou para dizer que tinha lido o Pai Rico, Pai Pobre. Perguntei: "Foi você que comprou todos?" Ele disse: "Não, foi um amigo, e ele me deu uma cópia." O homem que me ligou estava com Amway e comprou as 976 cópias restantes para distribuir em todo o mundo. Em dois anos, o livro ganhou popularidade  .

Desde o início da Rich Dad Company, enfrentamos algumas batalhas para dar vida ao negócio. As principais que tivemos foram manter a demanda, viajar o mundo para abrir novos mercados e fazer a contabilidade do dinheiro.

Em junho de 2000, veio o convite do The Oprah Winfrey Show, e os céus realmente se abriram.

 

Meu maior erro

Segundo um ditado, "um tolo e seu dinheiro logo se separam." Bem, eu era o tolo, e meu dinheiro logo se foi. Meu maior erro veio na época em que lancei meu negócio de carteiras de nylon e velcro para surfistas.

Meu amigo John e seu contador, Stanley, precisavam de dinheiro para o negócio deles, e, como eu economizara algo trabalhando na Xerox, emprestei-lhes o que tinha.

Claro, quando o empréstimo venceu, eles não tinham nada para me pagar. Então, passei a fazer parte da empresa deles para tentar ajudá-los a levantar o dinheiro e recuperar o meu. Nos três meses seguintes, eu consegui dinheiro de amigos investidores. Foi aqui que surgiu a ideia das carteiras de nylon e velcro para surfistas.

Como éramos surfistas e marinheiros, já usávamos carteiras de nylon. Nós mesmos costurávamos a carteira com velas velhas de iates. Mas o negócio da carteira de nylon não estava em alta. Por isso, apesar de todo o esforço, acabamos com mais dívidas do que antes e muito perto de falidos

Mostrei a John e Stanley uma ideia para outro novo produto de nylon, desta vez um produto que eu tinha projetado. Naquela época, os corredores tinham um problema: onde eles colocam sua chave, a carteira de identidade e algum dinheiro quando correm? Shorts de corrida não tinham bolsos e enfiar todas essas coisas no sapato ou meia também não era boa opção. Então, tive uma ideia de criar uma pequena carteira que se prendia aos cadarços do sapato de um corredor.

Assim, completamente estourados nos cartões de crédito, lançamos nosso "Rippers Shoe Pocket" para corredores em encontro de artigos esportivos de Nova York. Acredite ou não, esse produto se tornou um dos "Hot New Products of the Year" na indústria de artigos esportivos. The Rippers Shoe Pocket foi até notícia nas revistas Runner's World, Playboy e Gentlemen's Quarterly.

Logo em seguida, já estávamos enviando carteiras para todo o mundo. Porém, embora tenhamos tido sucesso internacional, nossa empresa ainda estava falindo. Tínhamos muito mais dinheiro entrando, mas ainda mais dinheiro saindo. Em um último esforço, John me pediu para buscar mais investidores, o que eu fiz. Ainda me lembro do dia em que entrei no escritório dele com um cheque de $100.000 de um investidor. John e Stanley sorriram e me agradeceram.

Alguns dias depois, eu estava em Chicago em uma feira de artigos esportivos, vendendo nosso produto. No final do encontro, liguei para Honolulu para relatar meus resultados.

Jana, nossa recepcionista, respondeu ao telefone. Ela estava chorando. "O que há de errado", perguntei.

"Eu odeio te dizer isso, mas John e Stan fecharam a empresa hoje. Eles levaram o dinheiro que sobrou, e acredito que eles deixaram a cidade. Eu não sei onde eles estão.”

Voltei para o meu quarto de hotel no Lake Shore Drive, em Chicago, e, olhando para o Lago Michigan, me perguntava: "como eu pude ter sido tão estúpido?"

John e Stan tinham ido embora. As dívidas deles foram pagas, mas fiquei com quase US$ 1 milhão em empréstimos, dinheiro que eu tinha levantado de amigos, família e investidores.

Meu maior erro, e a maior lição que aprendi nos negócios, foi ter cuidado com quem confio como parceiro.

 

Vendas = Renda

Como a maioria das pessoas sabe, a habilidade número um de um empreendedor é a capacidade de vender, pois venda é igual a renda. Como eu não sabia vender, aceitei o conselho do meu Pai Rico e consegui um emprego na Xerox Corporation aos 26 anos, não porque eu gostava de copiadoras, mas porque a Xerox tinha um ótimo programa de treinamento de vendas.

Apesar de não ser bom em vendas, estudei, pratiquei, tive aulas extras, e lentamente, mas certamente, depois de três anos, me tornei consistentemente um dos principais agentes de vendas da empresa e, então, realmente comecei a ganhar algum dinheiro.

De 1974 a 1976, consegui economizar US$ 27.000 (que naquela época era muito dinheiro) para começar meu primeiro negócio.

 

Expanda seu negócio em uma marca

Quando você lê as histórias dos empreendedores, um grande número deles passou por esses períodos de provações, tribulações e testes de fé. Acredito que é por meio desses testes que uma marca nasce.
 

Em 2000, depois de aparecer no programa da Oprah, recebi uma ligação de uma famosa empresa que vende fundos mútuos, pedindo-me para promover seus produtos. Eu educadamente recusei, dizendo que a marca Pai Rico não era compatível com fundos mútuos. Quando recusei, o agente da empresa testou minha fé dizendo: "Estamos preparados para oferecer-lhe US$ 4 milhões ao longo de quatro anos se você promover nosso fundo mútuo."

Um milhão de dólares por ano durante quatro anos foi tentador, mas eu recusei a oferta. Promover um fundo mútuo não seria fiel à marca ou às pessoas que acreditam na mensagem do Pai Rico.

Se eu tivesse aceitado a empresa de fundos mútuos, na minha mente, eu teria parecido um traidor para os meus leitores, um vira-casaca, um homem que faria qualquer coisa por um milhão de dólares por ano.

 

Não é sobre quanto dinheiro você ganha

Meu Pai Rico sempre dizia: "Inteligência financeira não é quanto dinheiro você ganha, mas quanto dinheiro você guarda." Ele dizia também: "A renda ordinária das pessoas (trabalho) é a renda pela qual você trabalha mais duro e da qual você tem permissão para manter o mínimo."

O que ele estava me ensinando quando eu era criança era a importância de entender dívidas e impostos.

Do ponto de vista do meu Pai Rico, não é muito inteligente trabalhar duro e fazer com que o governo tome pelo menos 50% do que você ganha suadamente. Como investidor, pago menos impostos e, portanto, guardo mais do meu dinheiro para continuar investindo.

Abraço,

Robert Kiyosaki

 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia