Pai Rico Pai Pobre Daily #16 - O Bitcoin surge das cinzas

Robert Kiyosaki Publicado em 28/10/2020
1 min
Robert Kiyosaki traz três ensinamentos poderosos de seu Pai Rico: veja aqui
  • Como o dinheiro não é mais dinheiro, mas somente papel-moeda, deve sempre...
  • Ao retirar o dólar fora do padrão-ouro, o presidente Nixon fez uma das maiores...
  • Com todo o burburinho em torno do Bitcoin, quero ter essa oportunidade para te lembrar sobre...


Caro(a) leitor(a),

Em 2018, quando comecei a escrever meu mais novo livro “FALSO: dinheiro falso, professores falsos, ativos falsos” a maioria das pessoas não entendia a importância da mensagem de 1971 de Nixon.

Como meu Pai Rico dizia, “o mundo está prestes a mudar”, e a mudança de facto ocorreu.  

Ao tirar o dólar do padrão-ouro, o presidente Nixon fez uma das maiores mudanças da história mundial. Infelizmente, poucas pessoas compreenderam – até hoje poucas compreendem – o quanto esta mudança afeta nossas vidas em todo o mundo. 

Isso inclui o que eu chamo “Dinheiro das Pessoas”, ou as criptomoedas.

Ao longo da história, “o dinheiro” tem tido diversos significados diferentes. O dinheiro já tomou a forma de conchas do mar, miçangas coloridas, penas, animais vivos e pedras grandes. 

Nos últimos anos, o governo dos EUA tem criado dinheiro do nada por meio da flexibilização quantitativa. Isso significa que eles ampliam o balanço do Fed comprando Treasuries com o intuito de manter as taxas de juros em níveis baixos para estimular a economia por meios artificiais. É igual eu ou você imprimir dinheiro para pagar nosso cartão de crédito ou de débito. E tem funcionado... até então.

Como a Bloomberg noticiou:

“De 2008 a 2015, o valor nominal dos ativos no mercado financeiro aumentou cerca de 40%, de US$ 350 trilhões para mais de US$ 500 trilhões. No entanto, os ativos reais por trás desses números mudaram pouco, refletindo a natureza inflacionária da flexibilização quantitativa. Os efeitos da inflação nos ativos do mercado financeiro são tão profundos quanto os da conhecida inflação aos consumidores”.

Os efeitos da flexibilização quantitativa têm impulsionado a conta daqueles que já são ricos, enquanto mantêm os salários estagnados, criando uma bolha no mercado de ações.

Isso significa que, quando o mercado de ações despencar e quando a inflação transbordar do mercado de ações para lugares diferentes, os poupadores serão os perdedores finais.

Eles não terão feito dinheiro com a bolha do mercado acionário e serão afetados pela inflação, com o potencial de se tornar hiperinflação. Isso vai corroer suas economias. Pior ainda, pode acarretar um cenário que seja impossível recuperar as finanças para a aposentadoria.
 

Se acostume com a moeda

Visto que o dinheiro não é mais dinheiro, mas sim moeda, deve sempre fluir para algum lugar. Como uma corrente elétrica, a moeda deve se mover ou morrerá. Economizar é basicamente deixar sua moeda morrer.

O motivo pelo qual vemos oscilações vertiginosas em mercados como o de ações, imóveis e até mesmo criptomoedas, é porque o dinheiro está se movendo. 

Os ricos entendem isso e usam sua educação financeira para saber onde o dinheiro está indo, com antecedência e frequência.

Seguindo o velho ditado, eles compram na baixa e vendem na alta. Além disso, eles usam seus lucros para comprar ativos que geram fluxo de caixa e exponencialmente aumentam sua riqueza.
 

Brincando com o fogo das criptomoedas

O Bitcoin entrou em cena em 2009, quando o sistema bancário estava à beira do colapso. Uma vantagem gigantesca das criptomoedas e das tecnologias de blockchain é a confiança e a segurança fora do sistema bancário. 

Conforme as criptomoedas evoluem, o poder do sistema bancário perderá o controle sobre a liberdade financeira do mundo.

De acordo com o The Cointelegraph, 18% dos investidores em Bitcoin estão usando dinheiro emprestado para montar suas posições em criptomoedas, e 22% desses investidores não pagaram suas dívidas de cartão de crédito após fazerem a compra.

Com milhões investindo em criptomoedas, isso significa que uma quantidade significativa de pessoas está alocando dívidas com juros altos em um ativo extremamente volátil, subindo e descendo milhares de pontos percentuais em semanas e, às vezes, dias.

A Fidelity Investments planeja lançar a negociação de Bitcoin para clientes institucionais, de acordo com outro relatório da Bloomberg.

Com todo o hype em torno do Bitcoin recentemente, quero aproveitar esta oportunidade para lembrar os leitores sobre fundamentos de investimento essenciais.

 

Princípio fundamental do Pai Rico #1: A diferença entre um Ativo e um Passivo

Quando eu era criança, meu Pai Rico, o pai do meu melhor amigo, me ensinou uma lição muito simples: um ativo é tudo que põe dinheiro no seu bolso e um passivo é tudo que tira dinheiro do seu bolso.

Na essência, a criptomoeda não é um ativo porque não coloca dinheiro no seu bolso. Tomando dívidas ou usando seu próprio dinheiro, ela tira o dinheiro do seu bolso quando você compra.

A única maneira de obter valor é vendendo. Só então, se você tiver lucro, eles se tornarão um ativo.

É essa definição simples de bem que também me levou a ensinar, décadas atrás, que sua casa não é um bem. 

As pessoas uivaram em protesto quando eu fiz isso, mas ficaram quietas rapidamente quando o mercado imobiliário quebrou.
 

Princípio fundamental do Pai Rico #2: Investir para o fluxo de caixa

A beleza de investir em ativos é que eles geram fluxo de caixa para você. 

Então, por exemplo, se você investir e comprar um imóvel para alugar (ao invés dos gastos da casa própria), você pode, por meio do aluguel, obter um lucro a cada mês.

Logo, independentemente se o valor da propriedade aumenta ou diminui, você está ganhando dinheiro. Ou, se você construir um negócio próspero, perceberá o fluxo de caixa a cada mês na forma de lucros.

Meu Pai Rico me ensinou que a razão pela qual a maioria das pessoas fracassa financeiramente é porque presumem que são investidores só porque colocam dinheiro em ativos na esperança de que cresçam em valor, coisas como ações, títulos e fundos mútuos.

Mas os ricos colocam seu dinheiro em ativos que produzem retornos imediatos pelo fluxo de caixa. Eles então podem usar esse fluxo de caixa para investir em ainda mais ativos.

Todos os outros simplesmente ficam sentados em seu dinheiro assistindo (com sorte) crescer em pequenas quantidades – a menos que os mercados quebrem como em 2008. 

Então eles perdem tudo. Meu medo é que o mesmo possa acontecer com as pessoas que não tiverem educação que entram nos mercados de criptomoedas.

 

Princípio fundamental do Pai Rico #3: A diferença entre dívidas boas e ruins

Quando era mais novo, passei 90 dias em um curso imobiliário no qual tivemos que avaliar 100 propriedades para investimento. No início daquela aula, havia muitos alunos. No final, éramos apenas seis. Foi um trabalho cansativo, mas uma das melhores formações que já recebi.

Quando terminei a aula, encontrei o imóvel que procurava. Era um apartamento de um quarto em execução hipotecária na praia de Maui. Era apenas US$ 18.000 e requeria 10% de sinal. Já paguei este valor no meu cartão de crédito e financiei o resto com o banco.

Um dos maiores segredos que os ricos conhecem é a diferença entre boas dívidas e dívidas pobres.

De forma simples, uma boa dívida permite que você compre ativos que gerem caixa. A dívida pobre é usada para passivos como TVs e carros. A dívida pobre faz você perder dinheiro a cada mês.

Quando você junta uma boa dívida com DOP (Dinheiro de Outras Pessoas), as coisas ficam realmente poderosas. 

Basicamente, o DOP é como o que fiz com meu cartão de crédito para comprar o apartamento em Maui, só que a uma taxa de juros muito mais baixa e com estruturas de negócios flexíveis.

No final, não posso te ensinar como ser um investidor sábio, mas posso te dar os fundamentos necessários para chegar lá. O resto será sair e fazer, aprendendo com os fracassos e o sucesso.

Minha esperança é que, ao compreender os fundamentos, essas falhas não sejam tão grandes quanto poderiam - e esses sucessos virão com muito mais frequência.

Jogue com inteligência,

Robert Kiyosaki

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia