Não foi um debate. Foi uma desgraça.

Ivan Sant'Anna e Marink Martins comentam primeiro debate eleitoral entre o presidente Donald Trump e o candidato Joe Biden, realizado na terça-feira, 29 de setembro.

Olá, leitor(a). 

Como vai? 

Investidores do mundo todo estão de olho na corrida eleitoral norte-americana.

Não é para menos, o próximo presidente dos Estados Unidos derá o tom da política economica americana pós-pandemia,  impactando diretamente seus investimentos. 

Para aprofundar o debate, pedi ao Ivan Sant'Anna, especialista com 60 anos de experiência no mercado, e o Marink Martins, especialista em opções e mercados globais, para comentar o primeiro debate eleitoral entre o atual presidente, Donald Trump, e o candidado democrata, Joe Biden. 

Espero que goste!

 

Não foi um debate. Foi uma desgraça.

Por Ivan Sant'Anna

“The worst debate I’ve ever seen. It was not a debate. It was a disgrace. The American people was the one who lost.”

(Foi o pior debate que jamais assisti. Não foi um debate. Foi uma desgraça. O povo americano foi quem perdeu).

 

A frase acima foi dita por um âncora da CNN, emissora pela qual acompanhei o primeiro debate entre o presidente Donald Trump e o desafiante, ex-vice-presidente Joe Biden.

Antes, num telejornal da GloboNews, um dos correspondentes em Nova York, Jorge Pontual, disse que, como no momento Biden se encontra 8 pontos à frente de Trump nas pesquisas, cabe ao presidente agir para tirar a diferença.

Se Pontual está certo, e acho que está, acho que Trump perdeu a primeira partida da melhor de três, embora tenha sido o principal protagonista da verdadeira briga de rua que aconteceu em Cleveland.

Ao invés de fazer uma analise geral sobre o evento, prefiro neste texto comentar alguns aspectos específicos que percebi durante o barraco. Sim, barraco, muito abaixo do nível que se vê em eleições para prefeito do Rio de Janeiro.

Como Joe Biden é ligeiramente gago, e tímido, ele evitou olhar para Trump, o que lhe valeu se livrar de intimidações, tal como acontecera com Hillary Clinton nas eleições passadas.

Donald Trump, por sua vez, encarou o oponente o tempo todo.

Embora o moderador Chris Wallace seja da Fox News, rede que apoia Trump, ele acabou tendo de admoestar o presidente em diversas ocasiões por não cumprir as regras estabelecidas por ambos os partidos.

Várias vezes Biden debochou de Donald Trump.

 

         “Everybody knows he is a liar” (Todo mundo sabe que ele é um mentiroso).

         “It´s difficult to discuss with this clown” (É difícil discutir com esse palhaço). 

- Donald Trump

 

A resposta veio abaixo da linha da cintura, quando Trump acusou o filho de Joe Biden de ter sido viciado em drogas. Foi a única ocasião em que o desafiante encarou seu oponente.

Em minha opinião, a grande jogada de Biden foi a de não ter atacado os republicanos. Concentrou sua artilharia na pessoa do inimigo ao lado.

Trump, por sua vez, insultou os democratas o tempo todo.

Ou seja, trocando em miúdos, Joe Biden pode ter capturado alguns votos republicanos.

Além da China, o único país citado foi o Brasil. Biden disse que, caso seja eleito, a destruição da floresta tropical trará consequências para nós, embora não tenha mencionado nenhum tipo específico de sanção econômica.

Donald Trump deixou claro que não reconhecerá o resultado das eleições, caso perca, é claro. Nessa hipótese, recorrerá a Suprema Corte.

Duvido que o resultado final das urnas seja alterado pelos juízes. Se isso acontecesse, a mais prestigiada democracia do mundo estaria se transformando em uma República de Bananas.

 

"Será uma eleição contestada"

Por Marink Martins

 

 

E você, leitor, concorda com a opinião de nossos especialistas? 

Envie o seu comentário para o e-mail para warup@inversa.com.br

Nós vamos responder amanhã, às 11h, em uma live especial para comentar os rumos da eleição norte-americana e os possíveis impactos em seus investimentos. 

Basta clicar aqui

Um abraço, 

Valter Outeiro

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia