Mercadores da Noite #199 - Cartilha do investidor

Ivan Sant'Anna Publicado em 21/11/2020
6 min
Trago para você lições aprendidas durante os mais de 60 anos de experiência dentro do mercado financeiro

Conteúdo também disponível em vídeo e áudio. Clique abaixo para acessar a plataforma:

Youtube Spotify Apple Google Deezer

Caro(a) leitor(a),

Existem algumas regrinhas de mercado que, se obedecidas, tornam praticamente impossível a um investidor, seja ele um home trader ou um gestor profissional, perder dinheiro.

Paradoxalmente, esses mandamentos são tão óbvios quanto difíceis de serem cumpridos. Vamos a eles:

Preço de custo – Se você comprou Petrobras a 22 reais, esse número não tem a menor importância para o mercado. Em determinado momento, a 22 alguns venderam e outros compraram e um destes foi você. No entanto o tipo mais comum de diálogo que ouvi em meus 37 anos de trader foi algo como:

“Estou comprado em Petrobras”, diz alguém.

“Pagou quanto?”, pergunta um interlocutor.

“Vinte e dois.”

“Caramba, o mercado está a 30. Você não vai vender?”

“Meu preço de venda é 33. Já até deixei a ordem GTC (good till cancelled – válida até ser cancelada). Aí ganho 50 por cento.”

E daí que o cara vai ganhar 50%? E se a Petrobras continuar subindo por meses, e quem sabe até por anos, a fio? Nessa hipótese valeu a pena ganhar 50%? Não poderia ser 100%, 200%, 300%...?

O preço de compra é aquele no qual um ativo, seja ele ações, ouro ou dólar, está barato. O de venda deve ser aquele no qual está caro.

Acontece que pouquíssimas vezes na vida vi um trader se esquecer de seu preço de compra, agir como se estivesse comprado na cotação daquele momento. Se a Vale do Rio Doce está a 48 reais, seu preço é 48 reais, mesmo que você tenha adquirido o papel a 19 ou a 53. Quarenta e oito reais é o número a ser avaliado.

Qual é o P/L a 48 reais? A 48 reais, como está o EBITDA (Earning before interest, taxes, depreciation and amortization – Ganhos antes dos juros, impostos, depreciação e amortização)? E assim por diante.

Quarenta e oito reais é o preço mais importante do mundo porque é a cotação daquele momento.

Stops – Posso dizer com total convicção que se um investidor não fizer stops será um perdedor eterno. Mais do que isso, o mercado o alijará do meio. A não ser, é claro, que o aplicador seja um bilionário e esteja nas bolsas aplicando uns trocados por mera diversão.

Os stops não precisam ser passados para a corretora. Basta que esteja na mente do investidor e ele o obedeça.

Certa ocasião, e isso aconteceu no final dos anos 1980 ou no início dos 1990, comprei uma grande quantidade de contratos de soja na CBoT (hoje CME) em Chicago. Já não me recordo do preço, mas digamos que a compra tenha sido feita a 5,62 dólares e três oitavos (os sufixos das cotações da soja são em oitavos: dois, quatro, seis e oito oitavos). Se na tela está 5,626, isso significa cinco dólares, sessenta e dois centavos e setenta e cinco centésimos (seis oitavos) de centavo.

Pois bem, foi só eu comprar e a soja entrou em um ciclo de baixa. Como não pus stop, e resolvi ser mão firme, pagava ajustes todos os dias. Então, embora já tivesse 32 anos de profissão, defini como objetivo meu preço de compra. Coisa mais amadora, impossível.

Depois de alguns meses, o mercado voltou ao meu famigerado preço de compra. Liquidei tudo no zero a zero.

Brilhante!

Não, burrice!

A partir do momento em que zerei minha posição, a soja continuou subindo. Com novos fundamentos, o preço ficara barato.

Ou seja, numa única operação fiz duas bobagens. Comprei sem stops e vendi tendo como objetivo o famigerado “preço de custo”.

Marcar por pressão – Se comprou determinado ativo, ele subiu e, para preservar seu lucro, optou por um stop muito curto e sempre em elevação, vai acabar sendo “stopado”. Pois nenhum mercado sobe linearmente. Sempre faz uma correção, que os traders chamam de “saudável realização de lucros”, e numa delas você cairá fora.

Que o stop inicial seja apertado, tudo bem. Isso garante que não perderá muito dinheiro. Mas, se os preços se agigantaram, o stop tem de ser calculado de modo que você só venda quando tiver certeza de que o mercado virou.

Não se apaixone por sua posição − Poucas coisas são tão nocivas para um trader como deixar de ser investidor para se transformar em torcedor. Se o cara comprou ações de determinada empresa, Vale do Rio Doce, por exemplo, passa a torcer pela alta do minério de ferro, o que é mais do que natural, mas faz isso mesmo que a China anuncie que está diminuindo suas importações.

Não seja afobado – Você conhece aquele aviso das passagens de nível (que para quem não sabe é quando uma rodovia cruza uma ferrovia): Pare! Olhe! Escute!

Pois bem, saiu uma notícia importante. Discursando à noite numa universidade, o chairman do FED insinuou que há indícios de retorno de inflação.

Claro que, com uma notícia dessa, o S&P 500 vai cair, assim como os Treasury Bonds. O dólar vai subir pois o FOMC (Federal Open Market Committee – equivalente ao nosso COPOM) vai endurecer a política monetária.

Na manhã seguinte, não saia shorteando o S&P e os Bonds logo na abertura. Pare! Olhe! Escute! Veja o comportamento do mercado na primeira meia hora. Quem sabe o aperto do FED já era esperado e você vai fazer sua venda nos lows? E se a Bolsa e os Treasuries subirem, compre.

Não se esqueça de que mercado que responde bem a uma notícia ruim é mercado forte. E ele é soberano.

Tenho um amigo que é gestor de uma grande carteira de ações e títulos de renda fixa. Por questão de método, ele só começa a operar após uns 30 minutos de observação. E tem alcançado ótimos resultados com sua política.

Não seja displicente – Isso é comum quando um trader dá uma grande tacada. Ele passa a achar que tudo que faz dá certo. E afrouxa a vigilância. Se esquece que o mercado correu para o seu lado porque apostou na direção certa e não que o mercado foi naquela direção por sua causa.

A não ser que opere alguns bilhões de dólares, você não faz o mercado. Este é resultado da luta entre touros e ursos, otimistas e pessimistas. Sempre vence a corrente que tiver o maior cacife. Nesse jogo não acontecem “zebras”.

É bom salientar que os dogmas acima não são nenhuma novidade. Quase todos os traders os conhecem. O difícil é obedecê-los.

Disciplina, esse é o nome da cartilha.

Ivan Sant’Anna

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia