Investigador Financeiro #45 - Invista com o máximo de segurança

Andre Zara Publicado em 02/02/2019
5 min
O medo muitas vezes impede o primeiro passo para investir melhor, mas ele pode ser um importante aliado na tomada de decisões. Veja algumas dicas nessa newsletter

Olá.

Hoje quero falar sobre o medo de investir, tema da pergunta de um leitor que respondo abaixo.

O interessante é que o medo tem um papel importante na vida dos investidores. Muitos têm medo de investir, outros, o medo de ficar de fora. O sentimento costuma ser nebuloso e impede as pessoas de tomar as melhores decisões.

Se o medo impede você de sair da Poupança, saiba que está deixando de ganhar dinheiro, pois existem opções conservadoras mais lucrativas, como já mostrei várias vezes aqui na newsletter.

Se você ainda não está recebendo as nossas newsletters diretamente no seu WhatsApp, clique aqui para se cadastrar. 

O medo de ficar de fora é outra coisa que pode prejudicar você. Isso acontece quando está todo mundo entrando em um investimento, e você não analisa os riscos friamente, só quer seguir a manada e acaba se dando mal.

Eu acredito que o medo é nosso amigo, pois ajuda a tomar as decisões certas.

Como investidor, você sempre irá enfrentar o conflito do risco versus o retorno. Se for muito conservador, vai ganhar menos. Se for muito arrojado, pode arriscar demais e perder.

No entanto, existe um caminho do meio, para investir com segurança, como explico ao Mateus abaixo.

“Acompanho as newsletters da Inversa há quase um ano, mas ainda assim não tomei coragem de iniciar meus investimentos em Renda Variável. Minha maior dúvida é: quanto posso perder? Explico: por exemplo, se eu investir R$500 e somente operar em queda, posso perder mais do que os R$500 investidos?” – Mateus M.

Obrigado pela pergunta, Mateus. A sua dúvida é muito importante para os investidores que nunca aplicaram em Renda Variável. E quero deixar claro que entendo perfeitamente os seus temores.

É sempre melhor começar pela Renda Fixa no mundo dos investimentos, pois ela dá mais segurança e previsibilidade aos investidores receosos. No entanto, quando você passa da fase dos primeiros investimentos, começa a se questionar: vou ou não para a Bolsa? E quanto do meu patrimônio devo investir?

A decisão de ir para a Bolsa é simplesmente para buscar retornos maiores. Mas antes de falar disso, quero responder sobre as perdas. Veja, como o próprio nome diz, a Renda Variável varia. E, por isso, uma ação listada em Bolsa pode zerar, mas você nunca perderá mais do que o investido. No caso dos seus R$ 500, esse seria o seu máximo prejuízo.

No entanto, perder 100% dos seus investimentos com uma ação é raro. E vou dar a você um exemplo que aconteceu nesta semana, com a Vale. Com a tragédia de Brumadinho, os papeis da empresa caíram 24% em apenas um dia, pegando todos os investidores de surpresa. No entanto, não zerou. Para zerar a ação de uma empresa como a Vale seria necessário um verdadeiro apocalipse.

Lembre-se também o caso da Petrobras, acometida por casos de corrupção nos últimos anos que quase quebraram a empresa. No entanto, quem tinha ações não perdeu todo seu investimento.

As ações da empresa tinham preço de R$ 20 em 2014, chegaram a valer menos de R$ 5 em 2016, mas hoje já estão em torno de R$ 25. A Renda Variável variou conforme os sentimentos do mercado.

No entanto, existe um caso que aterroriza os investidores, OGX (OGXP3). Essa é uma das empresas X, do Eike Batista. Em sua máxima, chegou a valer R$ 23,27, em 2010. Hoje, está em R$ 1,63. Ou seja, perda de 92% aos investidores.

Mas então por que correr o risco? A resposta simples é: para ganhar muito dinheiro. Entenda, você pode perder todo o seu investimento, mas também pode ganhar infinitamente.

Se você tivesse investido, por exemplo, em ações da Magazine Luiza, hoje estaria comemorando. Ela chegou a ter a sua ação negociada, na mínima, em dezembro de 2015, a R$ 0,966. Em abril de 2018 teve uma máxima de R$ 124,34.

Ou seja, cravou uma valorização de 12.771,64%, em pouco mais de dois anos, transformando R$ 1.000 em R$ 128,7 mil. Impressionante, não é? Acredite, você não conseguiria esse tipo de retorno, em tão pouco tempo, na Renda Fixa.

Mas como entrar na Bolsa da forma mais segura possível?

Eu sempre aconselho aos meus leitores, principalmente aos mais conservadores, a entrar devagar e nunca com todo o seu patrimônio. Se você é muito conservador, não coloque mais de 20% dos seus investimentos em Renda Variável.

E se você não sabe como escolher uma ação, pode começar por meio de Fundos de Investimentos em ações ou ETFs. Quando você se sentir confortável, pode formar uma carteira com algumas ações. Quando você chegar nesse nível, lembre-se de que a diversificação será a sua maior aliada.

Imagina se você tivesse todo o seu dinheiro na Vale nesta semana? Melhor ter algumas ações, em diferentes setores, para balancear sua carteira.

E estamos aqui para ajudar você com isso. O papel da Inversa é fazer as sugestões dos melhores ativos para você ganhar dinheiro, da forma mais segura possível. 

Um abraço,

André Zara.

 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia