Ideias do Paletta #13 - É sobre o que vem depois

Felipe Paletta Publicado em 15/06/2020
7 min
Distorções no mercado e fases de crises se assemelham a partida de futebol: hoje, ainda dá para encontrar boas oportunidades na bolsa.

Conteúdo disponível também em áudio e vídeo nas plataformas abaixo (clique para ver ou ouvir):

Apple Podcasts Google Podcast Spotify Deezer RSS Youtube

“A maioria das pessoas no mercado está olhando para os resultados corporativos e métricas convencionais. [Mas] É a liquidez que move os mercados.”
Stanley Druckenmiller

Caro leitor(a),

Final de campeonato.

Após uma partida muito ruim fora, seu time do coração leva para casa uma derrota magra, 1 a 0.

“Perfeitamente reversível”, você logo pensa.

Chega o dia do jogo e para não perder nenhum minuto você chega 2 horas antes no estádio. Procura com calma a cadeira sinalizada no ingresso, enquanto vê lentamente a massa preencher os espaços vagos.

Começa a partida.

Primeiro tempo... nada.

Metade do segundo... nada.

Você olha para o telão do estádio e o coração começa a bater mais rápido. 0 a 0.

Liga a tela do celular para ver o horário, são 23:40. Coração bate ainda mais rápido.

Torna a olhar para o campo e vê de rabo de olho quando o assistente de lado de campo ergue a placa de acréscimo: 7 minutos.

“Não vai dar tempo”, pensa.

Estático, você percebe comportamentos claramente ambivalentes.

Enquanto os pessimistas começam a subir as arquibancadas para pegar o metrô aberto, os otimistas pulam e vibram mais do que nunca, extravasando todo sentimento de pertencimento.

Nesta fração de segundo é como se você acreditasse sem acreditar. Como se estivesse comprado até os tubos em Bolsa, achando que o mercado ia cair.

De repente, acontece. Juiz coloca o apito na boca, o silêncio toma conta do estádio e, ainda sem entender a situação, você volta a realidade quando o cara do lado toca no seu ombro pedindo passagem.

Liga a tela do celular novamente e percebe: 10 minutos para o metrô fechar. Olha para o lado e vê pelo menos 40 mil pessoas tentando sair ao mesmo tempo.

Agora, só lhe resta esperar.

Bom, talvez essa seja exatamente a história que muitos investidores terão de contar sobre 2020.

Assim como em 2008, a crise de 2020 não foi uma morte súbita, não aconteceu do nada. Antes dos mercados caírem vimos a evolução da crise na China, sinalizações de altos prêmios em Bolsa, enfim.

Tivemos tempo de refletir sobre os riscos. Aqueles 7 minutos, lembra?

Era o tempo suficiente.

Falando assim até parece fácil, mas claro que aqui tenho o benefício da análise histórica para concluir que deveríamos ter subido as arquibancadas junto aos pessimistas.

Mas e se aquela bola tivesse entrado? Pois é...

Acho intrigante quando Stan Druckenmiller coloca em perspectiva essa questão de fluxo e fundamento.

“É a liquidez que move o mercado”.

Note que esta é uma afirmação válida apenas para comportamentos de curto prazo, caso contrário Telebrás ainda seria uma das maiores exposições da Bolsa brasileira.

Falando assim, de forma tão objetiva, dá a entender que os fundamentos de uma empresa ou fundo imobiliário (digo, sua capacidade de geração de caixa, qualidade dos ativos, margens e competitividade) não possuem relevância em sua precificação.

Bom, sabemos que isso não é verdade.

Por outro lado, essa afirmação nos ajuda a entender que a preferência por liquidez no curto prazo, especialmente em momentos de estresse, faz com que o mercado deixe de lado os fundamentos e gere distorções claras entre preço e valor.

E se engana quem pensa que esses movimentos grandes de irracionalidade não se corrigem em um espaço também curto.

As 5 fases do mercado em qualquer crise

Vamos tomar a crise do novo coronavírus como exemplo.

Primeiro, tivemos a Fase de Pânico. Depois, entendo que seguimos da seguinte forma:

Fuga para liquidez: se o gringo é quem faz volume aqui, quando voltar quero estar junto com ele em Petrobras, Vale, Itaú, enfim, em blue chips;
Fixações temáticas: bora para os setores que devem se dar bem com a crise do coronavírus;
Acesso a arbitragens de valor: diante das últimas fases, o que ficou para trás? Uma administradora de shoppings deveria cair tanto quanto uma de aviação?
Relativa eficiência: nesta última fase, os fundamentos já voltam à pauta, a volatilidade arrefece e as grandes distorções são corrigidas.

Entre evoluções e involuções, de uma fase à outra, parece-me que tanto as fases de pânico como a de fuga para liquidez ajudam a compreender muito das oportunidades que ainda existem no mercado.

Na crônica que abre a edição, o pânico está para o apito do juiz, assim como a fuga para liquidez está para a muvuca ao sair do estádio.

E onde estamos agora?

Diria que ainda estamos na fase de acesso a arbitragens, já que ainda é possível encontrar várias distorções em termos de precificação, especialmente entre as blue chips e as demais empresas listadas.

Quer um exemplo, olhe só esse gráfico:

Agora olhe esse aqui:

Veja que, do começo da crise até a recuperação parcial recente, o Ibovespa tem superado o desempenho do índice de boas pagadoras de dividendos, o IDIV.

Uma amostra da preferência de curto prazo dos investidores por liquidez e por empresas de maior valor de mercado.

No entanto, se olharmos em qualquer janela mais ampla de tempo é possível notar que o IDIV performou bem melhor do que o Ibovespa. Desde a sua criação, o retorno é quase duas vezes maior.

Não tenho dúvidas de que alguns setores já exibem nas cotações um otimismo destacado. O seu foco, no entanto, tem de estar nas discrepâncias que continuam aí.

Foque nos grandes movimentos, de meses e anos e não em pequenas tacadas de dias ou semanas.

Uma boa opção para surfar essa distorção que citei é comprando o ETF DIVO11, que persegue a rentabilidade do índice de dividendos. 

Ou, se quiser embarcar comigo, posso te mostrar algumas companhias que acredito que trarão ainda mais retorno aos acionistas nos próximos anos.

Não é sobre aqueles 7 minutos, é sobre o que vem depois.

Gostou dessa newsletter? Tem algum assunto relacionado ao mundo dos investimentos que te interessa? Então me escreva no e-mail ideias@inversa.com.br

Um abraço e até a próxima!

Felipe Paletta

Conteúdo protegido contra cópia