Ideias do Paletta #26 - Paulo Guedes estaria com dor de barriga?

Liberalismo deve predominar na agenda do Executivo para termos “dia do fico” definitivo

Conteúdo também disponível em vídeo e áudio. Clique abaixo para acessar a plataforma:

Youtube Spotify Apple Google Deezer

Nota do editor: nos próximos minutos, Felipe Paletta recapitula a história para mostrar como a agenda liberal deverá permanece.

Olá leitor(a)!

Segundo relatos históricos, o famoso dia de 7 de setembro de 1822, que marca a declaração de Independência do Brasil do império português, foi resultado de um “dia de fúria” do príncipe regente, Dom Pedro I.

Acometido por uma forte dor de barriga e pelas adversidades do trajeto de mais de 600 km que ligava Rio de Janeiro a São Paulo, a carta da corte não parece ter chegado em melhor momento para que empunhasse – mesmo que figurativamente – sua espada.

“Independência ou morte”.

Quase 200 anos depois, sob o comando de Jair Bolsonaro, o ‘mercado’ sofre com a chance de seu príncipe-regente, o Ministro da Economia Paulo Guedes, repousar sobre as margens da rua Quinze de Novembro, sede da antiga Bolsa de Valores de São Paulo – atual B3 – e entoar o grito de “Liberalismo ou morte!”.

Para quem está voltando da lua agora, Paulo Guedes é e sempre foi a cara, pelo menos do ponto de vista econômico, do governo Jair Bolsonaro.

Como o próprio gosta de dizer, Guedes é seu Posto Ipiranga para tudo relacionado aos assuntos econômicos.

Reforma da Previdência... Posto Ipiranga.

Reforma Tributária... Posto Ipiranga.

Reforma Administrativa... Posto Ipiranga.

O problema é que, tendo visto sua aprovação popular subir de 30% para 37% em um mês, segundo a pesquisa da XP/Ipespe, o presidente Jair Bolsonaro percebeu o impacto que as intervenções estatais – como forma de amenizar os impactos da pandemia – têm em sua aprovação popular e trouxe à tona os conflitos com a agenda liberal de Guedes.

Destoando do comportamento das Bolsas lá fora, o ‘mercado’ sofre com a chance de que Paulo Guedes saia do governo e espera ansioso pelo ‘dia do fico’.

E esse comportamento fica ainda mais claro quando contrastamos as quedas recentes do Ibovespa com a melhora dos indicadores econômicos e das surpresas positivas na temporada de resultados corporativos referentes ao segundo trimestre do ano.

O que todos querem saber é: estaria, Paulo Guedes, com uma dor de barriga?

Uma leitura diferente do consenso

Não acredito.

Uma leitura diferente do consenso

Há sempre muito ruído em tudo que reverbera de Brasília e minha leitura é de que, gozando de maior margem, pelo ganho de popularidade do presidente, o ministro se vale de sua personificação à frente da pasta da economia para reforçar na mídia a importância do presidente não ir por esse lado.

Essa postura, sem dúvidas, traz estresse no curto prazo e gera manchetes todos os dias, mas, a meu ver, torna a situação ainda mais controlada.

Guedes precisou encarnar essa figura de ‘advogado do diabo’ para reforçar seu projeto de diminuição do tamanho do Estado, como forma de sanear as contas públicas e abrir espaço para que o país volte a crescer estruturalmente e de forma saudável.

Tanto é que, desde que o assunto voltou a tomar espaço nos jornais, o governo conseguiu articular a aprovação do marco do saneamento, a manutenção dos vetos ao reajuste do funcionalismo, o choque da energia barata e uma série de outras medidas micro/setoriais que dinamizam a economia sem a necessidade de adotar subsídios, nos levando, novamente, a um quadro de descontrole das contras públicas.

Além disso, a saída de nomes fortes e técnicos do governo têm sido, até então, preenchidos por nomes igualmente técnicos, demonstrando que o ministro tem sido feliz em sua empreitada.

Veja, não sou analista político e sou fervorosamente contra qualquer exercício de futurologia, mas no mercado financeiro a forma como você interpreta os dados e fatos vale muito dinheiro.

Se essa leitura se clarificar com o passar do tempo, será tarde demais e o preço das ações e dos fundos imobiliários listados na Bolsa já negociarão em outro patamar. 

O mercado não gosta de incerteza. Um fim terrível é sempre preferível a um terror sem fim, por isso, só nos resta aproveitar esses momentos para adicionar alguns bons ativos em nossa carteira, criando estômago para aguentar as arrebentações.

Seja cauteloso(a) e escolha com cuidado.

Se você gosta de fundos imobiliários, por exemplo, ou quer conhecer um pouco melhor sobre o assunto, aproveito a oportunidade para te convidar a assistir o bate-papo que tive com o gestor de FoFIIs da VBI Real Estate – até então exclusivo aos meus seguidores – mas que tomei a liberdade de disponibilizar para todos aqueles que querem entender o momento do mercado.

Um abraço e um ótimo feriado para você e toda a sua família!

Gostou dessa newsletter? Então me escreva no e-mail ideias@inversa.com.br

Felipe Paletta

O mercado entrou novamente em um período de volatilidade alta. Nosso objetivo na calculadora: te entregar 12% ao mês operando apenas 2 ações. Dá uma olhada aqui e me diga o que acha. 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC. Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa. A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC. Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários. O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações. Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.

Conteúdo protegido contra cópia