Pai Rico Pai Pobre Daily #38: Os 5 Maiores Ensinamentos de meu Pai Rico

Robert Kiyosaki Publicado em 07/04/2021
20 min
Se você não aprender - e internalizar - as palavras que vai encontrar aqui, tem menos chance de enriquecer um dia…

Caro(a) leitor(a),

Informação é o grande ativo desta era. No passado, para ser considerado rico, você deveria ter uma fábrica, fazenda de gado, minas de ouro, poços de petróleo ou arranha-céus. Na Era da Informação, apenas uma informação, a informação certa, já pode te deixar rico. Você não precisa de recursos tangíveis como terra, ouro ou petróleo. Os jovens empreendedores que criaram o Facebook e o YouTube são a prova disso. Com pouco dinheiro, alguma informação e com o poder da tecnologia, esses rapazes de 20 anos se tornaram milionários.

Mas, da mesma forma que informações relevantes podem ser uma vantagem, a informação errada pode ser prejudicial. Informação pobre gera pessoas pobres. Uma das razões pelas quais muitas pessoas estão lutando financeiramente é simplesmente porque elas têm informações obsoletas, tendenciosas, enganadoras ou errôneas alimentando seu ativo mais poderoso, seu cérebro. Muitas pessoas que estão lutando o fazem porque estão usando informações das Eras Industrial ou Agrária, enquanto estão na Era da Informação. 

O “Sonho Americano” está morto para a maioria das pessoas; especialmente pessoas que acreditam em ir à escola, arrumar um emprego, guardar dinheiro e investir para o longo prazo em um plano de aposentadoria.

Contudo, o sonho de se tornar milionário está vivo e muito bem se a pessoa investe em educação financeira de qualidade, que é sobre o que vou falar nesta newsletter.

Quando era criança e jogava Banco Imobiliário com meu pai rico, eu sabia que queria me tornar um milionário que vive de renda. Eu sabia que quatro casas verdes levam a um hotel vermelho, o que aumentaria meu fluxo de caixa e meu patrimônio líquido. Ser um milionário que vive de renda me permite usar dívida como dinheiro, pagar menos impostos legalmente e sem vender ativos, o que iria diminuir meu patrimônio líquido.

Como parte de sua educação financeira, trago os cinco pontos mais importantes que você precisa aprender: 
 

1. Demonstrativo Financeiro

O demonstrativo financeiro é o coração da educação financeira. É por isso que meu pai rico sempre dizia “meu contador nunca pede meu boletim. Meu contador não se importa com qual escola eu frequentei ou minha média. Meu contador só quer saber do meu demonstrativo financeiro. Seu demonstrativo é o seu boletim depois que você deixa a escola”.

Educação financeira - o básico, começando jovem - deu uma direção mais nítida para a minha vida.

As pessoas que não conseguem interpretar um demonstrativo financeiro são os “analfabetos financeiros”. Como você sabe, há muitas pessoas com um alto nível de educação e que não conseguem interpretar um demonstrativo. Essa é a verdadeira crise financeira que enfrentamos.

Existem vários tipos de demonstrações financeiras. Uma declaração de renda mostra bem uma conta detalhada de sua renda e despesas em um determinado período. Um balanço patrimonial inclui os ativos e passivos em um determinado momento. Um demonstrativo de fluxo de caixa detalha a entrada e a saída de dinheiro. Pessoas, propriedades e negócios, todos têm seus próprios demonstrativos financeiros.

Outra maneira de descrever um demonstrativo financeiro é uma “declaração de situação financeira”. A situação financeira de uma pessoa é boa se a entrada de caixa for maior que a saída. Se você não está empregado, sua renda vem apenas de seus ativos, enquanto a saída de caixa seria determinada unicamente por seus passivos. Ativos podem ser definidos, bem literalmente, como algo que gera dinheiro, enquanto passivos podem ser definidos como algo que gera saída de dinheiro. A diferença entre seus ativos e passivos, ou entrada e saída de dinheiro, é chamada de lucro líquido, ou riqueza.
 

2. Impostos

Muitas pessoas creem que os impostos são injustos. A real injustiça é a falta de uma educação financeira de verdade, isso faria com que as pessoas entendessem melhor os impostos. Fato é que as leis tributárias são para todos. Qualquer um pode pagar menos imposto… Se tiver uma educação financeira verdadeira para usar a lei tributária a seu favor.

Sem educação financeira, a maioria das pessoas se torna financeiramente ignorante no que diz respeito a essas taxas. Muitas pessoas votam em políticos que prometem “taxar os ricos”. Então se perguntam por que seus impostos continuam subindo. O problema não são os impostos; o problema é o gasto.

Uma das razões para a desigualdade entre riqueza e renda são os impostos. De maneira simples, os ricos sabem como ganhar dinheiro e pagar menos impostos – legalmente - que as classes baixa e média. Os ricos não são sempre os mais espertos, eles simplesmente preferem não ser ignorantes.

Deixo aqui uma explicação do meu consultor tributário, Tom Wheelwright sobre a desigualdade tributária: 

“Vamos supor que, em termos de consumo e produção, o mundo é dividido em quatro quadrantes, A, B, C e D. O quadrante A produz algo e consome a mesma quantia. O quadrante B produz um pouco mais (ele tem alguns empregados) e consome um pouco menos do que produz. Os quadrantes C ou D, no entanto, produzem muito mais do que consomem. Eles estão criando milhares de empregos, produzindo energia, alimentos e habitações. O governo encoraja e premia essas atividades através de incentivos fiscais, porque eles estimulam a economia e produzem itens essenciais para a produtividade e qualidade de vida dos cidadãos dos outros quadrantes”.

No quadrante I, eu recebo incentivos fiscais por investir em complexos de apartamentos. Se eu não fornecesse habitação, o governo teria que o fazer, custando aos contribuintes muito dinheiro. Então, melhor que pedir aos contribuintes que paguem impostos mais altos, o governo oferece aos empreendedores como eu incentivos fiscais - eu me torno um parceiro do governo.

A diferença é a mentalidade, as habilidades e a educação financeira. Se você quer viver sua vida nos quadrantes B e I, precisa entender como usar a dívida e os impostos para enriquecer.
 

3. Dívida

A maioria das pessoas vê dívida como uma palavra de seis letras. Nós fomos condicionados a entender que toda dívida é ruim. Nós fomos ensinados a temer a dívida. Mas nem toda dívida é ruim. Existem dívidas boas também. Entender a dívida boa, e como usá-la, é uma parte essencial para conquistar sua independência financeira.

Dívida é dinheiro. Uma razão pela qual os ricos ficam cada vez mais ricos é porque eles usam a dívida para ganhar dinheiro. Infelizmente, sem educação financeira, a dívida torna as classes média e baixa ainda mais pobres.

Donald Trump resumiu bem, dizendo: “Você sabe que eu sou o rei da dívida. Eu amo dívida, mas isso é um negócio complicado e perigoso.”

Quando eu falo com as pessoas ao redor do mundo, frequentemente me perguntam: Como dívidas podem tornar os ricos mais ricos?

Eu vou usar cartões de crédito como um exemplo para ilustrar isso. Vamos dizer que você recebeu um novo cartão de crédito. E não tem dinheiro nenhum nesse cartão. Tudo que você tem é crédito. Você vai ao shopping e compra um novo par de sapatos que custou R$ 100. Você usa seu novo cartão de crédito e - como mágica - R$ 100 de “dinheiro” foram gerados. Ao mesmo tempo, R$ 100 em dívidas também foram gerados. Os R$ 100 entram na economia e as pessoas estão felizes. 

Se você quer enriquecer, invista em sua educação financeira antes de colocar em prática a utilização de dívida como dinheiro. Aprender como usar dívidas para torná-lo rico te dá um poder inacreditável, um poder que poucas pessoas sequer irão experimentar.
 

4. Ativos

Ativos colocam dinheiro no seu bolso, quer você trabalhe ou não. Se você parar de trabalhar hoje, ou seja, parar de receber seu salário, de onde viria o dinheiro?  Os ricos focam mais em ativos do que em renda, e usam dívidas para adquirir e aumentar esses ativos.

Existem quatro classes básicas de ativos. São elas: 

  1. Negócios
  2. Mercado Imobiliário
  3. Ativos de papel (ações e títulos públicos)
  4. Commodities

A razão pela qual as pessoas têm problemas financeiros ou nunca evoluem é porque elas têm passivos, mas foram levadas a acreditar que eram ativos.

Uma das lições mais importantes que eu aprendi com meu pai rico foi saber a diferença entre um ativo e um passivo.
 

5. Fluxo de Caixa

Fluxo de caixa é um fluxo contínuo de renda que você recebe por um investimento. Você pode receber o dinheiro mensalmente, a cada três meses ou anualmente, depende do investimento. A estratégia por trás de fluxo de caixa é comprar e segurar, “buy and hold”, ao passo que a estratégia por trás dos ganhos de capital é comprar e vender.

Então, vamos dizer que você compra uma ação que te paga dividendos anualmente. O dividendo é o fluxo de caixa. Você empresta dinheiro para uma nova start-up. A cada mês, a empresa paga juros sobre o empréstimo. Esse juro é fluxo de caixa.

Eu comprei minha primeira propriedade, que era uma casa de um quarto e um banheiro em frente a uma linda praia na ilha de Maui. O mercado imobiliário havia quebrado. Os compradores estavam se escondendo. O imóvel estava hipotecado. Era perfeito para um investidor. O preço que paguei foi US$ 18.000 - e eu precisava dar uma entrada de 10%. Eu peguei meu cartão de crédito, paguei os US$ 1.800 de entrada, adquirindo o imóvel com 100% de dívida. Eu ganhei apenas US$ 25 por mês em fluxo de caixa positivo - mas foi um retorno infinito, porque usei 100% de dívidas e nada do meu próprio dinheiro. 

Aprender a ser rico não é muito diferente de aprender um novo idioma. Quando eu fiz meu curso de três dias sobre o mercado imobiliário, eu estava aprendendo a linguagem do mercado imobiliário - palavras como taxa de capitalização, receita operacional líquida e fluxo de caixa descontado. Hoje, eu faço milhões todo ano “falando” a linguagem do mercado imobiliário.

A melhor coisa sobre a linguagem do dinheiro é que as palavras são de graça.

Um abraço, 

Robert Kiyosaki

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia