Investigador Financeiro #63 - Previdência privada, vale a pena?

Andre Zara Publicado em 22/06/2019
3 min
Plano de previdência é como um fundo. Para compensar, tem que bater o CDI

Olá.

Outro dia eu estava conversando, por Skype, com uma especialista em investimento de uma publicadora nos Estados Unidos, que é parceira da Inversa.

Como já falei outras vezes aqui, fazemos parte de uma rede global de publicadoras e nós sempre mantemos contato para falar sobre investimentos e as experiências dos leitores.

Nessa conversa, a especialista se surpreendeu quando comentei que os brasileiros não têm um grande foco na aposentadoria.

Enquanto isso, nos EUA, essa é a maior preocupação das pessoas – junto a mandar os filhos para faculdade. Os americanos fazem de tudo para garantir uma aposentadoria tranquila.

Mas acredito que o tema está se tornando cada vez mais importante aqui no Brasil, principalmente com a reforma da Previdência.

Tenho recebido cada vez mais perguntas sobre a previdência privada. Por isso, hoje vou responder e apresentar um ponto de vista pouco explorado sobre esse investimento que vai te ajudar depois que parar de trabalhar.

“Tenho uma previdência privada. É uma maneira boa de guardar dinheiro? Compensaria um resgate pra investir em outro fundo?” - Carol

Muito obrigado pela pergunta, Carol. Selecionei especificamente a sua questão, pois recebo muitas dúvidas sobre previdência privada. Mas neste newsletter não vou falar da diferença de PGBL ou VGBL.

Apesar de a escolha entre os dois ser muito importante, a pergunta é muito interessante porque foca em coisas que a maioria das pessoas não pensa antes de contratar o investimento.

Para mim, um ponto pouco explorado é que a previdência privada é um fundo de investimento. Isso mesmo: você está juntando o seu dinheiro para a aposentadoria e colocando nas mãos de um gestor.

E respondendo à questão da Carol: sim, ter previdência privada pode ser uma boa, mas só se o fundo tiver bom rendimento. Isso quer dizer que você sempre deve estar de olho em qual é o portfólio do fundo e a sua rentabilidade.

Olhando por esse ponto, compensaria sim mudar se você notar que o fundo vem constantemente perdendo, nos últimos anos, para o CDI, que é o principal indicador da renda fixa. Lembre-se de que você poderia investir em Tesouro Selic ou em um Fundo DI com baixo custo e ter o mesmo resultado.

Se estiver perdendo consistentemente para o CDI, você deveria pensar seriamente em fazer a portabilidade. Escolha um novo plano e pule fora. Ou vai ficar perdendo a possibilidade de fazer o seu dinheiro render mais.

Eu, particularmente, não tenho previdência privada. Eu prefiro fazer os meus próprios investimentos, diversificar e me colocar como o gestor do meu fundo de previdência.

Um profissional poderia fazer isso melhor do que eu? Talvez, mas eu prefiro tomar conta do meu dinheiro seguindo o meu perfil de risco.

Tudo vai depender de como você quer lidar com o seu dinheiro. Se você não entende o mundo dos investimentos, e não tem tempo para aprender, previdência privada pode ser muito boa.

Mas sempre fique de olho no rendimento do fundo para não descobrir, no futuro, que passou décadas ganhando muito pouco.

Se você tem uma dúvida sobre investimento, pode enviar para mim por este link. Espero responder em breve a sua questão.

Um abraço,

André Zara

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia