O que é IPO?

Katia Kazedani Publicado em 22/12/2019
3 min
A estreia de uma empresa na Bolsa pode ser uma grande oportunidade para os investidores, mas o Felipe me disse que é preciso tomar alguns cuidados antes de entrar nos IPOs

Olá, caro leitor! Tudo bem?

Fiquei muito animada com a expectativa da B3 de que, no próximo ano, o mercado de ofertas de ações pode atingir um volume financeiro recorde.

O que significa que muitas empresas estão confiantes no Brasil e querem captar recursos para expandir suas atividades ou até mesmo pagar dívidas.

E sugiro para você, caro leitor, que fique atento...

Por isso, resolvi fazer esse texto!

Espero que goste!

 

Precisamos conversar sobre IPO (Oferta Pública inicial)

Quando uma empresa decide abrir seu capital na Bolsa, ela está fazendo um IPO (Oferta Pública Inicial).

Isso significa que ao comprar um pedacinho dessa companhia, você se torna um dos acionistas.

 

Como entrar em um IPO

A partir do momento que a empresa faz um IPO, suas ações ficam disponíveis para reserva e depois para negociação pela primeira vez.

Mas muita calma nessa hora. Avalie se realmente você vai querer entrar nesse IPO...

Porque depois que você fizer a reserva da quantidade de ações que quiser, não poderá desistir de comprá-las.

A não ser que o preço delas seja superior à sua oferta.

Durante um café com o Felipe, especialista em ações, aproveitei para tirar várias dúvidas e poder contar aqui para você, caro leitor.

Achei curioso quando ele me disse que “o IPO é o momento em que a empresa tenta empurrar suas ações ao maior preço possível e, sem o benefício na análise em retrospectiva, o investidor tem que ser duas vezes mais cauteloso”.

O Felipe ainda disse que é muito importante entender por que a empresa está vendendo uma fatia de seu negócio e quem está vendendo antes de decidir se quer ou não entrar nesse IPO.

 

Oferta subsequente, o famoso follow-on

Você já leu ou ouviu dizer que uma empresa está fazendo follow-on?

Provavelmente, sim...

Digo isso porque muitas empresas fizeram follow-on neste ano, ou seja, oferta subsequente.

Mas, caro leitor, talvez você esteja se perguntando:

 “O que isso tem a ver com IPO?”.

O follow-on é quando a empresa já tem capital aberto na Bolsa e os sócios decidem colocar parte de suas ações à venda.

Por isso, a depender da quantidade de ações que serão vendidas, o preço da ação pode cair.

Mas isso não é motivo para você se preocupar, se tiver segurança no papel que tem na sua carteira.

Bom, caro leitor, já sabe o que fazer quando ver um IPO ou um follow-on por aí!

Se quiser saber quais IPOs valem a pena, sugiro que acompanhe o Radar dos IPOs da Inversa, dentro da série Seleção Inversa.

Bons investimentos!

Um abraço,
Kátia

 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia