Investigador Financeiro #61 - Onde investir para o curtíssimo prazo?

Andre Zara Publicado em 08/06/2019
3 min
O que fazer quando você tem dinheiro sobrando, mas pode precisar dele a qualquer momento. O Investigador Financeiro explica.

Nota do Editor: Hoje, o Investigador Financeiro explica como você pode fazer seu dinheiro render enquanto não chega a data de pagamento das contas de curto prazo. Caso o seu dinheiro não esteja “carimbado” para compromissos que vencem nos próximos dias, acho que vale a pena você conhecer aqui uma estratégia de operações rápidas, e ganhos altos, na Bolsa.

Olá.

Aposto que você já esteve nesta situação: tem uma grana, quer investir, mas pode precisar dela em pouco tempo.

O que fazer para esse dinheiro estar protegido e ainda render?

Leia abaixo a minha resposta a um leitor que está vivendo exatamente esse dilema, e que pode te ajudar a tomar uma decisão na próxima vez que estiver nessa situação.

“Tenho R$ 25 mil para aplicar, porém tenho receio que precise desse dinheiro em tempo curto (45 dias). Em que devo aplicar” - Joselito B.

Joselito, muito obrigado pela sua pergunta. Não é a primeira vez que me apresentam essa dúvida, mas sempre acho importante reforçar a questão do tempo e risco nos investimentos para casos assim.

Vamos falar primeiro dos riscos. Se você vai precisar do dinheiro em um curto prazo, com certeza, não quer arriscar ter perdas. Por isso, já podemos descartar a renda variável no seu caso.

Entenda, a renda variável, varia (por isso o nome). Deixa eu te dar um exemplo com as ações da Petrobras (PETR4).

No dia 6 de maio, o ativo custava R$ 26,77. No dia 8, ela chegou a R$ 27,37 (sua máxima no mês de maio). No entanto, no dia 17, atingiu mínima de R$ 24,68.

Ou seja, dependendo do dia que comprou, poderia ter ganhado um pouco ou perdido dinheiro – aqui nem incluí a taxa de corretagem das corretoras e outras da própria B3, que também importam nessa conta (vou falar disso nas próximas newsletters).

Você teria que ter bons ganhos (e rápidos) para compensar as taxas envolvidas e ainda acertar o tempo de sair das operações para valer a pena. Dá para fazer? Sim, mas eu, pessoalmente, não arriscaria se fosse precisar do dinheiro.

Por isso, o mais sensato para a sua situação seria guardar o dinheiro em uma aplicação conservadora, com baixas taxas de administração e liquidez diária.

Um fundo DI pode ser uma boa alternativa. No curso Investidor Completo, além das aulas de como investir com o máximo de segurança, damos a sugestão do melhor fundo desse tipo disponível no Brasil. Ele também é ideal para a reserva de emergência que sempre falo aqui.

Mas fique atento: se for fazer aplicações por menos de 30 dias, ainda vai sofrer cobrança adicional de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Para esses casos, infelizmente, melhor deixar na poupança.

No caso do Joselito, como são 45 dias, haverá a cobrança do IR de 22,5% sobre os lucros obtidos, pois está na faixa de até 180 dias. Lembrando que a cobrança mínima será de 15% para aplicações acima de 720 dias.

Você também tem uma dúvida sobre investimento? Então, envie para mim neste link. Vou tentar responder o mais rápido possível.

Um abraço.

André Zara.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia