Vale a pena ver de novo...e revisar

Katia Kazedani Publicado em 19/01/2020
2 min
Assisti várias vezes aos vídeos da série "Como Faço para Investir o Meu Dinheiro?" e preparei um resumo especial para você quer quer investir e ganhar dinheiro com ações

Olá, caro leitor!
Tudo bom?

Durante essa semana, assisti várias vezes aos episódios da nova temporada da série “Como Faço para Investir o Meu Dinheiro?”.

Eu já tinha lido o conteúdo e conversado bastante com a Olivia sobre os temas que ela iria abordar dessa vez.

Mas assistir aos vídeos é ainda melhor...

Tenho a impressão de que estou em sala de aula. Tanto é que sem perceber faço a mesma coisa que fazia quando estava na escola: anoto tudo em uma folha, grifo o que acho importante e até me arrisco a fazer alguns desenhos...para não chamar de rabisco!

E, claro, quanto mais eu vejo a série...

Mais eu consolido a base que tenho de investimentos.

Por isso, juntei todas as minhas anotações e fiz um resumo aqui para você dos principais assuntos de cada um dos vídeos.

Se você não teve tempo de assistir aos vídeos ou ficou com alguma dúvida, espero que meus resumos possam te ajudar.

Vamos lá?

Aqui começa a sua jornada para se tornar um investidor completo. Neste episódio, a Olivia diz o que você deve e não deve fazer para começar a investir. 

- Antes de começar a investir, quite todas as suas dívidas
- Dica importante:  nunca pegue dinheiro emprestado para investir
- Abra a sua conta em uma corretora e comece a mexer na plataforma - chamada de home broker. A Olivia mandou para o e-mail dos participantes um guia com várias opções de corretoras. Se você ainda não se inscreveu para acompanhar a série "Como Faço para Investir o Meu Dinheiro?", clique aqui
- Tenha o hábito de comparar qualquer investimento que você for fazer com a opção de menor risco do mercado, o Tesouro Selic
- Investir em ações ou fundos de ações têm risco. Por isso, é importante saber o conceito de liquidez. Algumas aplicações tem liquidez diária e outras podem demorar até meses para fazer o pagamento. Sendo assim, se o investimento tiver bastante volatilidade, ou seja, muitas oscilações de preço, coloque apenas o dinheiro que você não precisa usar em caso de necessidade. Porque corre-se o risco de você precisar do dinheiro quando a ação estiver caindo. 

 

A reserva de emergência é muito comentada por aí...

Todos sempre dizem que é necessário ter essa reserva antes de começar a investir. Mas como calcular esse valor? 

É o que a Olivia ensina no segundo episódio da série. Ela ainda comenta se o momento é favorável para a Bolsa, investimentos em renda fixa e fundos. 

- Para saber o valor da reserva de emergência, devemos saber os gastos que temos todos os meses e multiplicar por seis. Por exemplo: mensalmente você gasta com alguel, transporte, mercado e restaurantes R$ 5 mil. Sendo assim, você deverá ter na sua reserva de emergência R$ 30 mil. 
- E, como vimos na aula 1, não podemos deixar nunca dinheiro parado na conta corrente e nem na poupança. Por isso, esse dinheiro da reserva de emergência pode ficar em alguma opção com liquidez diária, como Tesouro Selic e Fundo DI com taxa zero. Em alguns casos, CDBs que rendem mais que 100% do CDI. 
- Conta aberta na corretora, reserva de emergência feita...vamos começar a montar a nossa carteira de investimentos. Se você não tem tempo para ler os balanços das empresas, acompanhar o mercado ou ainda não começou a seguir as sugestões dos nossos especialistas, você pode começar com BOVA11 - que é um ETF,  sigla usada para um fundo de índice, e neste caso é  como se você estivesse investindo em um fundo que compra todas as ações do Ibovespa de uma vez só.

 


Para você não ficar na dúvida se é mito ou verdade o que dizem por aí, a Olivia selecionou os cinco principais mitos sobre investimentos.

São eles: 
- É obrigatório ter conhecimento de finanças para investir
- É preciso ter muito dinheiro para começar a investir em ações
- É melhor investir em fundos do que investir em ações ou em títulos de renda fixa
- Apenas grandes gestores ganham dinheiro na Bolsa
- Investir sempre tem risco

Por isso, se ouvir alguém dizendo isso, você já sabe o que responder:

"Você realmente acha isso? Talvez você esteja deixando de investir e ganhar dinheiro por conta desses mitos". 

Espero, caro leitor, que o resumo que fiz das aulas possam te ajudar a investir cada vez melhor. 

E, claro, eu vou rever os vídeos. Sugiro que você faça o mesmo e acompanhe no dia 21 a aula mais importante da série. 

Bons investimentos!

Um abraço, 
Kátia

 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia