Investigador Financeiro #107 - Ainda é hora de comprar dólar, bitcoin e ouro?

Andre Zara Publicado em 27/05/2020
3 min
Todos buscam antever o mercado, mas é impossível saber a direção: entre tantas perguntas, diversificação é a resposta.

Olá.

Esta semana uma amiga me ligou perguntando sobre como comprar bitcoins. Ela leu que a moeda digital está subindo neste ano, enquanto a maioria dos investimentos está caindo.

Durante a conversa, ela também me questionou sobre outros investimentos que costumam subir em momentos de crise.

O dólar logo entrou no papo, junto com o ouro, pois eles funcionam como seguros clássicos de uma carteira de investimentos.

E, se olharmos especificamente esses três ativos, veremos que eles realmente subiram neste ano, enquanto muitos investimentos caíram, especialmente a Bolsa. 

Veja na tabela abaixo, os dados referentes a abril:

Fonte: Seu Dinheiro

A questão é: ainda dá entrar? Ou o tempo já passou?

Antes de entrar nisso, quero sugerir a você a minha última newsletter sobre investimentos seguros. Para poder ter uma maior segurança, o melhor mesmo é diversificar.

E é aí que entram esses “seguros” na carteira, como o dólar e ouro. Os especialistas da Inversa sugerem sempre ter algo entre 5% a 7% do seu portfólio nesse tipo de ativo para blindar seu patrimônio.

A questão é que, neste momento, ter seguros está mais caro. Pense no dólar: ele foi perto dos R$ 6 e, agora, já caiu um pouco. Será que ainda vale?

Como conversei com a minha amiga, é impossível prever se o dólar vai subir ou vai descer. A moeda americana parece alta agora? Mas e se o impeachment do presidente Bolsonaro avançar e o dólar chegar a R$ 7?

A mesma coisa vale para o ouro, que pode subir ainda mais por causa das baixas taxas de juros no mundo e a busca por ativos à prova de crise.

Por isso, ao investir também precisamos contratar seguros, como de carro ou de casa. Você não sabe o que pode acontecer, concorda?

E, na minha carteira, consigo ver isso claramente nos últimos meses, pois as aplicações em dólar e ouro acabam balanceando e minimizando as perdas de outros ativos, como os de renda variável.

Já vi isso durante as últimas eleições presidenciais também. Em momentos de tensão, vimos alta do dólar seguidos de uma baixa na Bolsa.

Em relação ao bitcoin, aqui fica uma incógnita. Eu confesso que estava bastante ansioso para saber como a moeda digital iria se comportar no meio de uma crise brava. E ela surpreendeu muita gente!

Eu, particularmente, ainda não considero como “seguro” na minha carteira, pois o ativo é volátil. No entanto, neste momento, a moeda digital tem apresentado essa característica. Mas ainda mantenho como investimentos na categoria de maior risco, focando em retornos maiores. 

Eu me considero um investidor conservador, mas não “medroso”. Tenho uma reserva de emergência acima do recomendado pelos especialistas. Respeito as alocações e tenho seguros, como ouro e dólar, mesmo em momentos em que não vale a pena. Mas meu foco é aumentar patrimônio.

O meu mantra é sempre se preparar para o pior, especialmente em momentos em que o mercado está entregando altos retornos. O perigo maior é na alta, quando todos estão eufóricos, não na baixa, quando tudo já está no fundo. 

Mas ainda vale a pena comprar dólar, ouro e bitcoin agora?

A melhor forma de responder isso é olhar para os seus investimentos hoje e se fazer a pergunta: será que minha carteira está diversificada se as coisas piorarem?

Eu e você não podemos prever o futuro, mas podemos nos preparar para ele.

Um abraço,

André Zara

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia