Gritty Investor #85 - As ações certas para comprar em cenários otimistas ou pessimistas

Pedro Cerize Publicado em 29/01/2021
4 min
Para montar uma carteira realmente lucrativa, é necessário escolher as ações certas para cada cenário.

 

Oi.

Para montar uma carteira realmente lucrativa, é necessário escolher as ações certas para cada cenário.

Na newsletter de hoje, além de explicar que tipo de ações você precisa ter na carteira em cenários otimistas ou pessimistas, respondo às dúvidas dos meus leitores sobre stop loss e investimentos em BDRs.

 

Qual o critério para acionar o stop loss em um investimento?

Essa é uma pergunta complexa. Eu não tenho uma política fixa para definir o stop loss nem para mim mesmo. Mas, ao longo do tempo, em alguns momentos, me arrependi de não ter tido um stop loss e, em outros, me arrependi de tê-lo acionado.

O que tenho feito ultimamente, que tem funcionado melhor para mim é: quando vou montar uma posição, começo essa posição com 3% e escrevo quais são os motivos que estão me fazendo comprá-la.

A cada trimestre ou a cada ciclo de novas informações que vou recebendo, ou reforço essa posição - quando as coisas estão a meu favor -, ou paro de aumentá-la. E, quando as coisas vão contra aquilo que eu queria inicialmente, zero a posição.

O fato gerador da decisão de aumentar ou de zerar não tem a ver com a oscilação de preço. Mas está relacionado com a companhia ir na direção ao que achava que ela iria ou não. O preço é uma consequência. Às vezes, eu compro mais caro, às vezes compro mais barato, desde que a companhia continue seguindo na direção que eu considerava. Quando a companhia vai para um outro lado, assumo que errei no estudo e zero a posição.

Posso zerar com um prejuízo maior ou menor. Mas já aconteceu de eu ter errado, mas zerar com lucro, porque o mercado achava que seria pior ainda do que a gente.

 

Que ações comprar em um cenário otimista ou pessimista?

Bala na agulha para mim é ter caixa à espera da decisão. Ideias do que fazer, em um cenário e outro, eu também já tenho.

Se eu tivesse que fazer uma aposta num cenário otimista, não tem muito segredo: tudo que tiver Brasil vai subir, principalmente os bancos, varejo e empresas de consumo. Só evitaria ações mais defensivas

Já num cenário negativo, as mais óbvias são as exportadoras. As maiores sobem na primeira onda e as menores estão na segunda onda de performance.

Mas isso é uma estratégia traçada olhando o macro. Para o longo prazo, prefiro escolher as boas empresas, o que exclui as estatais.

 

Investir em BDR no Brasil é uma boa alternativa para pessoa física?

Eu só vejo dois problemas em investir em BDR. Primeiro, você tem que conhecer muito bem qualquer empresa em que você investe. Se eu tenho dificuldade em conhecer as empresas que estão no Brasil, tenho mais dificuldade ainda em conhecer as do exterior.

Mas, do ponto de vista de diversificação, sempre tem uma vantagem, pois é um ativo que está listado aqui, com acesso fácil para brasileiros, mas que na verdade está no exterior.

Quanto ao risco de deslistagem, ele é baixo. Por isso, não vejo risco de você ficar micado.

Mas você tem que fazer um investimento ativo, ou seja, se comprar diretamente uma empresa, não pode ter postura passiva, esquecer e não olhar mais. Tem que ficar muito atento a esses eventos que acontecem em cada uma dessas empresas.

E não só os eventos que acontecem no BDR ou em qualquer listagem, mas também nos resultados.

Aí que vejo a dificuldade: como você, do Brasil, pode acompanhar com proximidade o que está acontecendo nos resultados de uma empresa de outro país?

*Foi pensando nisso que a Inversa lançou uma série focada em BDRs, com analistas experientes, que podem fazer isso por você.*

Um abraço. 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia