Investigador Financeiro #72 - Tesouro Direto: hora de vender NTN-B e embolsar lucros?

Andre Zara Publicado em 24/08/2019
4 min
O que deve ser levado em consideração antes de vender um título que está rendendo muito por causa dos cortes na taxa Selic

Oi.

No domingo, a nossa publisher, Olivia Alonso, escreveu a sua newsletter falando sobre uma questão que está na mente de muitos investidores: Vender ou não vender a sua NTN-B?

E ela me encarregou de destrinchar melhor esse assunto tão importante para você...

Afinal, você já deve ter ouvido falar de marcação a mercado, que permite a títulos públicos dar retornos de renda variável na renda fixa. É por isso que eu gosto tanto do Tesouro Direto: você pode ser conservador e, se quiser, operar de maneira mais agressiva. Sim, estou falando de porradas de 40, 50 a e até 60% investindo em Tesouro Direto.

A explicação sobre isso você encontra no site do Tesouro:

“Entre a data de compra e a de vencimento, o preço do título flutua em função das condições do mercado e das expectativas quanto ao comportamento das taxas de juros.

Uma redução nas taxas de juros de mercado em relação à taxa de compra do título provoca aumento no preço do título. Já um aumento nas taxas de juros proporciona o efeito contrário”.

Ou seja, se você ficar com o título até o vencimento receberá o que foi combinado no começo. Quando vende antes pode ter lucros ou até perdas.

Como já tivemos uma queda na Selic, e outras ainda são esperadas pelo mercado, todo mundo que comprou títulos no passado quer saber se é para vender agora, e embolsar os lucros, ou esperar mais um pouco.

Por isso, deixa eu te mostrar como funciona, para você saber o que pode fazer neste momento.

“Tenho 2 ativos em Renda Fixa: NTNB 35 E NTNB35+Juros semestrais, sendo o 1° com data de 15/08 e o 2° de 22/04/2019. Com as últimas quedas de juros, seria melhor eu vender esses ativos?” - Regina

Muito obrigado pela sua pergunta, Regina. Para me ajudar a responder, eu pedi ajuda ao Nicolas Merola, um dos especialistas aqui do time da Inversa. Isso porque resolver a sua questão envolve contas matemáticas e verificação de dados. Eu vou tentar simplificar, mas realmente não é uma coisa simples, ok?

Vou usar como exemplo a NTN-B 2035 que você comprou em 15/8/18. Checamos aqui e nesse dia ela estava com uma taxa de 5,73% e tinha Preço Unitário (PU) de R$ 1.237,34. E aqui vou supor que você investiu R$ 10 mil, só para tornar o exemplo mais palpável.

Se você vendesse na última quarta-feira (21/8/19), teria R$ 14.958,70 brutos, ou uma rentabilidade de 49,59%. Mas teria que pagar 17,5% de imposto de renda (IR), o que deixaria você com valor líquido de R$ 14.090,90.

A grande questão aqui é o que fazer depois com o dinheiro, para entender quanto ele pode render no futuro, considerando o ano de 2035.

Deixa eu exemplificar: digamos que você tenha vendido a NTN-B na quarta-feira (dia 21), pegou o dinheiro, quis ser conservador e ficará investindo apenas em Tesouro Selic até 2035. Isso porque podemos dar um chute de quanto esse título pode render. De acordo com as expectativas, seus R$ 10 mil poderiam se tornar R$ 37.503,67 (líquidos).

Ok, mas quanto ganharia se mantivesse o título que já tem hoje até o vencimento? Os seus R$ 10 mil se transformariam em R$ 43.628,49, líquidos de impostos. Ou seja, nesse caso, melhor manter o que tem hoje.

Por isso, a questão é se você vai buscar um rendimento melhor do que a Selic. No entanto, qual seria esse investimento? No Tesouro Selic, existe uma previsão de ganhos. Na renda variável, por exemplo, isso vai, claro, variar dependendo da ação.

Quanto a NTN-B Principal, se a taxa de juros cair novamente, seu PU atual será ainda maior. Se levar até o vencimento, terá um rendimento maior do que investindo no Tesouro Selic levando em consideração as projeções de IPCA e taxa de juros. Caso não pretenda investir em ativos de maior risco, buscando maiores retornos, você ganha mantendo seu tesouro NTNB, em ambos os casos.

Por isso, pense não só na questão de quanto o título pode oferecer de retorno hoje, mas o que você fará com esse dinheiro e se ele pode entregar retornos maiores, que compensam a mudança.

Eu sei que não é muito simples e envolve muitas previsões, mas é assim que os profissionais operam juros. Se você não quer pensar muito, é comprar e esquecer.

Se você também tem uma dúvida sobre investimentos, envie para mim neste link. Espero responder em breve.

Um abraço,

André Zara

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia