Investigador Financeiro #52 - Minha sogra investe melhor do que você?

Andre Zara Publicado em 23/03/2019
3 min
Nunca é tarde para começar a investir e você sempre pode encontrar um investimento adequado ao seu perfil. Veja os comentários nesta newsletter

Olá.

Hoje quero dividir uma história com você: minha sogra se tornou uma investidora recentemente. Dei uma forcinha, confesso, mas o mérito foi todo da minha namorada.  

Ela começou a mostrar os seus resultados como investidora e animou a sua mãe, que tem 65 anos. O que mostra que nunca é tarde demais para começar...

Minha sogra é “old school”. Não confia em bancos e nem mesmo em poupança desde que o Collor sequestrou as contas na década de 1990.

Desde então, seu jogo tem sido poupar na conta corrente e um pouquinho debaixo do colchão. Ou seja, ela está sempre líquida.

Para idosos, agir assim faz sentido. Nada de investimentos longos, afinal, quem passou dos 60 anos tem que aproveitar.  

A questão é que ser líquido não quer dizer que você precisa ter rendimentos ruins. E foi assim que a minha namorada convenceu a sua mãe, que topou o desafio.

A minha namorada abriu uma conta em uma corretora e se encarregou de investir em nome da mãe. E uma aplicação em um bom fundo DI já foi um grande passo.

E você, investe melhor do que a minha sogra? Ou ainda tem dinheiro na poupança ou está guardando sua grana na conta corrente?

 

“Olá, estou quebrado, mesmo assim ousaria investir. Que tipo de investimento você recomenda? Lembrando que preciso de dinheiro rápido”. - Eduardo C.

Olá, Eduardo. Muito obrigado pela pergunta. Muitos leitores enviam esse tipo de questão e, por isso, quero deixar aqui minha opinião.

Não invista se você tem dívidas, não faz sentido nenhum. Eu não sei exatamente a sua situação, mas você diz que está quebrado. Ou seja, provavelmente está devendo.

Digamos que você está endividado e acabou caindo na armadilha de usar os juros rotativos do cartão de crédito.

O Banco Central faz um levantamento dos valores para esse tipo de crédito e é realmente assustador. No Banco do Brasil, por exemplo, ele é de 202% ao ano. Mas algumas instituições chegam a cobrar 700% ao ano.

Agora, qual tipo de investimento tem retorno de 200% ao ano? Talvez se você acertasse uma small cap ou uma opção, teria conseguido. Mesmo assim, você teria que assumir um risco maior ao investir.

Mas se você está “quebrado” é realmente isso que quer? Tomar mais risco?

Por isso, se você tem dívidas não invista. Renegocie, diminua gastos, arranje uma nova fonte de renda.

Investir é simples: primeiro você arranja uma renda. Depois gasta menos do que essa renda. O que sobrar você investe, todos os meses. É assim que você vai aumentar seu patrimônio.

Não tem mistério. Mas nunca invista se você tem dívidas e nunca pegue dinheiro emprestado para fazer isso. Isso só vai te prejudicar.

Se você tem dúvidas sobre investimentos, mande para mim sua pergunta no investigador@inversapub.com. Vou tentar responder o mais rápido possível.

Um abraço, 

André Zara.

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia