Como sobreviver e lucrar com eventos de cisne negro

Mark Ford Publicado em 13/03/2020
6 min
Hoje, nosso sócio Mark Ford compartilha com você como determinar se seus ativos provavelmente vão ficar perdidos em um evento adverso, além dos passos que você pode tomar para se proteger.

 

Existem algumas coisas na vida que simplesmente não conseguimos prever. Mas o que podemos tentar fazer é tornarmos “antifrágeis”.

Muitos anos atrás, Nassim Taleb lançou o bestseller chamado “Antifrágil: coisas que se beneficiam com o caos”. Você pode ter lido ele. Se não, eu recomendo. É um destes raros livros que presenteiam o leitor com um banquete de ideias deliciosas – eu mesmo me encontro saboreando cada página.

O argumento de Taleb é que as pessoas subestimam quanta aleatoriedade existe na vida e que os eventos mais importantes são frequentemente imprevisíveis. Entretanto, é possível não só se proteger de tais eventos, como se beneficiar dos mesmos, sendo “antifrágil”.

Se eu não tivesse lido Taleb, tenho certeza de que teria resistido a suas ideias. Eu não gosto da ideia de que você não pode prever eventos importantes. Eu prefiro pensar que, se você possui bastantes dados e poder computacional suficiente, você pode.

Mas Taleb é um pensador ágil e um escritor sedutor. Em “Antifrágil”, ele apresenta a ideia do “cisne negro”. Ele argumenta que existem algumas coisas na vida que nós conseguimos prever e outras que não podemos.

Mas o que podemos fazer é determinar se alguma coisa pode ser destruída por um evento não previsível. Um vaso de vidro, por exemplo, provavelmente será destruído em um terremoto. Um urso cheio de comida possui maior probabilidade de sobreviver.

Nós podemos encontrar maneiras para tornar nossas práticas, planejamentos e bens mais robustos, com maior probabilidade de sobreviver a eventos catastróficos. Uma coisa ainda melhor que podemos fazer – e essa é a mensagem central de “Antifrágil” – é encontrar caminhos para lucrar na ocorrência de um cisne negro.

A tese de Taleb é que, quando se trata da economia (entre outras coisas), nós devemos fazer coisas que nos tornam “antifrágeis” a um desastre econômico. Isso é mais útil do que ficar tentando prever catástrofes.

Eu tenho certeza que você está pensando que “isso é somente senso comum”. Mas, como Taleb mostra no “Antifrágil”, isso é o oposto que o Fed e muitos experts no mercado financeiro fazem.

Alguns profissionais do mercado financeiro, por exemplo, despendem suas carreiras tentando prever como certos eventos políticos e econômicos podem projetar as altas e as baixas do mercado. Outros – analistas técnicos – fazem previsões de mercado baseados em padrões que observaram no passado.

Como um construtor de riqueza, você tem uma escolha. Ou concorda com a ideia de que os mercados podem ter seu tempo medido, e pesquisa os melhores modelos para prevê-lo. Ou aceita a tese de Taleb e se torna um investidor “antifrágil”.

Proteção contra cisnes negros


Eu sabia pouco sobre teoria de risco quando, no começo dos meus trinta anos, eu decidi me tornar rico.

Mas, mesmo assim, eu entendi que as previsões financeiras raramente se tornavam concretas, mesmo quando eram argumentadas de forma convincente.

Então, ao invés de ficar tentando me tornar um expert em economia ou em mercados financeiros, eu fiz um plano prático que eu esperava que poderia me permitir criar riqueza sem previsões. Eu vejo, agora, que meu plano foi focado em me tornar “antifrágil”.

Eu comprei títulos seguros, fundos indexados e imóveis. Eu eventualmente comprei ouro, também, não no sentido de fazer dinheiro (o que aconteceu), mas como uma reserva de riqueza e uma proteção contra a inflação.

Eu colecionei obras de arte pela mesma razão. Eu percebi que o valor das minhas obras de arte poderia subir enquanto outros ativos poderiam cair.

E, o tempo todo, continuei investindo em empresas pequenas que eu entendia e que poderia controlar como um acionista-chave. Isso me deu não somente a chance de ter crescimento com ações, mas também um firme fluxo de renda corrente.

Meu plano, em outras palavras, era mais sobre o que eu sabia que estava acontecendo no momento do que eu pensava que poderia acontecer no futuro.

Eu comprei ouro porque eu estava lendo Bill Bonner. Isso foi no passado, quando o ouro estava sendo negociado na casa de US$ 450 a onça. Sem ouro no meu portfólio, eu me sentia frágil. Então eu comprei moedas de ouro, não para lucrar no caso de alta nas cotações, mas para me proteger.

Da mesma forma, eu me retirei do mercado imobiliário quando os preços estavam ficando muito altos. Todo mundo tinha certeza de que os preços continuariam subindo. Eu não tinha certeza. Mas se eles tivessem quebrado – como alguns analistas estavam prevendo – eu queria estar seguro. Então, eu sai do mercado por volta de 2006.

Comprar ouro me custou dinheiro. Eu via isso como um prêmio de seguro. E um seguro barato. Sair do mercado imobiliário me fez sentir que eu estava abdicando de lucros futuros. Mas eu considerei isso, também, uma espécie de prêmio – para proteger os lucros que eu já tinha conseguido com as propriedades que eu possuía.

Usando os termos de Taleb, comprar ouro e vender imóveis foram movimentos que me tornaram menos frágil.


Proteção contra cisnes negros

  1. Diversifique seus ativos em quatro (ou mais) destas categorias a seguir: dinheiro, títulos, ações, ouro, opções e aluguéis de imóveis.
  2. Invista em ações de qualidade e boas pagadoras de dividendos. Eu definiria esta tese como “antifrágil” por causa da perspectiva de longo prazo, na tática de comprar mais ações em momentos de baixa no mercado e o fato destas ações subirem rapidamente depois de quedas.
  3. Crie um plano de reinvenção e tenha fundos equivalentes a seis meses de renda para se reinventar. Isso deve ser suficiente para cobrir os custos deste reinício.
  4. Desenvolva ativos geradores de dinheiro (opções, ações de boa performance, títulos e aluguéis de imóveis) para que, a tempo, cada um proporcione a você ampla renda anual.
  5. Não renuncie a sua renda ativa. Se você não tem um emprego agora, arrume um – mesmo se o salário for baixo.
  6. Tenha um pouco ou todos seus fundos de reinício escondidos.
  7. Se você não possui uma empresa, comece ou invista em uma. Tenha certeza de que seja uma empresa que você entenda e que possa ter algum controle.
  8. Tenha seguros – mas somente o que você realmente precisa – para proteger sua casa e todas suas propriedades valiosas.
  9. Aprenda sobre a realidade de roubos de identidade, e defenda-se conforme isso.
  10. Tenha mecanismos de privacidade de todas suas atividades na internet.

Espero que se você siga esses passos e se torne “antifrágil”.

Bons investimentos,

Mark. 

Conteúdo traduzido integralmente 

 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia