Investigador Financeiro #66 - Vai um CDB aí?

Andre Zara Publicado em 13/07/2019
5 min
Tome cuidado com operações que prometem retornos altos e constantes. Você pode cair num esquema de pirâmide financeira.

Nota do Editor: Antes de tudo, deixo aqui o convite para você assistir gratuitamente aos vídeos da série “Além do dinheiro”. Você já pode ver os dois primeiros episódios e descobrir como alcançar a verdadeira liberdade financeira, apenas investindo bem o seu dinheiro. Três especialistas vão te mostrar os detalhes de como fazer isso, pois eles atingiram a sua liberdade antes dos 40 anos. Além de um monte de dicas práticas, eles já sugeriram quatro ativos interessantes para você ficar de olho. Assista agora.

Olá.

Antes de responder à questão de hoje, quero só dar continuidade a última newsletter, em que comentei um possível caso de pirâmide.

Muitos leitores enviaram casos similares e dúvidas. Acho importante só frisar como esses esquemas conseguem pagar altos retornos: quem entra primeiro vai “recebendo” o dinheiro de quem está entrando depois.

A máquina se alimenta de novas pessoas colocando dinheiro. Por isso, muitos esquemas pedem para convidar mais gente. Quando não há novas pessoas colocando grana, acaba a festa. Por isso, fique atento às dicas que deixei para você não cair em furadas.  

Agora, vamos ao que interessa: a questão de hoje é como comparar os rendimentos de um CDB e da Poupança. Quem será o vencedor?

“Sou cliente da CEF e tinha R$ 100.000,00 na poupança. Minha gerente me convenceu a investir em CDB. Sinceramente, não tenho notado nenhuma vantagem. O que você acha?” – Carlos 

Carlos, muito obrigado por enviar a sua dúvida. Primeiramente, quero te cumprimentar por ter conseguido economizar os R$ 100 mil. Esse é um marco muito importante, que eu considero ser um dos mais difíceis.

Agora, vamos à sua questão. Ter R$ 100 mil na Poupança é uma grande furada! Como falei na semana passada, quem deixou grana na aplicação teve rendimento negativo de 0,3% no primeiro semestre deste ano.

Com o valor que você tem, poderia ter uma carteira completa e diversificada. Como eu sempre falo aqui: quando você tem pouco, precisa focar em apenas um ativo. Mas com a sua grana, poderia ter um portfólio com ações, renda fixa e fundos.

Mas vamos aqui ao ponto central: você trocou a Poupança pelo CDB e não sentiu diferença. Talvez, porque não tenha feito diferença mesmo...

Os rendimentos do CDB, geralmente, são atrelados aos do CDI, principal indicador da renda fixa. Por isso, seu gerente deve ter te falado: “este CDB rende X% do CDI”. Mas qual deve ser a proporção desse X para bater a Poupança?

Deve ser de pelo menos 83% do CDI para compensar, no curto prazo, de 180 dias. E explico o motivo...

Lembro a você que a Poupança não tem cobrança de imposto de renda, mas no CDB é cobrado 22,5% para aplicações com prazo de 180 dias (e isso varia até o mínimo de 15%, para prazos superiores até 720 dias).

Considerando esse prazo de 180 dias, o CDB teria que pagar pelo menos 83% para haver um ganho líquido (já descontados os impostos) maior do que a Poupança.

Fique atento também com a liquidez, Carlos. Eu imagino que o seu gerente deva ter oferecido um CDB com liquidez diária para substituir a Poupança. Mas pode ser que o investimento tenha um período de aplicação travado. Se o CDB tiver rendimento ruim, você pode estar preso a ele.  

Com esses valores, Carlos, você poderia estar mirando ganhos muito mais altos e não um pouquinho a mais do que a Poupança. Olha a simulação que eu fiz, direto no site do Tesouro Direto, com o título Tesouro Selic 2025, comparando com a Poupança e um CDB a 82% do CDI.

Fonte: Tesouro Direto

Com o Tesouro Selic você já teria um resultado melhor, não é mesmo?

Vamos olhar no detalhe os ganhos, principalmente os líquidos...

Fonte: Tesouro Direto

Mas você poderia estar MUITO melhor!

Falo aqui de investir em Tesouro Direto, CDB com rendimento de mais de 100% do CDI, LCI/LCA, Fundos de investimentos e entrar de vez na renda variável.

Existe um oceano de opções para você, principalmente com a Bolsa em alta. Você pode fazer o seu dinheiro render mais! Se você não sabe muito sobre o mundo dos investimentos, quero sugerir que conheça a nova série de Fundos da Inversa. É uma seleção completa dos fundos mais lucrativos, reduzindo o seu trabalho de pesquisar as melhores opções entre mais de 23 mil fundos abertos para captação.

Não fique com o dinheiro parado em aplicações ruins! Isso pode prejudicar seu futuro.

Você também tem uma dúvida sobre investimento? Mande para mim por meio deste link. Espero responder em breve a sua questão.

Um abraço, 

André Zara.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia