Mercadores da Noite #163 - Geada negra

Ivan Sant'Anna Publicado em 06/03/2020
1 min
Posso ter feito muitas loucuras em minha vida de trader, mas a loucura final, uma loucura sensata, perdão pelo paradoxo, que valeu pelos 37 anos de trabalho.

Caro leitor,
  
Na carreira de um trader, principalmente alguém que operou no mercado ao longo de 37 anos (no meu caso, entre 1958 e 1995), sempre há grandes porradas e grandes perdas. 
  
Ou grandes mentiras. Sim, mentiras, porque alguém que só perde não sobrevive na selva (desculpem-me o clichê) das bolsas e trading desks. Por outro lado, ninguém ganha sempre.
  
Para mim, uma tacada teve sabor especial. Não tanto pelo lucro em valores absolutos (ganhei US$ 180 mil no trade), mas pelo valor relativo e pela precisão cirúrgica.
    
A operação foi tão bem calibrada que nem cheguei a depositar margem de garantia na CSCE (Coffee, Sugar and Cocoa Exchange, de Nova York). Ou seja, o percentual de ganho foi infinito. Isso porque o ajuste positivo do dia em que entrei na posição comprada superou em valores a margem que teria de depositar.

Na madrugada de domingo 10 de julho de 1994, as principais regiões cafeeiras do Brasil, do Sul de Minas para baixo, foram atingidas por uma geada tão forte (conhecida como “geada negra”) que não só queimou os frutos como destruiu os pés de café. 
   
Ou seja, acabou, nas áreas afetadas, não apenas com a safra daquele ano como a dos anos seguintes.
   
Em Nova York, na sexta-feira 8 de julho, a libra-peso de café futuro para dezembro havia fechado a US$ 1,32. Na segunda, abriu a US$ 1,87, uma alta de 42%, deixando um breakaway gap gigantesco. 
   
O lucro tende a ser colossal em posições alavancadas – e o mercado de café na CSCE é alavancadíssimo: cada centavo de dólar equivale a US$ 3,75.
  
Felizmente, eu não estava short. Mas, tragicamente, também não estava long. 
   

Voltando à abertura, o mercado parou por alguns instantes em US$ 1,87, quase sem negócios. Ninguém teve coragem de “shortear”, mesmo naqueles níveis. E poucos comprados quiseram realizar lucro. 
   
Percebendo isso, comprei com sofreguidão para mim e para meus clientes. Foi comprar e correr para os abraços.
   
Praticamente sem nenhuma correção, nos dias e semanas que se seguiram, o mercado subiu até US$ 2,44. Nesse nível, começou a fraquejar e realizei o lucro de minha posição, ganhando, tal como disse no início deste texto, US$ 180 mil sem ter posto absolutamente nada, a não ser os esfíncteres na reta. Alguns dos meus clientes, com posições maiores, ganharam muito mais. Foi uma festa. 
   
Menos de um ano depois, mais precisamente no dia 30 de abril de 1995, larguei o mercado para ser escritor.
  
Posso ter feito muitas loucuras em minha vida de trader, mas a loucura final, uma loucura sensata, perdão pelo paradoxo, que valeu pelos 37 anos de trabalho.

Um abraço.

Ivan Sant'Anna

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia