Investigador Financeiro #54 - De 100 reais em 100 reais

Andre Zara Publicado em 06/04/2019
4 min
É possível investir de forma segura para aumentar o patrimônio no longo prazo. Veja nesta newsletter. 

Olá.

Antes de responder à pergunta de hoje, quero agradecer pela repercussão da newsletter da semana passada em que falei de investimento no curto prazo.

Só quero deixar aqui um alerta após inúmeras dúvidas que recebi: para 30 dias, um curtíssimo prazo, não existem boas opções. Se decidir colocar na Renda Fixa, além dos poucos retornos e da tributação mais alta, você ainda terá que pagar o IOF.

Para 30 dias ou um pouco mais, melhor mesmo pode ser a Poupança. Pode não ter rendimento, mas pelo menos não há tributação. Ou seja: fica no zero a zero. Agora, quando deixar na poupança, é melhor esperar ao menos 30 dias, pois antes do aniversário de 1 mês a poupança rende zero. Para um período inferior a 30 dias, portanto, a renda fixa é melhor, porque o IOF incidirá apenas sobre o rendimento, então vai sobrar uma parte desse rendimento. Na poupança, para menos de 30 dias o retorno é realmente de zero.

Como eu disse na semana passada, na hora de investir, fique atento para vários fatores, como a necessidade que você terá do dinheiro, prazos, tributação, liquidez, entre outros. Investir é estratégia!

Abaixo, eu falo do outro lado da moeda.

 

“Como investir a longo prazo? Compro Tesouro Direto ou vou comprando ações na bolsa e vendendo?” – Edneia M

Se na semana passada falamos de investimentos para o curto prazo, a pergunta da Edneia vai nos ajudar a focar no longo.

Afinal, investir assim tende a ser mais vantajoso, principalmente para quem não tem muita grana. O tempo pode ser o seu melhor amigo ao investir, pois os juros compostos vão ganhando cada vez mais força.

O interessante é que outro dia estávamos conversando sobre isso aqui na Inversa. Um dos editores tem um filho pequeno e quer investir para o resgate daqui uns 15 anos. E a pergunta foi bem parecida: Tesouro ou ações?

O Tesouro Direto oferece títulos com vencimentos longos que permitem travar a sua taxa e carregar até o vencimento. Pensando nisso, é interessante pensar nos títulos IPCA+, pois além da taxa, têm correção pela inflação.

Isso dá uma segurança para o longo prazo, pois garante que a inflação não vai corroer seus retornos. Muita gente não pensa nisso, mas você deve ficar de olho nisso para saber o seu ganho real.

Ações também são bem interessantes. Você pode aumentar seu patrimônio ao longo dos anos com a valorização do ativo, além de ir coletando dividendos. Mas lembro de que renda variável vai variar!

Tudo vai depender da sua estratégia e do seu perfil, pois pode comprar apenas um ativo ou até mesmo compor uma carteira. Vou fazer uma simulação abaixo só para termos algo mais concreto, usando R$ 1.000.

No caso da renda fixa podemos usar o simulador do Tesouro Direto utilizando o título IPCA+2035. Se você resgatar apenas na data, terá rentabilidade liquida de R$ 3.106,15.

Não é muito, não é? Por isso sempre falo da importância de fazer aportes mensais. Se até 2035 você colocar R$ 100 todos os meses, poderá alcançar R$ 38.497,88. Bem melhor...

Agora, quando falamos de ações, simplesmente não há como prever o futuro. Mas podemos dar uma olhada no passado para dar um chute. Mas lembro a você que ganhos passados não são garantia de ganhos futuros.

Digamos que, em 2004, você tivesse comprado R$ 1.000 da ação ITSA4, holding que controla o Itaú. Hoje, o seu investimento teria se transformado em R$ 25.687,40. Além disso, teria recolhido dividendos da ordem de R$ 16.362,99. Nesse caso, não levei em conta os aportes mensais, o que torna bem interessante, não é?

Por isso, se você está pensando no longo prazo, pode fazer seus investimentos de diversas maneiras, sempre respeitando o seu perfil como investidor. E lembre-se de fazer os aportes mensais, isso vai ajudar muito na sua construção de riqueza.

Gostou dessa newsletter? Então envie aqui a sua dúvida de investimento.

Um abraço, 

André Zara.

E continue mandando suas dúvidas de investimento. É só as enviar por aqui.

Um abraço, 

André Zara.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia