Investigador Financeiro #75 - Brasil, o fim do paraíso dos rentistas?

Andre Zara Publicado em 11/09/2019
4 min
A mamata dos juros altos acabou e agora investidor precisa ousar mais para obter um retorno que lhe permita viver dos investimentos

Nota do editor: Antes da newsletter, uma rápida pergunta: você investiria em Petrobras ou Correios? A resposta pode abrir uma das maiores oportunidades de ganhos da década para investidores atentos. A última vez que tivemos uma onda de privatizações, ainda com o ex-presidente FHC, algumas porradas, não raramente milionárias, foram vistas na Bolsa. Entenda todos os detalhes aqui.

 

Oi.

O ministro Paulo Guedes disse recentemente: “Brasil deixará de ser paraíso dos rentistas e inferno para empreendedores”.

Bom, eu não sei se deixará de ser o inferno dos empresários, mas realmente está mais difícil ganhar dinheiro com a renda fixa, graças à queda da taxa básica de juros, a Selic.

E com as previsões de que a Selic vai cair ainda mais - o Bradesco, por exemplo, acha que a taxa básica de juros sairá dos atuais 6% e chegará a 4% até o fim do ano –, estamos vendo um jogo cada vez mais difícil para o investidor conservador.

Se o Bradesco estiver certo, e com a previsão do IPCA (índice que mede a inflação) a 3,5% ao ano, isso quer dizer ganhos reais bem apertados: apenas 0,5% ao ano!

Sim, muita gente não se liga nisso, mas o que importa são os ganhos reais frente à inflação. Afinal, o que importa ganhar 1% ao mês se a inflação for de 2%? Isso quer dizer rendimento negativo, como expliquei em uma de minhas newsletters, em que mostro essa relação do IPCA com a Poupança

Você já investia em 2015? Se sim, deve se lembrar que a Selic estava em 14% e era fácil ganhar mais de 1% ao mês, comprando o título do Tesouro Direto mais seguro, o Tesouro Selic. É claro que a inflação estava alta, na casa dos 10%, mas ainda sim dava para tirar uns 4% ao ano, sem trabalho.

A mamata acabou! Mas o que isso significa para você e aos seus investimentos? E como ter melhores retornos? Leia abaixo.

“Gostaria de saber se seria possível, diversificando a carteira, atingir um resultado de 2 a 3 por cento mensal, ou é muito difícil?”- Santos

Muito obrigado pela pergunta, Santos. Ela vai nos ajudar a entender como funcionam os retornos mensais e a diversificação nos investimentos.

Antes da resposta, vamos ver como andam os rendimentos mensais de algumas das aplicações mais conhecidas do mercado e a inflação, pegando como exemplo o mês de agosto.

Poupança: + 0,34%
Tesouro Selic: + 0,48%
Tesouro IPCA 2024: - 0,97%
Ibovespa: - 0,67%
Dólar: + 8,9% 
IPCA (inflação): + 0,11%

Como você pode ver, conseguir ganhos de 2 a 3% ao mês é complicado (pelo menos considerando o mês de agosto).

E isso fica ainda mais complicado com a diversificação. Quando você espalha seu dinheiro, para não deixar todos os ovos na mesma cesta, seus rendimentos tendem a se equilibrar...

Para te mostrar exatamente isso, vamos imaginar uma carteira composta por Tesouro Selic (60%), o ETF Bova11 (34%) e Dólar (6%). Não estou aqui recomendando essa alocação para você, mas só para você ter uma ideia de como se comportaria uma composição conservadora e simplificada de renda fixa, variável e dólar neste ano.

 

O resultado seria um rendimento de 7,74% em 9 meses. Uma excelente performance, com certeza, pois ficou acima da Selic! Mas não chega a 2% ao mês, como o Santos pergunta...

Como deu para perceber: para ganhar mais, você tem que arriscar mais na hora de diversificar. Para ter ganhos de 2 a 3% ao mês vai ter que ter no seu portfólio mais ações (inclusive Small Caps)criptomoedasfundos de investimento agressivos, etc.

Exatamente por esse cenário mais difícil para ter retornos, você precisa contar com os especialistas das Inversa. Para poder ter ganhos mensais acima do mercado.

Nós temos séries para todos os perfis e podemos ajudar você a não correr riscos desnecessários. Se tem dúvidas sobre os conteúdos certos para você, ligue para nós no telefone 4003-3178 (das 9h às 18h, de segunda a sexta-feira) e deixe a nossa equipe de atendimento te ajudar.

Se você tem uma dúvida sobre investimentos, mande para mim neste link. Espero responder em breve.

Um abraço,

André Zara

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia