Mercadores da Noite #206 - A Batalha de Washington

Ivan Sant'Anna Publicado em 09/01/2021
4 min
Ninguém esperava que manifestantes trumpistas invadissem o Capitólio e provocassem enorme destruição. Fato é, todavia, que tal acontecimento não sensibiliza nem um pouco o mercado de ações. Os mercadores sabem que Joe Biden irá tomar posse no dia 20 de janeiro e exercerá um mandato sem os sobressaltos da era Trump.

Caro(a) leitor(a),

Antes de mais nada, acho prudente avisar que este texto está sendo escrito no início da noite de quinta-feira, 7 de janeiro.

Até o momento em que ele for disparado para os leitores, neste sábado, 9 de janeiro, muitas coisas poderão ter acontecido nos Estados Unidos, inclusive o impeachment do presidente Donald Trump, com base na 25ª emenda à Constituição Americana, por incapacidade de governar.

Na última quarta-feira, 6 de janeiro, que, nos Estados Unidos, substituirá 7 de dezembro (data do ataque japonês a Pearl Harbor, em 1941) como Dia da Infâmia (expressão criada pelo presidente Franklin Delano Roosevelt), o índice Industrial Dow Jones da Bolsa de Valores de Nova York subiu 0,6%, ou 167,71 pontos.

Ou seja, traders, gestores e especuladores os mais diversos não deram a menor pelota para o que acontecia no Capitólio. Havia uma certeza generalizada de que o incidente acabaria sendo contido, embora com muita lerdeza e negligência policial, como foi o caso.

A tática inicial dos republicanos era clara. Em cada Estado no qual Joe Biden venceu Donald Trump com margem estreita, eles exigiriam, nas duas Casas (Câmara e Senado) separadamente, uma apreciação do resultado das urnas.

Isso está previsto na legislação e na prática eleitoral americana, das mais complicadas e anacrônicas do mundo. 

Pois bem, como o processo flui por ordem alfabética, vieram primeiro Alabama e Alasca, com vitórias republicanas. Nenhum dos senadores contestou.
    
Quando chegou a vez do Arizona, onde Biden venceu Trump por apenas 0,30% de diferença (49,36% a 49,06%, ou 1.672.143 a 1.661.686), alguns senadores exigiram uma auditoria no resultado.

Tal como determina o regimento das Casas do Congresso, senadores e representantes se deslocam para seus respectivos plenários, onde têm duas horas para chegar a uma conclusão sobre a legitimidade da contagem.

A atitude de contestação provavelmente prosseguiria quando apreciassem a Georgia (49,47% a 49,24%), a Pensilvânia (50,01% a 48,84%) e Wisconsin (49,45% a 48,82%), todos esses Estados com resultados extremamente apertados.

Seriam pelo menos oito horas de deliberações em separado, fora o tempo das discussões no plenário conjunto.

Nada disso alteraria o desenlace das eleições. Isso porque diversos senadores republicanos não estavam dispostos a participar da artimanha puramente protelatória. 

Se houvesse a menor possibilidade de a votação ser revertida, as bolsas de valores americanas teriam trabalhado o dia todo com enorme volatilidade.

O que acho que ninguém esperava é que os manifestantes trumpistas invadissem o Capitólio e provocassem enorme destruição nos corredores, gabinetes e plenários das Casas, deixando inclusive um saldo de quatro mortos (até o momento, pois ainda há gente gravemente ferida).

Essas coisas impressionam muito as pessoas que assistem aos telejornais, mas não sensibilizam nem um pouco o mercado de ações. 

Os mercadores têm pleno conhecimento de que Joe Biden irá tomar posse no dia 20 de janeiro e que exercerá um mandato normal, sem os sobressaltos da era Trump.

E é isso que lhes interessa.

Em 1º de março de 1954, durante a administração Harry Truman, 4 militantes da independência de Porto Rico subiram até as galerias da Câmara dos Representantes e dispararam contra os deputados lá embaixo, no plenário.

Cinco parlamentares foram atingidos, ficando um gravemente ferido.

Os atiradores foram condenados à prisão perpétua, mais tarde indultados pelo presidente Jimmy Carter, que os enviou para Porto Rico sob a condição de jamais voltarem ao território continental americano.

Nessa ocasião do tiroteio, a Bolsa de Valores de Nova York nem se mexeu.

Por outro lado, se, após tomar posse, o presidente Joe Biden anunciar – e isso é só um exercício de adivinhação – um imposto sobre grandes fortunas (Bernie Sanders vai gostar), as Bolsas levam um tombaço.

Na outra face da moeda, se Biden lançar um pacote de auxílio às empresas e aos desempregados, o mercado americano de ações vai fazer novas máximas de todos os tempos.

Bolsas de valores só se interessam por fundamentos que as afetam, o que não foi o caso da gravíssima baderna da última quarta-feira.

A grande baixa do evento certamente foi Donald Trump, cuja carreira política simplesmente acabou.

Se ele deixou indignados, com algumas exceções, os políticos de seu próprio partido, vai disputar o quê? 

Trump provavelmente vai terminar seus dias na cadeia, tantos foram os crimes que cometeu, e provavelmente falido, já que boa parte de seus negócios  no ramo hoteleiro e em campos de golfe perdeu muito durante a pandemia.

Acontece que Wall Street está pouco se lixando para isso. Não se comoveu nem mesmo com o assassinato de John Kennedy. Por que irá se importar com um paspalho que ensandeceu a Casa Branca durante quatro anos?

Um forte abraço e um ótimo fim de semana.

Ivan Sant’Anna

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia