Como a tensão entre Estados Unidos e Irã pode impactar seus investimentos?

Katia Kazedani Publicado em 03/01/2020
2 min
O mercado já repercute essa situação e o petróleo sobe. Outros setores podem ser impactados? E como ficam as ações da Petrobras? Veja a nossa opinião

Olá, caro leitor!

Tudo bom?

Eu não sei você, mas gosto de dormir tarde.

Por vários motivos: ficar lendo, vendo filmes, ouvindo música...

E, entre uma coisa e outra, dou uma espiada para ver como estão abrindo os mercados lá fora para saber como deve ser o nosso dia aqui no Brasil.

Mas quando acontece algo relevante, a espiada dá lugar à atenção...

Foi o que aconteceu ontem à noite assim que vi a notícia sobre o ataque aéreo dos Estados Unidos que matou Qassem Soleimani, chefe de uma unidade da Guarda Revolucionária do Irã e um dos principais líderes do país...

Sabia que os mercados iriam repercutir isso.

Mesmo porque se tem Oriente Médio na confusão, pode saber que o petróleo vai ser impactado.

E não deu outra! 

O preço do petróleo Brent sobe mais de 4% - sendo cotado a quase US$70...

As Bolsas asiáticas fecharam sem direção, demonstrando cautela à situação...

E as Bolsas brasileira, europeia e norte-americana registram leve queda.

As ações da Petrobras (PETR4) registram leve alta.

E para Marink Martins, nosso especialista em Petrobras e mercados internacionais, “se o petróleo continuar subindo, isso será muito positivo para a empresa”.

A declaração do presidente Jair Bolsonaro é mais um fator que pode beneficiar a empresa. Ele admitiu a preocupação com reflexos da crise internacional sobre a economia do Brasil, mas sinalizou que o governo não pretende intervir em políticas de preços como o tabelamento.   

“Que vai impactar, vai. Agora vamos ver nosso limite aqui, porque já está alto, e se subir mais, complica. Mas não posso tabelar nada. Já fizemos esse tipo de política de tabelamento antes e não deu certo. Vou agora conversar com quem entende do assunto [referindo-se ao presidente da Petrobras, Roberto da Cunha Castello Branco]”, disse.

Ainda conversando sobre essa tensão entre Estados Unidos e Irã, o Marink comentou...

“Os estrategistas estão discutindo isso neste momento. O que é importante é que o investidor saiba que os riscos geopolíticos estão aí, e poderão nos assombrar a qualquer momento”.

Perguntei para o Ivan a opinião dele. E ele acha que "pelo comportamento das Bolsas hoje, que caíram muito menos do que se imaginava, pode-se deduzir que o atentado em Bagdá não vá prejudicar o mercado de ações".

"O petróleo poderá subir um pouco, mas não demais, uma vez que o Ocidente já não depende mais do Oriente Médio para se abastecer de petróleo", disse Ivan que vai escrever uma edição especial amanhã em sua newsletter Os Mercadores da Noite.

Sem dúvidas, vai ser um texto muito importante para entendermos de que maneira esse conflito pode impactar nossos investimentos.

Enquanto isso, vou acompanhar os desdobramentos dessa história. Mesmo porque não sabemos se o Irã irá revidar e como Donald Trump vai conduzir essa situação...

Lembrando que neste ano temos eleições.

Caso haja uma guerra, Donald Trump pode ser beneficiado...

Quando ocorrem conflitos como esse, a nação se une para apoiar seus líderes.

Você lembra o apoio que Bush recebeu após o ataque terrorista às Torres Gêmeas?

Pois é...

E, em caso de guerra, caro leitor-investidor, outros setores serão impactados.

O Oriente Médio é um dos maiores importadores de carne do nosso país.

Bons investimentos!

Um abraço,

Kátia

 

RECEBA AS OPINIÕES DO IVAN NO SEU E-MAIL

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia