Gritty Investor #37 - A coisa certa na hora errada

Pedro Cerize Publicado em 08/02/2018
4 min
O caos assusta

Gritty Investor

Oi. 

Donald Trump conseguiu cumprir uma de suas principais promessas de campanha: reduzir o imposto sobre o lucro das empresas americanas para estimular o investimento e a repatriação de capital das grandes multinacionais. 
    
Mais uma vez, os políticos se comportaram como o esperado. Ninguém quer ser contra o corte de impostos: nem os Democratas. Os mercados comemoraram, e os índices, tanto o americano, quanto os de outras bolsas mundiais, continuaram a quebrar recordes e janeiro foi uma festa nos mercados. Talvez ele tenha feito a coisa certa, mas na hora errada.

Silenciosamente, a taxa de juros dos títulos americanos começou a subir. Inicialmente o movimento foi interpretado como um sinal de confiança na aceleração da economia. Na cabeça de todos, o conceito de inflação estava morto. Até que uma informação de rendimento do trabalhador veio fora da normalidade, indicando uma aceleração de salários. Rendimento por hora trabalhada em alta é ao mesmo tempo sinal de demanda e de custo crescente, combustível para aumento de preços. 
      
Mas qual político teria a brilhante ideia de cortar impostos em uma economia a pleno emprego e com dívida pública recorde em tempos de paz, ao mesmo tempo em que defende políticas protecionistas e nacionalistas? 
     
Resposta: a Dilma fez a desoneração fiscal quando o desemprego no Brasil era de 4 por cento (muito baixo). Guardadas as devidas proporções, esse foi um movimento semelhante embora em uma economia muito mais sólida.
    
Na segunda-feira os mercados viveram um abalo. Em minutos o Dow Jones perdeu 1.500 pontos e, apesar da recuperação, fechou em queda recorde superior a 1.000 pontos.  Muitos analistas se apressaram em dizer que não havia motivo para ficar nervoso. Era um fenômeno isolado e tudo voltaria ao normal.
      
Mas e se esses fundos fossem apenas o elo mais fraco e aparente do sistema? Anos de montagem de posições vendidas em volatilidades não desaparecem em um dia.  E se, com esse tremor inicial, algo maior tenha se quebrado e as consequências disso só venham a aparecer no futuro? 
     
As primeiras quebras no subprime aconteceram em 2007, mas foi só em 2008 que a verdadeira dimensão do mercado de derivativos de crédito foi revelada. E eram muito mais extensas que o mercado de subprime, o elo mais fraco. Firmas centenárias deixaram de existir e uma intervenção inédita e coordenada dos principais bancos centrais do mundo nos trouxeram até aqui. 
        
Agora temos inflação em alta, bancos centrais iniciando desmontagem de balanço e juros começando a subir. Se isso se confirmar, estamos entrando em um período de incertezas. 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia