Mercadores da Noite #75 - O Intrigante Universo das Commodities

20 de agosto de 2018
Cambalachos, superstições e e especuletas

Mercadores da Noite

Importante: Atento aos últimos acontecimentos, o Ivan preparou uma crônica especial aos assinantes da série Trading Journal nesta segunda-feira, complementar aos comentários das próximas linhas e contendo uma atualização importante sobre a indicação de dólar como investimento. Para acessar o conteúdo sem compromisso e, de quebra, ter acesso à carteira de ativos selecionada pelo inovador Sistema Águia 3.0, acesse este link.


Caro leitor,    

Outro dia, relendo um dos meus Relatórios FNJ,que escrevia no final da década de 1980 e início dos anos 1990, me deparei com um artigo, desses de minha autoria, bem ilustrativo de como funciona o mercado de commodities, que não raro se pauta por fundamentos (para não dizer cambalachos) dos mais estranhos.    

Como esses acontecimentos afetam os mercados, eles têm de ser levados em conta pelos especuladores. Para os analistas técnicos, não fazem muita diferença, pois os gráficos embutem tudo, inclusive as superstições e ladroagens.    

O texto abaixo foi escrito por mim em 29 de julho de 1988. Atualizei apenas a ortografia para a atual.   

“Um grupo de especuladores internacionais que vive sonhando com uma ‘puxada’ na prata (semelhante à de 1980, quando levaram a onça troy a US$ 50,00) está sempre procurando uma razão para a alta do metal. A mais curiosa delas é uma simpatia da prata pela soja.  

O contrato de prata na COMEX em Nova York é de 5.000 onças. O de soja, na CBoT em Chicago, é de 5.000 bushels (medida de volume equivalente a 35,2 litros). Os preços também são semelhantes. Hoje, por exemplo, na COMEX, a prata fechou a US$ 6,855 a onça enquanto a soja foi cotada a US$ 7,875 por bushel na CBoT.

Se tanto a prata como a soja subissem, por exemplo, de US$ 7,00 para US$ 10,00, o lucro por contrato seria o mesmo, ou seja, de 15 mil dólares. 

Vale salientar que esse tipo de comportamento não é exclusivo das commodities. Acontece também nas bolsas de valores, inclusive a brasileira. Digamos que tanto a Cia. Vale do Rio Doce quanto a Petrobras estejam cotadas a CZ$ (cruzados) 600,00. Aí a Petrobras descobre uma nova e riquíssima bacia petrolífera. O preço de suas ações sobe 50%, para CZ$ 900,00.

Resultado: os traders saem comprando Vale porque ficou barata em relação à Petrobras. É exatamente o que ocorre, de tempos em tempos, com relação à soja e à prata.


Faltam menos de dois meses para a eleição mais decisiva da história. E as últimas pesquisas atestam: seu patrimônio pode estar correndo sério risco neste momento. A boa notícia é que o Pedro sugere um ativo específico para multiplicar seu dinheiro na mais dura das tempestades. Acesse aqui para conhecê-lo a tempo.


No primeiro semestre de 1987, só porque a soja subiu de US$ 4,84 o bushel para US$ 6,20, os especuladores ‘puxaram’ a prata de US$ 5,50 para US$ 11,20 a onça, uma alta de 103% que durou apenas alguns dias, com o metal despencando para US$ 7,20.

Em consequência dessas jogadas artificiais, cada vez menos o mercado está acreditando na manipulação da prata.

O primeiro argumento dessa última ‘puxada’ foi que a seca no Meio-Oeste americano levaria a soja para um nível superior a US$ 10,00 e que a prata teria de ir junto.  

Veio a chuva, a soja sofreu um colapso e como os traders de prata precisavam liquidar, nos highs, suas posições compradas, a alegação passou a ser a de que a prata estava barata em relação ao ouro, à platina, ao cobre, ao alumínio e a outros metais. 

Finalmente veio a ‘puxada’ final. Anunciou-se que o presidente Alan García, do Peru, deixaria de cumprir contratos de entregas de prata por motivos de força maior (force majeure), previstos no comércio internacional.

Isso foi avisado para diversas brokerage houses no dia 21.07.88, como uma inside information. Nessa data, a prata abriu a US$ 7,80.Mais ou menos ao meio-dia, hora de Nova York, anunciou-se ‘sigilosamente’ que o Peru iria suspender suas exportações de prata.  

O mercado subiu para US$ 8,16, ficou lá em cima não mais do que alguns segundos e caiu para US$ 7,70, fechando a US$ 6,855, uma substancial perda de 15,99% para quem comprou no high do dia 21.  

O mais interessante é que no dia 27.07.88 o Peru realmente declarou force majeure para não cumprir contratos de entrega estabelecidos em contratos. Só que aí os especuladores já tinham pulado fora do mercado.  

A prata é muito frágil porque o Peru e o México são responsáveis por 40% da produção mundial. Tal como o Brasil e outros países do Terceiro Mundo, eles precisam desesperadamente de divisas. Além disso, o custo médio de produção desses dois países é de US$ 4,00 por onça de prata. 

É bem possível que o próprio presidente Alan García tenha participado de toda essa jogada especulativa.”  

Complementando meu texto de 1988, gostaria de acrescentar um comentário...   

O mercado internacional de petróleo é um dos mais afetados por boatos plantados, inside tradings, puxadas, derrubadas, manipulações, etc., etc.

Quando um dos integrantes da OPEP – e mesmo outros produtores de óleo cru e gás não membros da organização, como a Rússia – decide trapacear em suas cotas, produzindo além do combinado, ele se antecipa à “esperteza”, abrindo posições short nos mercados de petróleo WTI, negociado na Nymex, e Brent, em Londres.

Foi o que aconteceu no final de julho de 1990, quando iraquianos ligados a Saddam Hussein compraram petróleo futuro na Nymex e na City londrina, antes de invadirem o Kuwait. Esse fato está narrado nas páginas 314 e 315 de meu livro Os Mercadores da Noite, edição da Inversa.  

Naquela ocasião, o preço do petróleo subiu de 18 dólares o barril para 46 dólares nos momentos que precederam o primeiro dia da Guerra do Golfo.

Segundo se supõe, Saddam Hussein, apesar de ter perdido no campo de batalha, se deu bem nos floors de Nova York e Londres.

A dinheirama não lhe valeu de nada em 30 de dezembro de 2006, quando foi enforcado por crimes muito maiores do que suas especuletas no mercado.   

Você gostou desta newsletter? Então me escreva contando a sua opinião no isantanna@inversapub.com.     

Um abraço,

Ivan Sant'Anna    

P.S.: No passado, uma febre de investimentos atingiu os Estados Unidos... E tornou cidadãos comuns milionários com apenas uma tacada. Você também pode abocanhar milhões na próxima febre do mercado. Estou falando do investimento em um tipo de ativo muito mais seguro que bitcoin. E 100% legal, diferente de empresas de maconha. Para garantir seu lugar a tempo na dianteira desse movimento único, acesse AQUI.

Conheça o responsável por esta edição:

Ivan Sant'Anna

Trader e Escritor

Uma das maiores referências do mercado financeiro brasileiro, tendo participado de seu desenvolvimento desde 1958. Atuou como trader no mercado financeiro por 37 anos antes de se tornar autor de livros best-sellers como “Os Mercadores da Noite” e “1929 - Quebra da Bolsa de Nova York”. Nas newsletters “Os Mercadores da Noite” e “Warm Up Inversa”, Ivan dá sugestões investimentos, conta histórias fascinantes e segredos de como realmente funciona o mercado.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240