Mercadores da Noite #239: Weather Market

Ivan Sant'Anna Publicado em 28/08/2021
5 min
Uma coisa é certa: teremos um Weather Market no Brasil neste segundo semestre de 2021.

Caro(a) leitor(a),

Weather Market (mercado meteorológico, numa tradução livre) é quando as cotações de algumas commodities são influenciadas por chuvas, ausência de chuvas, calor ou frio em excesso. Enfim, quando o tempo foge do padrão normal.

Nos Estados Unidos, as commodities mais afetadas pela meteorologia são os grãos e o petróleo.

Em 1988, por exemplo, ganhei uma nota preta apostando na alta da soja comprando contratos futuros na CboT – Chicago Board of Trade.

Eis como narro um bull market no Meio-Oeste americano na página 56 de meu livro Os mercadores da noite, edição da Inversa:

No quadrilátero entre os Grandes Lagos, ao norte, os montes Apalaches, a leste, os campos de Oklahoma, ao sul, e as montanhas Rochosas, a oeste, foram registrados os menores índices pluviométricos desde que os índices começaram a ser medidos.

Nos normalmente férteis campos de Iowa, Illinois, Indiana e Missouri, as plantações simplesmente não se desenvolviam. Os fazendeiros olhavam desolados para as vagens secas e esturricadas, procurando ao longe, no horizonte, alguma nuvem anunciando a chuva. Mas esta não chegava. Devido à primavera chuvosa, as raízes das plantas haviam se aprofundado pouco no solo. Não conseguiam, agora, absorver o pouco de umidade existente embaixo da terra.

Se não havia chuva, pior era o calor. Temperaturas só atingidas no Dust Bowl em 1934 eram registradas todos os dias. As nuvens de pó escondiam a paisagem desolada. A água foi racionada em Minneapolis, Saint Paul, Omaha, Kansas City e Saint Louis. As pessoas ficavam em casa, deitadas junto ao ventilador, sem ânimo para o trabalho. Em Chicago, à noite, a população levava suas cadeiras para as ruas, tentando refrescar-se com a brisa vinda do lago Michigan.”

Outro mercado que é muito influenciado pelo clima é o de óleo de aquecimento (heating oil), negociado na Nymex, em Nova York.

Mais importante do que o frio ser intenso, é ele começar cedo, por volta do final de setembro ou início de outubro. Uma vez que as pessoas ligam o aquecimento de suas casas e apartamentos, a tendência é que o sistema permaneça ligado até o final do inverno, mesmo que a primeira onda de frio seja seguida de um período de temperatura amena.

É como faço com os aparelhos de ar-condicionado daqui de casa, no Rio. Hoje é 28 de agosto, portanto ainda inverno, e eles já estão ligados, simplesmente porque o calor chegou cedo este ano.

Atualmente, jornais e telejornais brasileiros comentam todo dia a possibilidade de que falte energia e água no país. Em ambos os casos, isso causará recessão e afetará o mercado.

Chuvas, estiagem, as duas coisas afetam sobremaneira a economia, tal como acontece na Índia, Paquistão e Bangladesh.  Nesses três países, que formam o subcontinente asiático, a intensidade e a duração das monções (períodos de chuva) fazem a diferença entre abundância e escassez.

Se chove bastante, mesmo com inundações nos rios Ganges, Hindus e Padma, as águas trazem prosperidade. Monções pouco volumosas ou de pequena duração provocam recessão.

Curiosamente, as monções na Índia afetam até os mercados de ouro e prata, pois os indianos têm um hábito milenar de poupar comprando metais preciosos ou até mesmo joias.

No Centro-Oeste brasileiro, as pessoas costumam dizer que, se as chuvas não chegam até o Dia de Finados, isso é sinal inequívoco de que a seca se consumou.

Já em algumas partes do Nordeste, onde o padrão climático é diferente do resto do país, a crença é de que se não chove até o dia de São José (19 de março), o ano será de seca.

Aliás, o próprio conceito de verão e inverno é diferente no Norte e Nordeste do país. Nessas regiões, verão é o período em que não chove; inverno, época das águas.

Mais do que em qualquer outra época recente, as chuvas precisam ser abundantes este ano. Mais do que isso, é necessário que cheguem logo para encher as represas.

Caso contrário, a economia desandará trazendo em seu bojo mais inflação e prejudicando severamente as atividades agrícolas e pecuárias. Nesse caso, inevitavelmente, haverá um bear market na B3.

Uma coisa é certa: teremos um Weather Market no Brasil neste segundo semestre de 2021.

Um forte abraço e um ótimo fim de semana para todos.

Ivan Sant´Anna

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia