Ano novo, taxa zero na B3

Katia Kazedani Publicado em 02/01/2020
2 min
A Bolsa decidiu mudar sua política de tarifas e zerou a taxa de manutenção de conta para o pequeno investidor

Olá, caro leitor!
Tudo bom?

Bem-vindos ao novo ano que se inicia.

E não poderia começar de maneira melhor o meu primeiro texto do ano!

Acho que já comentei aqui com você, caro leitor, que estou muito empolgada com o mercado.

Motivos tenho de sobra: taxa Selic na mínima da história, reforma da previdência aprovada, reforma tributária engatilhada, desemprego – mesmo que discretamente – em queda, nossos especialistas em ações prevendo mais recordes para a Bolsa...

Somando-se a isso, a B3 anunciou que vai zerar a taxa mensal – que hoje chega a cerca de R$ 110 ao ano – para o pequeno investidor de varejo e reduzir em cerca de 10% a tarifa cobrada na negociação de ações para as pessoas físicas em geral.

De acordo com o comunicado da B3, as medidas devem ser implementadas ao longo do ano e representarão uma economia de aproximadamente R$ 250 milhões nas tarifas pagas pelos clientes no ano.  

Assim que vi essa decisão da B3, já fui conversar com o Luiz Cesta.

Ele disse que “o anúncio de uma redução de tarifas cobradas pela B3 é claramente uma decisão baseada em um eventual aumento da concorrência no mercado brasileiro.”

Assunto que comentei com você aqui neste texto.

E se havia a possibilidade de queda nas margens e receita da B3, a situação pode se inverter com a redução de tarifas.

Não à toa, os papéis da B3 (B3SA3) sobem mais de 5% - sendo uma das maiores altas do dia.

Já que estava ali conversando com o Cesta, aproveitei para perguntar o que ele espera para o mercado.

“Eu me mantenho otimista com a B3 em 2020, pois o desenvolvimento do mercado de capitais se manterá pujante e estimulador em conjunto com o desenvolvimento de novos serviços”, disse.

Concordo! E você?

Por isso,  espero que cada vez mais medidas para incentivar os brasileiros a entrar no mercado de ações sejam tomadas.  

Bons investimentos!

Um abraço,
Kátia

 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia