Gritty Investor #82 - Como escolher suas primeiras ações?

Pedro Cerize Publicado em 20/11/2020
5 min
Veja as 4 dicas do Pedro Cerize

Conteúdo também disponível em vídeo e áudio. Clique abaixo para acessar a plataforma:

Youtube Spotify Apple Google Deezer

Oi.

Separei algumas dúvidas que recebi de pessoas que estavam começando a investir, pois acho que elas podem ser úteis para você investir melhor também.

1) Você comentou sobre a sobre a importância do checklist para os pilotos em momentos de pânico. Como seria um checklist do investidor?

Acredito que cada um deve criar seu checklist.

Eu, Pedro, faço um checklist para comprar empresas, que é: 

  • É um bom negócio?
  • Tem um histórico bom?
  • A empresa possui um bom dono?
  • O preço é bom?

E cada um destes itens tem seus subitens. Eu mesmo deveria fazer mais isso para as atividades do dia a dia; os pilotos não fazem checklist apenas para momentos de pânico, fazem checklist para tudo, é uma atividade permanente.

2) Gostaria de saber quais são as melhores ferramentas para avaliar dados econômicos, balanços, gráficos e derivativos.

Realmente não existe nenhum software para acompanhar o mercado, até já olhei softwares americanos e não encontrei nada. Eles simplesmente padronizam a leitura de balanços e criam indicadores.

Por isso, acredito que nada vai substituir um estudo (caso a caso) das coisas que estão acontecendo, porque a natureza dos negócios é muito diferente em si para que haja uma padronização do estudo. Não tem como você trazer centenas de empresas e dezenas de negócios diferentes para o mesmo padrão de estudo, e achar que isso vai te dar um bom grau de precisão.

Nada vai substituir o trabalho do especialista.

Entre os programas que a gente usa por aqui tem a Economatica, que tem uma base muito boa de dados, e o terminal da Bloomberg, que uso para dar uma olhada rápida nos balanços e para comparar PIB, Ibovespa e S&P com o resto do mundo, pois tem uma compilação muito boa dos lucros reportados e das expectativas de especialistas. Eles têm uma equipe grande para fazer esse trabalho, por isso acho bastante confiável.

3) Seria prudente iniciar aporte de dinheiro em conta no exterior? Se sim, qual o percentual e sugestão de país? 

Depende muito do seu estilo de vida e da quantidade de patrimônio líquido que você tem. Na série A CARTA, indico um padrão geral para cada tipo de investidor considerando o cenário atual. CLIQUE AQUI PARA PODER ENTRAR.

Para ter uma conta no exterior, é necessário ter um volume mínimo. Você até pode ter pouco dinheiro no exterior, mas não acho que isso vai resolver a sua vida.

Em relação a quais moedas valeria a pena ter no exterior, entre as principais moedas, como Dólar, Euro, Iene e British pound (Libra esterlina), eu ficaria com o mais simples, que é o Dólar.

4) Quais seguros você sugere para reduzir perdas no caso de queda da Bolsa? Que parcela do patrimônio você sugere alocar nesses seguros?

Tem uma diferença entre seguro e hedge: 

  1. Comprar put sobre os ativos que você tem é um seguro clássico; 
  2. Vender futuro de índice para proteger uma seleção é um hedge. Ele não é automático, mas tende a proteger sua seleção. 
  3. A terceira modalidade é o caixa. Considerando que existe uma posição em Bolsa, ter dinheiro em caixa é uma forma de se proteger contra uma queda, porque quando cair você vai poder comprar mais. Mas hoje vejo um risco em ficar em caixa que não via no passado.

Percentual de patrimônio. Não dá para comparar comprar uma put dentro do dinheiro com uma put fora do dinheiro. Isso vai muito de bom senso. Mas, de maneira geral, você tem que trabalhar com o seguinte fator: qual é a minha exposição em Bolsa?

Você pega a sua seleção de ações, computa com sua seleção de seguros e vê a sua exposição a Bolsa. Em alguns momentos, você tem que ter mais e, em alguns momentos, tem que ter menos.

O legal é que, geralmente, os seguros estão mais baratos justamente nos momentos em que você tem que ter menos Bolsa.

Então, depois de muita alta, geralmente a volatilidade dos mercados está baixa e, portanto, o custo do seguro está baixo.

Depois de uma queda muito grande acontece justamente o contrário: os preços bons, a volatilidade alta e o custo do seguro muito alto. Nessa hora, acho que é bom você não ter seguro nenhum.

Não digo que você deve ter um percentual do seu patrimônio seguro. Tem épocas que tem que ter muito seguro ou muito caixa. E tem épocas que você tem que ter pouco caixa ou/e nenhum seguro na sua seleção. 

Pedro Cerize

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia