Investigador Financeiro #70 - Em qual das 3 fases do investidor você está?

Andre Zara Publicado em 10/08/2019
5 min
A jornada do investidor até viver de renda passa por três fazes: proteção; acumulação; e, finalmente, a sonhada renda

Olá.

Como em tudo na vida, passamos por fases de aprendizado. Afinal, ninguém se torna um especialista do dia para noite, não é?

Isso não é diferente com você e seus investimentos. É preciso passar pelo processo para ficar bom. O mais difícil é começar. Depois disso, tudo se encaixa.

Algumas pessoas acham complicado e desistem antes de começar. Quem age assim vai sempre se dar mal com dinheiro. Vai passar a vida reclamando e falando que não “deu sorte”. Como diria Ivan Sant’Anna: “Cascata!”.

Na verdade, investir não é complicado. Você só precisa dar o primeiro passo e persistir. Isso mudará completamente a sua vida. 

Um Tesouro Selic ou um bom fundo DI já te fazem lucrar mais do que Poupança. Um ETF já torna possível acompanhar os ganhos em Bolsa. Uma carteira balanceada pode bater o mercado.

E isso não é só sobre dinheiro, mas liberdade. Para você fazer as coisas que realmente deseja. Por isso, vamos ver como tudo o que estou falando funciona na prática.

“Tenho interesse de começar investindo R$ 5.000 por mês. Minha intenção é obter um rendimento de R$ 3.000 por mês. Em quanto tempo já terei esse rendimento e qual tipo de aplicação terei que fazer?” – Rômulo.

Obrigado pela pergunta, Rômulo. Ela vai nos ajudar a traçar um caminho para chegar ao ponto final, o desejo da maioria dos investidores, que é viver de renda.

Mas como atingir esse ponto? Para chegar lá, todo mundo tem que passar por 3 fases. Veja abaixo:

Proteção: o primeiro ponto para você se tornar um investidor de verdade, e não simplesmente um poupador, é criar uma reserva de emergência. Essa é a soma de pelo menos 3 meses das suas despesas mensais. Ao criar esse colchão você estará protegido daquelas despesas inesperadas que surgem e estará pronto para seguir à próxima fase.

Acumulação: aqui a ideia é poupar e investir todos os meses focando exclusivamente em aumento de capital. Como você já tem uma reserva, pode se dar ao luxo de investir em um CDB com vencimento mais longo, mas que te paga uma taxa melhor. Pode comprar aquela Small Cap, sentar e esperar que ela suba muito.

Renda: parabéns, você conseguiu juntar uma quantia suficiente para viver de rendimentos. Você já tem sua reserva de emergência e desloca os seus investimentos de ativos focados em ganhos para os que dão renda recorrente. Estou falando aqui de ações que geram dividendos, títulos públicos que pagam cupons e fundos imobiliários que distribuem lucros mensalmente. 

Ok, mas voltando ao caso do Rômulo, vamos tentar imaginar como funcionaria na prática.

Primeiramente, juntar a reserva de emergência. Digamos que as suas despesas mensais sejam de R$ 5 mil. Sua reserva de emergência precisaria ser de pelo menos R$ 15 mil. Ou seja, os três primeiros meses você passaria investindo em Tesouro Selic ou em bom fundo DI, ativos com liquidez e que ganham da Poupança.  

Depois disso, passaria para a fase de acumulação. É difícil dizer em quanto tempo você conseguirá o seu objetivo, pois precisa estabelecer a sua relação de risco como investidor. Se você quiser ser arrojado e fazer dinheiro muito rápido, esteja consciente que terá que assumir mais risco.

Obviamente, não é preciso fazer isso. Dá para investir bem sem fazer loucuras. Mas aqui podemos citar ativos de renda fixa, como Tesouro Direto, CDB, LCA/LCI, e renda variável, ações e ETFs, além de fundos de investimento.  

Mas quanto é necessário acumular para poder entrar na fase de renda e atingir os R$ 3 mil mensais? Se você tiver os ativos certos, como os que o nosso perito em renda aqui da Inversa sugere, precisaria de apenas R$ 150 mil. Estou falando das melhores ações pagadoras de dividendos, fundos imobiliários e títulos de renda fixa.

Mas deixe eu dar um passo atrás para não ficar sem resposta na questão de tempo. Eu sempre gosto de simular com o título mais conservador, o Tesouro Selic, para ter uma base que ajuda no planejamento. No seu caso, se conseguisse investir os R$ 5 mil mensais, somente no título, iria atingir os R$ 150 mil em novembro de 2021. 

Fonte: Tesouro Direto

Mas trabalhando bem na fase de acumulação dá para acelerar isso, com proteção e sem correr riscos desnecessários, investindo em renda fixa e variável. Afinal, a Selic chegou aos 6% ao ano, e pode descer mais...

Temos inúmeras séries aqui na Inversa que podem te ajudar com isso. Para facilitar a sua vida, estou sugerindo aqui a série Fundos Expert, uma forma simples de ter todos ativos por meio de fundos de investimentos.

Quando finalmente chegar à fase final de renda, aí você vai precisar ter os ativos certos, como eu disse. Para você já ir se preparando, o nosso perito aqui da Inversa montou duas aulas gratuitas para demonstrar como possível viver de renda. O primeiro vídeo já está disponível e você pode assistir agora.

Se prestar atenção, verá que é bem possível percorrer as 3 fases em pouco tempo. Não vai precisar passar décadas correndo atrás.

E caso tenha outras dúvidas sobre investimento, mande para mim neste link. Espero responder em breve.  

Um abraço, 

André Zara

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia