Pai Rico Pai Pobre Daily #26 - Como lidar com as despesas

Robert Kiyosaki Publicado em 06/01/2021
6 min
Como fazer um planejamento financeiro não para cortar despesas, mas para aumentar seu patrimônio? A seguir, explico por que mudei minha visão sobre finanças pessoais com esta lição do Pai Rico.
  • A principal razão pela qual os problemas financeiros são tão graves nos EUA.
  • Planeje suas finanças não para cortar despesas, mas para gerar mais ativos
  • Conheça a filosofia do ‘pague-se primeiro’


Caro(a) leitor(a),

Quando Kim e eu criamos o jogo de tabuleiro Cashflow®, foi para ajudar as pessoas a escapar da ‘corrida de ratos’. A corrida de ratos é o ciclo de maus hábitos financeiros. 

Não é segredo para ninguém que o americano comum não é bom com dinheiro. Em dezembro passado, a Statista informou que "quase 70% dos americanos têm menos de US$ 1.000 poupados". E "quase metade dos americanos não têm nada guardado."

Os maus hábitos de tantas pessoas assim foram agravados pelos efeitos da pandemia do novo coronavírus, à medida que muitos perderam seus trabalhos.  

Um estudo do U.S. Bank mostrou que apenas 41% dos norte-americanos planejam suas finanças, o que pode ser a principal razão pela qual os problemas financeiros são tão graves nos Estados Unidos.

Eu concordo que ter um planejamento financeiro é um primeiro e importante passo para avançar nas finanças pessoais. Mas isso, por si só, não resolverá os problemas subjacentes que a maioria dos americanos tem quando se trata de dinheiro.

Em primeiro lugar, é preciso também uma boa dose de inteligência financeira. O problema com a maioria dos planejamentos de finanças pessoais é que eles atendem às velhas regras de dinheiro, que simplesmente não funcionam mais, tais como economizar dinheiro, eliminar dívidas e viver dentro dos limites financeiros.

Em última análise, o planejamento financeiro, como é normalmente ensinado, é um veículo para cortar despesas, não ganhar dinheiro. Mudar sua mentalidade pode transformar sua organização financeira em meio para aumentar seus ativos, e não economizar.

 

A filosofia do ‘pague-se primeiro’

Quando começar a ‘pagar-se’ antes de tudo, pode ser que você se sinta atrasado por não ter feito isso ao longo de décadas. Mas acredite: esta é a maneira certa de fazer. Kim e eu tivemos muitos contadores que recusaram nossa abordagem porque também se acostumaram com a ideia contrária, a saber, a de que pagar-se deveria vir por último.

A filosofia do ‘pague-se primeiro’ consiste no seguinte. Todo mês, fazendo sentido ou não, colocamos uma soma de nosso dinheiro em ativos. E nós tratamos isso como se fosse uma despesa. Na verdade, tratamos como nossa despesa mais importante. Mesmo em tempos em que meus rendimentos eram menores que minhas contas, eu ainda me pagava primeiro. E você também pode. Como?

Primeiro, não entre em grandes dívidas. Mantenha suas despesas baixas. Construa ativos primeiro. Só depois compre uma casa grande ou um bom carro.

Em segundo lugar, quando o dinheiro ficar mais curto, vá em frente e trabalhe com a pressão: não use suas economias ou investimentos como um resgate.

Veja, pessoas pobres têm maus hábitos. E um desses maus hábitos é usar a poupança para pagar contas. Use a pressão para inspirar seu gênio financeiro a encontrar novas maneiras de ganhar mais dinheiro e, depois, pagar suas contas com isso. Bônus: você terá aumentado sua capacidade de ganhar mais dinheiro e sua inteligência financeira.

Assim, vamos dizer que você está ganhando cerca de US$ 4.000 por mês. Se primeiro você guardar para si (‘pagar a si mesmo’) $500, sobram $3.500 para as despesas correntes. Depois de um ano, você terá economizado $6.000. Você pode até mesmo automatizar essa popança junto a seu banco, para eliminar a tentação de gastar o dinheiro.

Uma vez que você decidiu ‘pagar-se primeiro’, passa a ser prudente planejar suas finanças.

 

Suas finanças são um plano

Em última análise, suas finanças são um plano. Como tal, pode ser um bom plano ou um plano ruim. 

Um plano ruim é aquele que exige que você corte despesas e economize dinheiro. Você não usufrui das coisas que está acostumado a gostar e gera pouco ou nenhum dinheiro com a soma que economiza. Em última instância, isso não vai levá-lo onde você precisa estar financeiramente.

Um bom plano, no entanto, é aquele que estimula a ação para melhor. E um bom orçamento é aquele que vai inspirá-lo a ganhar mais dinheiro para que você possa fazer o que você ama e fazer crescer seu dinheiro exponencialmente.
Com isso em mente, aqui estão três dicas de como seu planejamento é uma ferramenta útil para aumentar seu rendimento da maneira correta, por meio de investimentos.

 

1. O planejamento mostra suas despesas mensais

Um exercício comum que fazemos quando trabalhamos com pessoas que querem ser financeiramente livres é fazê-las anotar todas as suas despesas mensais em uma coluna em um pedaço de papel e, em seguida, escrever seu salário em outra. Então, elas cobrem a coluna de salário com a mão.

"O que", perguntamos, "você faria se não tivesse seu salário?" O resultado é muitas vezes uma reação momentânea de pânico.
Esse exercício é útil porque é uma demonstração da realidade – ou seja, a maioria das pessoas tem um monte de despesas e depende de salários para pagá-las.

Mas quão bom seria se você tivesse renda passiva vindo todos os meses para cobrir suas despesas? O que você faria? Iria se aposentar? Foi o que Kim e eu fizemos quando chegamos a esse ponto nos anos 1990.

Mas, para chegar até ele, tínhamos que saber quanto estávamos gastando a cada mês. Por quê? Só assim saberíamos quanto precisaríamos ganhar em rendimentos para sermos financeiramente livres.

 

2. O planejamento ajuda você a entender de que tipo de ativo você precisa

Uma vez que mapeamos nossas despesas mensais, pudemos montar um plano para adquirir os ativos de que precisávamos para cobri-las. Para nós, foi aqui que implementamos a filosofia do ‘pague-se primeiro’. Em vez de cortar despesas, criamos uma nova — a despesa de investir. 

 

3. Um orçamento inspira ação para gerar ativos

Ao tornar uma ‘despesa’ investir todo mês, fizemos disso uma prioridade para o crescimento de nossos ativos. Trabalhamos duro para ganhar o dinheiro extra de que precisávamos. Começamos a dar aulas nos fins de semana. Fomos criativos ao pagar nossos credores. Sonhamos e lançamos novos produtos. Encontramos negócios imobiliários incríveis. Tudo isso foi possível quando mudamos nosso mindset no sentido de planejar as finanças não como guardar dinheiro, mas como fazer dinheiro. Nosso planejamento nos deu o caminho para a liberdade financeira, e fomos inspirados para fazê-la acontecer.

Então, se você está pronto(a) para começar sua jornada em direção a um futuro financeiro melhor, esta é a hora de começar a planejar seu orçamento. Só não o faça à velha moda; faça-o do jeito do Pai Rico. Só assim você será realmente bem-sucedido(a).

Abraço,
Robert Kiyosaki

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia