Pai Rico Pai Pobre Daily #23 - Por que os impostos não prejudicam os ricos?

Robert Kiyosaki Publicado em 16/12/2020
6 min
Robin Hood era herói ou vigarista? Nesta newsletter, faço uma breve recapitulação sobre como surgiram os impostos e por que o sistema atual não pode punir os ricos.
  • A história de como surgiram os impostos é surpreendente...
  • O clamor por impostos mais altos só prejudica as pessoas que gritam mais alto...
  • Uma observação breve mostra por que o sistema não pode punir os ricos...

Caro(a) leitor(a),

Lembro-me de ouvir na escola a história de Robin Hood e seus amigos.

Meu professor achou que era uma história maravilhosa sobre um herói romântico que roubava dos ricos para dar aos pobres.

Meu pai rico não via Robin Hood como um herói.

Ele chamou Robin Hood de vigarista.

Robin Hood pode ter partido há muito tempo, mas seus seguidores vivem.

Frequentemente, ainda ouço as pessoas dizerem: "Por que os ricos não pagam por isso?" ou “Os ricos deveriam pagar mais impostos e dar aos pobres”.

É essa ideia de Robin Hood - tirar dos ricos para dar aos pobres - que tem causado mais sofrimento aos pobres e à classe média.

O motivo pelo qual a classe média é tão fortemente tributada é a teoria de Robin Hood.

A realidade é que os ricos não são tributados. É a classe média que paga pelos pobres.

Para entender completamente como as coisas acontecem, precisamos entender a história dos impostos.
 
Meu pai rico explicou a Mike e a mim que originalmente, na Inglaterra e nos EUA, não havia impostos.

Ocasionalmente, havia impostos temporários para pagar as guerras. O rei ou o presidente espalhava a palavra e pedia a todos que "participassem".

Impostos foram cobrados na Grã-Bretanha, por exemplo, para a luta contra Napoleão de 1799 a 1816.

E nos EUA para pagar pela Guerra Civil de 1861 a 1865.

Em 1874, a Inglaterra tornou o imposto de renda uma cobrança permanente para a população.

Em 1913, o imposto de renda tornou-se permanente nos Estados Unidos com a 16ª Emenda.

Ao mesmo tempo, os americanos eram anti-impostos. Demorou cerca de 50 anos para os EUA venderem a ideia de um imposto de renda regular.

O que essas datas históricas não revelam é que esses dois impostos foram inicialmente cobrados apenas dos ricos. Era esse ponto que meu pai rico queria que Mike e eu entendêssemos.

A ideia dos impostos tornou-se popular dizendo aos pobres e à classe média que os impostos foram criados para punir os ricos.

Foi assim que a maioria votou a favor da lei.

Embora pretendesse punir os ricos, acabou punindo os pobres e a classe média.

“Assim que o governo teve um gostinho do dinheiro, seu apetite aumentou”, disse meu pai rico. “Seu pai e eu somos exatamente o oposto. Ele é um burocrata do governo e eu sou um capitalista. Somos pagos e nosso sucesso é medido por comportamentos opostos".

Ele é pago para gastar dinheiro e contratar pessoas. Quanto mais ele faz isso, maior se torna sua organização. No governo, uma grande organização é respeitada.

Por outro lado, quanto menos pessoas eu contrato e menos dinheiro gasto, mais sou respeitado. É por isso que não gosto de pessoas do governo. Eles têm objetivos diferentes dos da maioria dos empresários. Conforme o governo cresce, mais e mais dólares de impostos são necessários para apoiá-lo.”

Quando eu tinha cerca de 10 anos, ouvia de meu pai rico que os funcionários do governo eram um bando de ladrões preguiçosos. E de meu pai pobre eu ouvia como os ricos eram vigaristas gananciosos que deveriam ser obrigados a pagar mais impostos.

Ambos os lados tiveram pontos válidos.

Era difícil ir trabalhar para um dos maiores capitalistas da cidade e voltar para a casa de um pai que era um importante líder do governo. Não foi fácil saber em qual pai acreditar.

No entanto, quando você estuda a história dos impostos, surge uma perspectiva interessante: como eu disse, a passagem dos impostos só foi possível porque as massas acreditaram.

Tire dos ricos e dê a todos.

O problema era que o apetite do governo por dinheiro era tão grande que os impostos logo precisaram ser cobrados da classe média e, a partir daí, foi ladeira abaixo.

Mas os ricos viram uma oportunidade porque eles não jogam segundo o mesmo conjunto de regras. Os ricos tinham informações sobre as corporações.

É o conhecimento da estrutura jurídica corporativa que realmente dá aos ricos uma grande vantagem.

Resumindo: não importa o que a turma do “roube dos ricos” pensa, os ricos sempre encontravam uma maneira de serem mais espertos que eles.

É assim que os impostos acabam sendo cobrados da classe média. Os ricos superaram os intelectuais apenas porque eles entendiam o poder do dinheiro, uma matéria não ensinada nas escolas.

Como os ricos foram mais espertos que os intelectuais? Depois que o imposto "roube dos ricos" foi aprovado, o dinheiro começou a fluir para os cofres do governo.

Inicialmente, as pessoas estavam felizes. O dinheiro foi entregue aos funcionários públicos e aos ricos. Mas o problema era a gestão desse dinheiro.

O ideal do governo é evitar excesso de dinheiro.

Se deixar de gastar seus fundos, corre o risco de perdê-los no próximo orçamento.

À medida que esse ciclo de crescimento dos gastos do governo continuou, a demanda por dinheiro aumentou.

Assim, a ideia de “tributar os ricos” foi ajustada para incluir os níveis de renda mais baixos, até as próprias pessoas que votaram nela, os pobres e a classe média.

Essa guerra entre os que têm e os que não têm dura centenas de anos. A batalha continuará para sempre.

O problema é que as pessoas que perdem são as que não têm educação: aquelas que se levantam todos os dias, vão trabalhar diligentemente e pagam impostos.

Se eles ao menos entendessem como os ricos jogam o jogo, eles também poderiam jogar. Então, estariam a caminho de sua própria independência financeira.

É por isso que estremeço toda vez que ouço um pai aconselhar seus filhos a irem à escola para que possam encontrar um trabalho seguro. Um funcionário com um emprego seguro, sem aptidão financeira, não tem escapatória.

O americano médio, hoje, trabalha de quatro a cinco meses para o governo apenas para cobrir seus impostos. Na minha opinião, isso é simplesmente muito tempo. Quanto mais você trabalha, mais paga ao governo.

Cada vez que as pessoas tentam punir os ricos, os ricos simplesmente não obedecem. Eles reagem. Eles têm dinheiro, poder e intenção de mudar as coisas. Eles não se limitam a sentar e pagar voluntariamente mais impostos.

Eles usam seus recursos para efetuar mudanças.

Os pobres e a classe média não têm os mesmos recursos.

Eles deixam as agulhas do governo entrarem em seus braços e permitem que a doação de sangue comece.

Hoje, fico constantemente chocado com a quantidade de pessoas que pagam mais impostos, ou fazem menos deduções, simplesmente porque têm medo do governo.

Meu pai pobre nunca lutou.

Meu pai rico também não.

Ele apenas jogou o jogo de uma maneira mais inteligente.

Abraços,

Robert Kiyosaki

PS.: Caro(a) leitor(a), acabamos de liberar o primeiro episódio da série original A Nova Ordem Cripto. Entenda o fenômeno capaz de oferecer retornos de até 30.000% em apenas 5 meses, que está varrendo o mundo das criptomoedas aqui. 

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia